Orçamento de 2019 consolida política de austeridade do governo federal

Revista ihu on-line

Sistema público e universal de saúde – Aos 30 anos, o desafio de combater o desmonte do SUS

Edição: 526

Leia mais

Karl Marx, 200 anos - Entre o ambiente fabril e o mundo neural de redes e conexões

Edição: 525

Leia mais

Junho de 2013 – Cinco Anos depois.Demanda de uma radicalização democrática nunca realizada

Edição: 524

Leia mais

Mais Lidos

  • Bolsonaro e seu estranho Deus das armas

    LER MAIS
  • Decisão histórica. Nos EUA, Monsanto é condenada a pagar multa milionária por herbicida

    LER MAIS
  • Francisco, aos jovens: "Uma Igreja fechada e clerical é um escândalo, uma perversão"

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

13 Julho 2018

O Congresso Nacional aprovou a Lei de Diretrizes Orçamentárias de 2019 na madrugada desta quinta-feira (12). Uma das principais polêmicas, o impedimento do reajuste salarial a servidores públicos caiu. No entanto, a ideia geral de corte de gastos foi mantida.

A reportagem é de Rafael Tatemoto, publicada por Brasil de Fato, 12-07-2018.

Grazielle David, assessora política do Instituto de Estudos Socioeconômicos (Inesc), avalia que o orçamento público brasileiro não sofrerá alterações devido à Emenda Constitucional (EC) 95, que congelou os investimentos públicos até 2036. “A ideia é que há um teto de gastos e, portanto, tem-se que controlar gastos”.

O relatório do senador Dalírio Beber (PSDB-SC) previa, além da proibição de reajuste, a impossibilidade de novas contratações no setor público em 2019. Com a resistência da oposição, a Comissão Mista do Orçamento (CMO) rejeitou as duas propostas.

Na avaliação do deputado Paulo Pimenta (PT-RS), a medida significa a “desconstituição dos serviços públicos e a desqualificação da força de trabalho dos servidores públicos do nosso País”, além de restringir a “liberdade do próximo presidente de apresentar sua visão de Estado”.

A oposição declarou voto contrário se deve ao descompasso entre a proposta e a resistência de se debater a limitação das remunerações de servidores, especialmente do Judiciário, ao teto constitucional.

Ponto positivo

Uma das medidas previstas na LDO é o fim de novos gastos tributários, ou seja, receitas das quais o Estado abre mão em nome de subsídios, isenções e benefícios. Grazielle afirma que há um descontrole sobre esse tema no Brasil, em nome do sigilo fiscal, e considera positiva a medida.

“O ponto das isenções eu considero interessante. Hoje, há um cenário em que entre 4% e 5% do Produto Interno Bruto (PIB) está indo para gastos tributários, sem que haja transparência, tornando muito difícil o controle. Está indo para quem? Por qual quantidade e por quanto tempo? O gasto tributário em si não é ruim. Ele é ruim quando não é bem planejado, não é monitorado ou quando não cumpre suas metas”, defende.

Contradição

Grazielle David explica que a LDO não determina diretamente os gastos do próximo ano. De outro lado, como o teto de gastos não será alterado, a tendência de diminuição do percentual do PIB gasto com políticas sociais deverá ser mantida, da mesma forma que a disputa entre as áreas da saúde e educação por fatias do orçamento.

A LDO prevê que a “regra de ouro” fiscal será desrespeitada em 2019. A regra constitucional impede que a emissão de novos títulos da dívida pública seja superior ao volume de gastos com capital, ou seja, que novas dívidas sejam menores que o investimento direto. Isso porque a projeção para 2019 é de que não haja ampliação da receita estatal, por conta da baixa atividade econômica.

“Como temos o teto dos gastos, os cortes ao longo dos anos vão ficando cada vez mais limitados. A gente já chegou no menor nível em despesas com investimento. O governo está sem onde cortar. Em 2019, não há mais espaço fiscal. Ou governo vai ter que desrespeitar o teto dos gastos ou desrespeitar a regra de ouro”, explica David.

A LDO segue para sanção presidencial. A proposta aprovada pelo Congresso estabelece o valor de R$ 998 de salário mínimo para 2019.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Orçamento de 2019 consolida política de austeridade do governo federal - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV