Abusos no Chile: ''Ferida aberta, dolorosa e complexa''. Revista dos jesuítas aprofunda a reflexão

Revista ihu on-line

Missões jesuíticas. Mundos que se revelam e se transformam

Edição: 530

Leia mais

Nietzsche. Da moral de rebanho à reconstrução genealógica do pensar

Edição: 529

Leia mais

China, nova potência mundial – Contradições e lógicas que vêm transformando o país

Edição: 528

Leia mais

Mais Lidos

  • Calmaria antes da tempestade: antecipando o plano radical de um papa reformista para reduzir a Cúria Romana

    LER MAIS
  • Lula solto poderia tirar militares do controle, diz comandante do Exército: “Estávamos no limite”

    LER MAIS
  • “Atualmente, o ser humano vive como um animal em cativeiro”. Entrevista com José Luis Padilla

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

24 Julho 2018

“Uma ferida aberta, dolorosa e complexa, que há muito tempo está sangrando.” O padre Diego Fares, escritor da revista La Civiltà Cattolica, define nesses termos o escândalo dos abusos que atingiu a sociedade e a Igreja do Chile.

A nota é do Servizio Informazione Religiosa, 18-07-2018. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

No caderno 4.034 da revista, lançado nesse sábado, 21 de julho, o jesuíta tentar explicar a processo implementado pelo Papa Francisco e os critérios de discernimento que ele identificou para curar essa chaga. A data de início foi 18 de janeiro deste ano, quando, perguntado por uma jornalista sobre o caso do bispo Barros, o pontífice respondeu: “O dia em que eu tiver uma prova, vou falar”. Resposta à qual se seguiram os seus pedidos de desculpa e, depois de um mês de oração e consultas, o envio ao Chile, no dia 19 de fevereiro, de Dom Charles Scicluna, com a missão de escutar as vítimas e fazer um relatório sobre a situação.

Um processo no qual se inserem dois textos particularmente significativos do papa: a carta-meditação entregue aos bispos chilenos – convocados a Roma de 15 a 17 de maio à luz do relatório de Scicluna – para que rezassem por um dia inteiro, e a carta dirigida “ao Povo de Deus peregrino no Chile”.

Na meditação proposta aos bispos, observa Fares, o pontífice especifica os pecados concretos de forma clara e sem eufemismos. Deve-se condenar e punir as pessoas concretas, mas não é suficiente. Não se deve ceder à tentação de “jogar o problema sobre as costas dos outros” e também não se deve ceder às tentações de “não ir a fundo na busca das raízes e das estruturas que permitiram que esses acontecimentos concretos se repetissem e se perpetuassem”.

Francisco introduz o critério de fundo para esse discernimento, “que vai contra a ‘psicologia de elite’, que prevaleceu em uma parte significativa do clero chileno: o critério do todo e da parte, e o lugar que a hierarquia ocupa no conjunto do Povo fiel de Deus”.

Na carta aos batizados chilenos, ele também afirma: “Com vocês será possível dar os passos necessários para uma renovação e uma conversão eclesial que seja sadia e de longo prazo” e os exorta a ter a coragem de dizer aos pastores: “‘Eu gosto disto... isto não está certo’”.

“Estamos diante do convite a nos deixar envolver, a caminhar na busca e a construir entre todos uma Igreja profética, mais sinodal, aberta à esperança”, conclui Fares.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Abusos no Chile: ''Ferida aberta, dolorosa e complexa''. Revista dos jesuítas aprofunda a reflexão - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV