Como travar uma luta de classes. Artigo de Immanuel Wallerstein

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • Bartomeu Melià: jesuíta e antropólogo evangelizado pelos guarani (1932-2019)

    LER MAIS
  • Bolsonaro institui o Dia do Rodeio na Festa de São Francisco de Assis

    LER MAIS
  • “O transumanismo acredita que o ser humano está em um suporte equivocado”, afirma filósofo

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

20 Fevereiro 2019

“Numa crise estrutural, a esquerda precisa seguir uma política de buscar, em curto prazo, o poder do Estado para minimizar a dor dos 99% da população e, a médio prazo, buscar uma transformação cultural de todos”, escreve Immanuel Wallerstein, pesquisador sênior da Universidade de Yale e autor de O declínio do poder americano: os EUA em um mundo caótico, em artigo publicado por ALAI, 19-02-2019. A tradução é do Cepat.

Eis o artigo.

As lutas de classe são eternas, mas as formas como elas se dão, depende do estado atual do sistema mundial em que elas estão localizadas.

Os sistemas mundiais possuem três temporalidades. Em primeiro lugar, eles surgem, e precisam ser explicados. Em segundo lugar, são estruturas estabilizadas e operam de acordo com as regras em que são fundadas. E, em terceiro lugar, as regras pelas quais mantêm sua estabilidade relativa deixam de funcionar de maneira eficaz e entram em uma crise estrutural.

No moderno sistema mundial vivemos num sistema capitalista global. Atualmente, estamos no terceiro estágio de sua existência, chamado de crise estrutural.

Durante a fase anterior, a das estruturas estabilizadas ou da normalidade, houve um grande debate dentro da esquerda sobre como alguém poderia alcançar o objetivo de destruir o sistema capitalista. Esse debate ocorreu tanto dentro de movimentos criados pela classe trabalhadora ou proletariado (como sindicatos ou partidos socialdemocratas), como dentro de partidos nacionalistas ou movimentos de libertação nacional.

Cada lado desse grande debate acreditava que sua estratégia, e apenas a sua, poderia ter sucesso. Cada lado criava zonas nas quais aparentemente obtinham sucesso, o que de fato não aconteceu. Os exemplos mais dramáticos de supostas histórias de sucesso, que se revelaram incapazes de evitar o retorno à normalidade, foram de um lado, o colapso da União Soviética, e por outro o colapso da revolução cultural maoísta.

O ponto de virada foi a revolução mundial de 1968, que foi marcada por três características: Foi uma revolução mundial em eventos análogos ocorridos em todo o sistema mundial. Todos rejeitaram tanto a estratégia orientada para o estado, quanto a estratégia cultural transformadora. Disseram que a questão não era nem uma, nem outra, mas ambas.

No fim, a revolução mundial de 1968 também falhou. Porém, acabou com a hegemonia do liberalismo centrista e seu poder de controlar tanto a esquerda como a direita, que foram liberadas para voltar à luta como atores independentes.

No início, o direito ressuscitado parecia prevalecer. Instituiu o Consenso de Washington e lançou o slogan TINA (não há alternativa). Mas, a renda e a desigualdade social se tornaram tão extremas que a esquerda se recuperou e constrangeu a capacidade dos Estados Unidos de manter ou restaurar seu domínio.

O retorno da esquerda como protagonista também chegou a um fim rápido. E assim começou um processo de grandes oscilações, uma característica definidora de uma crise estrutural. Numa crise estrutural, a esquerda precisa seguir uma política de buscar, em curto prazo, o poder do Estado para minimizar a dor dos 99% da população e, a médio prazo, buscar uma transformação cultural de todos.

Essas atividades aparentemente contraditórias são muito desconcertantes. No entanto, eles são a única maneira de perseguir a luta de classes nos anos restantes da crise estrutural. Se pudermos fazer isso, podemos vencer. Se não, perderemos.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Como travar uma luta de classes. Artigo de Immanuel Wallerstein - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV