“A comunidade internacional deve agir com responsabilidade e solidariedade”. Papa apoia o Pacto Global para a Migração

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Pedro descansa onde ele sonhou, na beira do Araguaia, entre um peão e uma prostituta

    LER MAIS
  • “A pandemia econômica será de uma brutalidade desconhecida”. Entrevista com Ignacio Ramonet

    LER MAIS
  • Covid-19: Estudo indica como a pandemia do novo coronavírus chegou e se disseminou pelo Brasil

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


17 Dezembro 2018

“Em uma aldeia perdida da Galileia, no coração de uma jovem desconhecida do mundo, Deus acende a centelha da felicidade para o mundo inteiro”. Com estas palavras o Papa Francisco resumiu, durante o Angelus, a mensagem do domingo, 16 de dezembro de 2018, também conhecido como “Gaudete” pela liturgia do Advento. E depois da oração mariana, o Pontífice citou a aprovação do Pacto Global para a migração segura, ordenada e regular, expressando o desejo de que a comunidade internacional aja com responsabilidade, solidariedade e compaixão para com os que deixam seus países.

A reportagem é de Andrea Tornielli e publicada por Vatican Insider, 16-12-2018. A tradução é de André Langer.

Na Praça São Pedro, encontravam-se as crianças do Centro dos Oratórios de Roma, das paróquias e as famílias de Roma para a bênção dos “Meninos Jesus”, que serão colocados nos presépios. O Papa recordou, com as palavras do profeta Sofonias, que os habitantes de Jerusalém “são chamados a se alegrar porque o Senhor revogou a sua condenação. Deus perdoou, não quis punir! Consequentemente, para o povo não há mais motivo de tristeza nem de desconsolo, mas tudo leva a uma gratidão alegre a Deus, que sempre quer resgatar aqueles que ama. E o amor do Senhor pelo povo é incessante”.

Isto se aplica, acrescentou o Pontífice, a Jesus, “o Emanuel, o Deus-conosco: sua presença é a fonte da alegria”. Esta mensagem “encontra seu pleno significado no momento da anunciação a Maria, narrada pelo evangelista Lucas”.

“Em uma aldeia perdida da Galileia, no coração de uma jovem desconhecida do mundo, Deus acende a centelha de felicidade para o mundo inteiro. E hoje – acrescentou Francisco – o mesmo anúncio é dirigido à Igreja, chamada a acolher o Evangelho para que se torne carne, vida concreta e diga à Igreja, a todos nós: ‘Alegra-te, pequena comunidade cristã, pobre e humilde, mas bela aos meus olhos, porque desejas ardentemente o meu Reino, tens fome e sede de justiça, teces com paciência tramas de paz, não segues os poderosos do momento, mas permaneces fiel ao lado dos pobres. E assim não tens medo de nada, mas seu coração está na alegria’. Se formos assim à presença do Senhor, nosso coração estará sempre na alegria”.

“A consciência de que nas dificuldades sempre podemos nos dirigir ao Senhor, e de que Ele jamais rejeita as nossas invocações – explicou o Pontífice – é uma grande fonte de alegria. Nenhuma preocupação, nenhum medo jamais conseguirá nos tirar a serenidade que vem de saber que Deus guia amorosamente a nossa vida, sempre, inclusive em meio a problemas e sofrimentos; esta certeza alimenta a esperança e a coragem. Mas, para acolher o convite do Senhor à alegria, devemos estar dispostos a nos interrogar”.

O que significa estar disposto a se interrogar? O Papa Bergoglio respondeu da seguinte maneira: “assim como aqueles que, após terem ouvido a pregação de João Batista, lhe perguntam: ‘Você prega. E nós, o que devemos fazer? O que devo fazer?’”. Esta pergunta, concluiu Francisco, “é o primeiro passo para a conversão que somos convidados a fazer neste tempo de Advento. Que cada um de nós se pergunte: ‘O que devo fazer?’”

“Na semana passada – disse o Papa depois do Angelus –, foi aprovado o Pacto Global pela Migração Segura, Ordenada e Regular em Marrakech, no Marrocos, que pretende ser um marco de referência para toda a comunidade internacional. Espero, portanto, que ela, também graças a este instrumento, possa agir com responsabilidade, solidariedade e compaixão para com aqueles que, por diferentes razões, deixaram o seu próprio país, e encomendo esta intenção às suas orações”.

Além disso, como já havia anunciado, o Papa abençoou as estatuetas do Menino Jesus que os meninos de Roma trouxeram, acompanhados pelo bispo auxiliar dom Ruzza. “Queridos meninos – disse o Papa –, quando em suas casas se reunirem em oração diante do presépio, fixando o olhar no Menino Jesus, sentirão estupor pelo grande mistério de Deus feito homem; e o Espírito Santo colocará em seus corações a humildade, a ternura e a bondade de Jesus. Este é o verdadeiro Natal! Que seja assim para vocês e seus familiares”.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

“A comunidade internacional deve agir com responsabilidade e solidariedade”. Papa apoia o Pacto Global para a Migração - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV