A túnica rasgada do ecumenismo

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • Papa aprovará padres casados na Amazônia, afirma teólogo

    LER MAIS
  • “A capacidade de constituição de novos horizontes da esquerda brasileira, hoje, é nula”. Entrevista com Vladimir Safatle

    LER MAIS
  • Depressão vertiginosa que o Brasil atravessa também é herança da esquerda, diz Le Monde

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

20 Setembro 2018

O fato de que a situação conflituosa entre Constantinopla e Moscou está nas alturas é bem conhecido. Os casos relacionados são cada vez mais dramáticos e ameaçam ter consequências nefastas para o processo ecumênico.

A reportagem é de Francesco Strazzari, publicada em Settimana News, 18-09-2018. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Se chegará à ruptura? Repercute cada mais frequentemente nestes dias a feia palavra “cisma”, que seria uma catástrofe com a qual a própria Igreja Católica sofreria. Surgem interrogações, legítimas, contudo, de acordo com os fatos: trata-se da manifestação de uma das maiores orgias de poder e de “mundanismo”, para usar a terminologia do Papa Francisco?

Parece realmente que sim, se examinarmos os eventos em solo russo. São muitos os privilégios que o Patriarcado de Moscou recebeu e continua recebendo de Putin e que a Igreja do Patriarca Kirill sente o dever de retribuir, especialmente no tenebroso caso da Ucrânia, sacrificando todos os aspectos eclesiais e ecumênicos.

No centro das atenções, destaca-se a figura de Hilarion Alfeev, metropolita de Volokolamsk, presidente do Departamento das Relações Exteriores do Patriarcado de Moscou. Sabe-se que ele fez com que se perdessem cinco anos de trabalho da Comissão Mista para o Diálogo Teológico entre a Igreja Católica e as Igrejas Ortodoxas, ao rejeitar todos os documentos que haviam sido preparados sobre o tema “Sinodalidade e primado no primeiro milênio”. Lembrando, aliás, que o próprio Hilarion havia contribuído com eles. A comissão se reduziu a publicar o Documento de Chieti, um texto de seis páginas no total. Não é preciso ser um grande teólogo para dizer que ele é inodoro e insosso.

Uma opinião confiável é que é quase impossível continuar o diálogo teológico com a Igreja Católica porque o Patriarcado de Moscou quer mudar o tema atual há muito tempo acordado, ou seja, “Primado e sinodalidade no segundo milênio”. Hilarion conseguiu obter que este título fosse acrescentado como esclarecimento: “As diferenças teológicas entre católicos e ortodoxos”.

As diferenças que os dividem são conhecidas e levantam problemas há séculos. O propósito do diálogo – mas é preciso repetir isto a todo momento – é encontrar formas de união em vista do “cálice comum”.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

A túnica rasgada do ecumenismo - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV