Francisco pede aos católicos e evangélicos que superem a "desconfiança mútua"

Revista ihu on-line

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Mais Lidos

  • Aumento da miséria extrema, informalidade e desigualdade marcam os dois anos da Reforma Trabalhista

    LER MAIS
  • Mais um golpe... em nome de Deus

    LER MAIS
  • “É muito importante que nós, franciscanos, assumamos a nossa responsabilidade neste momento”. Entrevista com Moema Miranda

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

01 Outubro 2018

O Papa Francisco recebeu neste dia 28 de setembro os participantes da Plenária do Pontifício Conselho para a Promoção da Unidade dos Cristãos, sobre o tema: “Pentecostais, carismáticos e evangélicos: impacto no conceito de unidade”. No discurso que dirigiu a eles, o Papa agradeceu a todos pelo compromisso diário, que lhe ajuda, afirmou, a oferecer seu ministério como Bispo de Roma como "um serviço de unidade e comunhão, de diversas maneiras e formas, a todos os que creem em Cristo".

A informação é publicada por Vatican News, 28-09-2018. A tradução é de Graziela Wolfart.


Novas expressões de vida cristã não podem ser ignoradas

Depois de recordar alguns dos pontos em destaque do caminho ecumênico feito recentemente, indicou que o crescimento constante das novas expressões da vida cristã é um fenômeno muito significativo que não pode ser ignorado:

"As formas concretas das comunidades inspiradas nestes movimentos estão muitas vezes vinculadas ao contexto geográfico, cultural e social no qual que se desenvolvem, e por isso minha breve reflexão não terá presente as situações individuais, mas irá se referir ao fenômeno global".


Superar a desconfiança

O Pontífice assinalou o dever de "discernir e reconhecer a presença do Espírito Santo nas referidas comunidades", "buscando construir com elas vínculos de autêntica fraternidade", algo que "será possível multiplicando as oportunidades de encontro e superando a desconfiança mútua, frequentemente motivada pela ignorância ou pela falta de compreensão". E, nesse sentido, ofereceu uma experiência pessoal e um mea-culpa que remonta ao tempo em que era provincial, sobre a reunião da renovação católica:

Disse que mais do que uma reunião de oração, parecia uma “escola de samba”, não? Logo pedi desculpas. E, como bispo, tive uma boa relação com eles, com a missa na catedral.... Mas, é preciso um caminho para compreender.


Atividades a compartilhar com os outros cristãos

Depois enumerou as diversas atividades que podem ser partilhadas, como a oração, a escuta da Palavra de Deus, o serviço aos necessitados, o anúncio do Evangelho, a defesa da dignidade da pessoa e da vida humana.

Em uma presença fraterna e recíproca, nós, católicos, poderemos aprender a apreciar a experiência de tantas comunidades que, muitas vezes de formas diferentes às quais estamos acostumados, vivem sua fé, louvam a Deus e dão testemunho ou do Evangelho ou da caridade. Ao mesmo tempo, [isso] os ajudará a superar os preconceitos em relação à Igreja católica e a reconhecer que no tesouro inestimável da tradição, recebido dos Apóstolos e conservado ao longo da história, o Espírito Santo não está de forma alguma apagado nem sufocado, mas continua atuando eficazmente.


Que os contrastes sejam motivo de exame pessoal

Francisco admitiu que em muitos casos as relações entre católicos e pentecostais, carismáticos e evangélicos não são fáceis, e que o surgimento de comunidades ligadas à personalidade de alguns pastores, "contrasta fortemente com os princípios e a experiência eclesiológica das Igrejas históricas". E advertiu que isto "pode esconder a malícia de se deixar levar pelas ondas emocionais do momento e de prender a experiência da fé em ambientes protegidos e tranquilizadores".

O fato de que muitos fiéis católicos se sintam atraídos por estas comunidades é um motivo de divergência, mas pode se converter, de nossa parte, em um motivo de exame pessoal e de renovação pastoral.


Abrir-se à novidade do Espírito

"Os católicos podem aceitar aquelas riquezas que, sob a orientação do Espírito, contribuem, em larga medida, ao cumprimento da missão de anunciar o Evangelho até os confins da terra". Nesse sentido, o Papa se aprofundou sobre a novidade do Espírito Santo, e a necessidade de evitar se acomodar em posições estáticas para "abraçar o risco de se aventurar na promoção da unidade"; algo que os diálogos feitos pelo Conselho Pontifício com os pentecostais, carismáticos e evangélicos - afirmou- contribuem de maneira significativa.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Francisco pede aos católicos e evangélicos que superem a "desconfiança mútua" - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV