Medellín em gotas. 16º- Realidade da família

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • Metaverso? Uma solução em busca de um problema. Entrevista com Luciano Floridi

    LER MAIS
  • Comunidades Eclesiais de Base, sim. Artigo de Pedro Ribeiro de Oliveira

    LER MAIS
  • A implementação do Concílio no governo do Papa Bergoglio. Artigo de Daniele Menozzi

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


26 Setembro 2018

"Para desenvolver uma verdadeira Pastoral Familiar não podemos partir da “família ideal” (a família em si), mas das “famílias reais” (as famílias que de fato existem); apresentar a proposta de vida de Jesus e respeitar (sem condenações) as etapas de crescimento das famílias, sabendo que - no mundo - nenhuma família vive de maneira plena o ideal de Jesus. Ele é uma busca contínua", escreve Marcos Sassatelli, frade dominicano, doutor em Filosofia (USP) e em Teologia Moral (Assunção - SP) e professor aposentado de Filosofia da UFG, 15-08-2018.

Eis o artigo. 

No documento “Família e Demografia” - que é o terceiro - a II Conferência Geral do Episcopado Latino-americano e Caribenho de Medellín começa afirmando: “Nesta tomada de consciência da Igreja a respeito de si mesma, enquanto inserida na realidade latino-americana, é-lhe indispensável a reflexão sobre a realidade da família”.

Reconhece, pois, que esta reflexão não é fácil, por várias razões. “Porque a ideia da família encarna-se em realidades sociológicas sumamente diversas. Porque a família tem sofrido, talvez mais que outras instituições, os impactos das mudanças e transformações sociais. Porque na América Latina a família (reparem!) sofre de modo especialmente grave as consequências ‘dos círculos viciosos’ do subdesenvolvimento: más condições de vida e cultura, baixo nível de salubridade, baixo poder aquisitivo etc., transformações que nem sempre se podem captar adequadamente”.

Na América Latina e Caribe, como também em outras partes do mundo, a família encontra-se “em situação de transformação” e sofre “a influência de quatro fenômenos sociais fundamentais”:

1. “Passagem de uma sociedade rural a uma sociedade urbana, o que leva uma família de tipo patriarcal a um novo tipo de família, de maior intimidade, com melhor distribuição de responsabilidades e maior dependência de outras micro - sociedades.

2. O processo de desenvolvimento (reparem novamente!) implica em abundantes riquezas para algumas famílias, insegurança para outras e marginalidade social para as restantes (que, infelizmente, são a maioria).

3. O rápido crescimento demográfico, que não deve ser tomado como a única variável demográfica e muito menos como a causa de todos os males da América Latina (e Caribe), engendra vários problemas tanto de ordem socioeconômica como de ordem ético-religiosa.

4. O processo de socialização, que subtrai à família alguns aspectos de sua importância social e de suas zonas de influência, mas deixa intactos seus valores essenciais e sua condição de instituição básica de sociedade global”.

Estes fenômenos - afirmam os bispos - “produzem na família concreta da América Latina (e Caribe) algumas repercussões que se traduzem em problemas de certa gravidade”. Na impossibilidade de catalogá-los todos, apontam “os que parecem ter maior transcendência, incidência mais frequente ou maior repercussão sócio - pastoral”:

  •  “Índice de casamento muito baixo. A América Latina (e Caribe) registram os mais baixos índices de casamentos em relação à sua população. Isto indica uma alta porcentagem de uniões ilegais, aleatórias e quase sem estabilidade, com todas as consequências que derivam de tal situação.
  • Alta porcentagem de nascimentos de uniões ocasionais (mãe é mãe, filho é filho, sem adjetivos). É esse um fator que pesa fortemente sobre a explosão demográfica.
  • Crescente e alto índice de desagregação familiar, seja pelo divórcio tão facilmente aceito e legalizado em não poucas regiões, seja por abandono do lar (quase sempre por parte do pai), seja pelas desordens sexuais nascidas de uma falsa noção de masculinidade.
  • Acentuação do hedonismo e do erotismo como resultante da asfixiante propaganda propiciada pela civilização de consumo.
  • Sérios problemas de moradia por causa de insuficiente e defeituosa política a respeito desse problema”.
  • Desproporção entre os salários e as condições reais da família.
  • Má distribuição dos bens de consumo e de civilização, como: alimentação, vestuário, trabalho, meios de comunicação, descanso, diversões, cultura etc.
  • Impossibilidade material e moral para muitos jovens de constituir dignamente uma família, o que provoca o surgimento de muitas células familiares deterioradas”.

Os participantes da Conferência concluem dizendo: “Nosso dever pastoral é fazer um premente apelo aos que governam e a todos os que possuem alguma responsabilidade a respeito, para que deem à família o lugar que lhe corresponde na construção de uma cidade temporal digna do ser humano, ajudando-a a superar os graves males que a afligem e impedem sua plena realização.

Como é atual essa análise e interpretação da realidade da família na América Latina e Caribe! Ah, se hoje os Encontros ou Congressos de Pastoral Familiar começassem - como nos ensina Medellín - com “a reflexão sobre a realidade da família”! Os resultados seriam outros.

Para desenvolver uma verdadeira Pastoral Familiar não podemos partir da “família ideal” (a família em si), mas das “famílias reais” (as famílias que de fato existem); apresentar a proposta de vida de Jesus e respeitar (sem condenações) as etapas de crescimento das famílias, sabendo que - no mundo - nenhuma família vive de maneira plena o ideal de Jesus. Ele é uma busca contínua.

Tomar consciência da situação de injustiça em que vive a maioria das nossas famílias e lutar por seus direitos a fim de que todas as famílias tenham o necessário para uma vida digna, não é parte integrante da Pastoral Familiar? Lendo certos textos sobre Pastoral Familiar ou relatórios de Encontros e Congressos tem-se a impressão que essas questões de direitos humanos e de justiça não têm nada a ver com a Pastoral Familiar. Não é uma atitude - ingênua ou não - que legitima a situação de injustiça institucionalizada e legalizada, na qual vive a maioria de nossas famílias? Não é essa uma fuga dos reais problemas das famílias? Não seria bom que a Pastoral Familiar retomasse o ensinamento de Medellín vivenciando o método “ver, julgar, agir” (analisar, interpretar, libertar) e “celebrar”?

Como diz o Documento de Aparecida (e não somente Medellín), ele "nos permite articular, de modo sistemático, a perspectiva cristã de ver a realidade; a assunção de critérios que provêm da fé e da razão (ou seja, da razão iluminada pela fé) para seu discernimento e valorização com sentido crítico; e, em consequência, a projeção do agir como discípulos/as missionários/as de Jesus Cristo" (19).

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Medellín em gotas. 16º- Realidade da família - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV