Reunião em Bruxelas do COMECE, REPAM e UE. A Europa diante da Amazônia

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Irã. A história política do país persa, xiita e anti-imperialista

    LER MAIS
  • Com acusação de ambientalistas que trabalham na proteção da Amazônia, "o medo está instalado", diz Libération

    LER MAIS
  • “Do fundo do nosso coração” é um “de profundis”. Ou seja, o Concílio Vaticano II não é opcional

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

05 Outubro 2018

"A situação em que está a Amazônia é um problema global, que exige uma resposta global. E a Europa, sendo parte do problema, pode e deve ser parte da solução" é o que afirmou o arcebispo Jean-Claude Hollerich, arcebispo de Luxemburgo e presidente da Comissão dos Episcopados da Comunidade Europeia (COMECE), durante um debate realizado há alguns dias, em Bruxelas, patrocinado pela COMECE, juntamente com a REPAM, Adveniat, Misereor e CIDSE, com a participação da UE, sobre o tema: "Os povos indígenas da Amazônia. Como pode a União Europeia promover os seus direitos?". "As feridas infligidas sobre o ambiente e os cuidados necessários com a criação, com um olhar mais atento para a Amazônia – declarou o prelado à agência SIR - não só representam um grave problema ambiental, social e político, mas chamam diretamente em causa a Igreja porque está envolvida a defesa da vida humana".

A reportagem é publicada por L'Osservatore Romano, 02 a 03-10-2018. A tradução é de Luisa Rabolini.

O Presidente da COMECE reflete a partir da exploração do patrimônio amazônico, dos interesses das multinacionais, da poluição produzida pela mineração e pelos muitos negócios que giram em torno desse gigantesco "pulmão" que produz um quarto do oxigênio na Terra. "Mas não se trata apenas de macro-questões. Somos chamados a refletir sobre nossos estilos de vida, como usamos os bens que a natureza nos oferece. Vivemos - observou ele - em um mundo interconectado e cada um é responsável perante os outros por suas ações, incluindo o que diz respeito à proteção do planeta".

Recordando a encíclica Laudato si’ do Papa Francisco, monsenhor Hollerich ressaltou que "temos que imergir na realidade, porque é na realidade que encontramos Deus. E hoje isso nos pede para cuidar da criação, que exige uma verdadeira revolução dos costumes, da mentalidade e da economia".

Da mesma opinião é o cardeal dom Claudio Hummes, arcebispo emérito de São Paulo e presidente do REPAM (rede eclesial da Pan-amazônia), que tem focado a sua atenção "sobre o sofrimento dos povos indígenas", ameaçados pela exploração da floresta amazônica, dos rios, das matérias-primas e da natureza. Ele reiterou que "a questão ecológica, como lembra o Papa Francisco, nos chama em causa diretamente, porque diz respeito a própria vida humana".

De suas palavras emerge a complexidade da situação na América Latina, e a exploração da Amazônia coloca-se em um contexto de direitos violados, de opressão das populações que desde sempre habitam esses territórios, de milionários negócios que passar por cima de territórios, aldeias e comunidades locais. Assim, uma ampla referência ao Sínodo pan-amazônico, a ser realizado no segundo semestre de 2019 sobre "Amazônia: novos caminhos para a Igreja e para uma ecologia integral": "O ecossistema global está ameaçada - explicou o cardeal - e a Igreja só pode ficar atenta, presente e ao lado dos direitos dos mais fracos".

Finalmente, o Cardeal Pedro Barreto Jimeno, vice-presidente de REPAM e Arcebispo de Huancayo (Peru), citou o testamento espiritual do cardeal Carlo Maria Martini ("A Igreja ficou duzentos anos para trás") para indicar a urgência de uma maior atenção e coragem para enfrentar os temas da ''ecologia integral" do Papa Francisco e da proteção dos direitos das populações mais vulneráveis na Amazônia. "Com o Sínodo do próximo ano - disse ele - pela primeira vez, a Igreja vai dar a palavra aos povos da floresta amazônica, vai ouvi-los para poder voltar a se envolver em várias frentes: pobreza, direitos, simplicidade, ecologia, educação, globalidade".

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Reunião em Bruxelas do COMECE, REPAM e UE. A Europa diante da Amazônia - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV