Alemanha, o ódio social desencadeia agressões contra os refugiados. A análise de dois economistas

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • Do samba ao funk, o Brasil que reprime manifestações culturais de origem negra e periférica

    LER MAIS
  • ASA 20 Anos: Água potável é vida e bênção para a infância do Semiárido

    LER MAIS
  • Massacre de Paraisópolis é a falta do reconhecimento da cultura periférica, diz Raquel Rolnik

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

28 Agosto 2018

Dois acadêmicos alemães da Universidade de Warwick demonstraram que existe uma clara correlação entre as manifestações virtuais e os ataques reais.

A reportagem é de Tonia Mastrobuoni, publicada por La Repubblica, 23-08-2018. A tradução é de Luisa Rabolini.

Existe um nexo entre as postagens do ódio contra os refugiados que infestam as mídias sociais e os ataques contra os centros de acolhimento ou as manifestações racistas ou as agressões xenófobas aos refugiados? Dois acadêmicos alemães da Universidade de Warwick estão convencidos que sim. Ao analisar em detalhe a página do Facebook da AfD, da direita populista alemã, e 3.335 agressões contra refugiados ocorridos nos anos mais quentes das chegadas na Alemanha, 2015-2017, Carlos Schwarz e Karsten Müller demonstraram que existe uma clara correlação entre manifestações virtuais e os ataques reais.

Nas palavras dois economistas, "os sentimentos antirrefugiados no Facebook predizem crimes violentos contra os refugiados". As mídias sociais, conforme é relatado em sua pesquisa, "podem se tornar um veículo entre os discursos do ódio e os acidentes reais".

Schwarz e Müller optaram por se concentrar em milhares de posts e comentários que apareceram nas páginas do Facebook dos populistas de direita do AfD por razões práticas. A rede social de Zuckerberg é a mais popular. Enquanto a AfD, além de contar com 300 mil seguidores, um número sem igual entre os partidos alemães, é também a mais "aberta", não tendo moderadores para os comentários e até mesmo permitindo que os usuários escrevam posts. Mesmo os comentários mais racistas e despudorados não são filtrados. Um ímã para os extremistas de direita que gostariam de atingir um público mais amplo.

Os autores realizaram uma análise minuciosa de 176 mil posts, 290 mil comentários, 500 mil curtidas e tentaram, sempre que possível, identificar a origem dos usuários para estabelecer uma relação entre momentos de campanhas de ódio com determinados gestos racistas ocorridos no mesmo período. Inclusive examinando momentos em que no site da Afd apareciam notícias diversas, sobre Trump ou o Brexit, por exemplo, em suma, que distraiam da crise dos refugiados.

E, mesmo em tais casos, os dois economistas alemães encontraram uma confirmação de sua tese: quando os debates se deslocavam para outros temas, os crimes e as agressões contra os refugiados diminuíam.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Alemanha, o ódio social desencadeia agressões contra os refugiados. A análise de dois economistas - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV