Estimulada pelas redes, obsessão pela magreza começa cada vez mais cedo

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • O testamento de Dom Jacques Noyer, bispo francês. "O celibato eclesiástico é uma falsa aventura"

    LER MAIS
  • “O pior de tudo em Manaus é a sensação de impotência”

    LER MAIS
  • As grandes mulheres por trás das vacinas contra o Covid

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


21 Janeiro 2019

É bem assustador entrar no Instagram e buscar hashtags como #ana e #mia, que se referem a anorexia e bulimia. São milhões de publicações de pessoas – normalmente meninas – tentando se manter em dietas super rígidas, ou dando dicas, ou recebendo "apoio" para continuar, ou postando fotos com as costelas aparecendo, ou tudo isso junto. Uma matéria do Estadão conta que a busca por dietas malucas na internet começa muito cedo, e profissionais relatam atendimento a crianças com transtornos alimentares a partir dos 8 anos de idade. Uma pesquisa do TIC Kids Online descobriu que uma entre quatro brasileiras de 11 a 14 anos disse já ter tido contato na internet com formas para ficar muito magras.

A informação foi publicada por Outra Saúde, 21-01-2019.

Além do Instagram, onde as imagens da magreza extrema fazem sucesso, o Twitter tem perfis secretos compartilhando dicas de como enganar a família sobre as (ausentes) refeições e ensinam práticas para perder peso. E no Whatsapp, essa terra de ninguém, há inúmeros grupos ligados a anorexia e bulimia promovendo mutirões de jejuns. A reportagem transcreve a descrição de um deles, com mais de 200 participantes: "Todas unidas com um único propósito, foco no NF (no food), foco na beleza, rumo à magreza extrema. Rumo à perfeição".

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Estimulada pelas redes, obsessão pela magreza começa cada vez mais cedo - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV