China-Santa Sé. Um acordo histórico. Artigo de Francesco Sicsi

Revista ihu on-line

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Mais Lidos

  • Vaticano, roubadas da igreja estátuas indígenas consideradas “pagãs” e jogadas no Tibre

    LER MAIS
  • A peleja religiosa. Artigo de José de Souza Martins

    LER MAIS
  • Começa a hora da decisão para os bispos da Amazônia na semana final do Sínodo. Artigo de Thomas Reese

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

24 Setembro 2018

"Os próximos passos são difíceis de determinar, mas o anúncio recente da visita do Papa ao Japão no próximo ano é uma indicação. Em 2019, no caminho para o Japão ou em seu caminho de volta, o Papa talvez também possa ir para a China", escreve Francesco Sisci, sinólogo, autor e especialista em questões sobre a China, professor da universidade de Renmin, em Beijing, em artigo publicado por Settimana News, 22-09-2018. A tradução é de Victor D. Thiesen.

Eis o artigo.

Nos próximos séculos, poucas coisas serão lembradas mais intensamente do que o acordo de 22 de setembro entre a China e a Santa Sé.

O acordo é sobre a primeira divisão da esfera de interesses da China entre política e religião. Trata-se de ajudar a dar continuidade a modernização da China.

Mas possivelmente também é algo relevante para o encontro há muito tempo conturbado entre o Oriente e o Ocidente. O Vaticano pode ser muitas coisas, mas, sobretudo, representa a continuidade histórica de milhares de anos da civilização ocidental.

O governo chinês também representa a continuidade de três milênios de história. A normalização implica também que estas duas civilizações, duas histórias milenares, se encontram como iguais pela primeira vez, em paz, sem o ódio da guerra ou os cálculos mesquinhos do comércio.

Estas considerações superam de longe todos os outros elementos que são, ou estão fadados a ser, muito controversos, mas que também serão revisados em tempo, como afirma o acordo.

Os dois lados mostraram grande coragem e visão ao remover séculos de desconfiança mútua e abraçar um futuro que é aberto e ainda muito incerto.

O presidente Xi Jinping, pela primeira vez, reconheceu e confirmou o papel da Igreja na China e o Papa Francisco e seu secretário de Estado Pietro Parolin, pela primeira vez, foram autorizados a entrar oficial e pacificamente na China, em um momento histórico muito delicado.

Ventos de guerra comercial, e até mesmo da Guerra Fria, estão soprando forte na China agora. A China não é mais o sonho cor-de-rosa da imprensa internacional.

Muitos estão céticos e cautelosos sobre a direção que a China está tomando. Então, é ainda mais importante que, exatamente neste momento, a Santa Sé possa intervir e ajudar nessas tensões.

Os próximos passos são difíceis de determinar, mas o anúncio recente da visita do Papa ao Japão no próximo ano é uma indicação. Em 2019, no caminho para o Japão ou em seu caminho de volta, o Papa talvez também possa ir para a China.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

China-Santa Sé. Um acordo histórico. Artigo de Francesco Sicsi - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV