Honduras. Uma sombra de temor sobrevoa a caravana

Revista ihu on-line

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

No Brasil das reformas, retrocessos no mundo do trabalho

Edição: 535

Leia mais

Mais Lidos

  • Vaticano abre as portas para a ordenação de homens casados em regiões isoladas

    LER MAIS
  • Renda do trabalhador mais pobre segue em queda e ricos já ganham mais que antes da crise

    LER MAIS
  • A última entrevista de Francisco com os jesuítas é reveladora – também de suas contradições

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

25 Outubro 2018

É a caravana de número 14, um terço de crianças, em sua maioria procedente de Honduras, mas que, na medida em que avança se junta a grupos de guatemaltecos, salvadorenhos, nicaraguenses e até mexicanos.

A reportagem é publicada por Página|12, 24-10-2018. A tradução é de Graziela Wolfart.

Exemplo vivo das tragédias que as políticas migratórias desumanas dos governos dos Estados Unidos e do México provocam, nas próximas horas ingressará no território mexicano através da guarita El Carmen-Talisman cerca de 50 mulheres procedentes de Honduras, Nicarágua, El Salvador e Guatemala, todas elas mães de transmigrantes desaparecidos no trajeto do México à fronteira norte.

Esta caravana, a décima quarta, organizada pelo Movimento Migrante Mesoamericano, se faz presente em um momento e em um lugar convulsionados pela  crise humanitária que se desenvolve com o caminhar de mais de 7 mil pessoas, um terço de crianças, em sua maioria procedente de Honduras, mas que na medida em que avança se junta a grupos de guatemaltecos, salvadorenhos, nicaraguenses e até mexicanos.

Todos eles consideram que apesar do alto custo em sofrimento e esforço, avançar pela rota migratória em massa e no contexto de uma caravana organizada é muito menos perigoso do que andar em pequenos grupos na rota migratória. A 14ª caravana do Movimento Migrante Mesoamericano, meticulosamente organizada com vistos, proteção do Estado mexicano, logística e atenção das necessidades vitais dos viajantes, se propõe estar presente na coluna do êxodo hondurenho, que no dia de hoje acampa em Huixtla, a uns 80 quilômetros da cidade de fronteira, Talisman. Ali eles oferecerão uma mensagem de consolo e solidariedade aos caminhantes que neste dia processam o doloroso luto de ter perdido um dos seus.

Na noite passada, em Huixtla, foi velado o corpo do jovem Melvin Josué, que no dia de ontem caiu de cima de um dos caminhões que ajudam no avanço dos migrantes. Sofreu fratura de crânio e os especialistas dos Médicos do Mundo nada puderam fazer para salvá-lo. Esta primeira baixa no êxodo migrante reascendeu a preocupação das organizações de direitos humanos que, de maneira precária, acompanham a caravana. Mas, sobretudo, espalhou uma sombra de desânimo e temor no restante dos caminhantes.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Honduras. Uma sombra de temor sobrevoa a caravana - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV