Pensamentos sobre o Rei da Selva e o Conselho Mundial de Igrejas

Revista ihu on-line

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Grande Sertão: Veredas. Travessias

Edição: 538

Leia mais

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Mais Lidos

  • Rede Eclesial Pan-Amazônica - REPAM exige o fim da grave situação na Amazônia

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

23 Junho 2018

“Se a Igreja Católica aderir o CMI imediatamente se tornaria a força dominante na organização, com certeza tiraria o protagonismo mancharia outras tradições cristãs e atores”, escreve John L. Allen Jr, jornalista, em comentário publicado por Crux, 22-06-2018. A tradução é de Victor D. Thiesen.

Eis o texto.

Enquanto nosso colega jornalista Christopher White estava em Genebra na quinta-feira cobrindo a visita do Papa Francisco ao Conselho Mundial de Igrejas, Inés San Martín e eu estávamos em Roma assistindo a transmissão ao vivo dos eventos e tentando fornecer algum suporte a ele.

Durante a oração da manhã, fiquei estupefato com os diferentes tipos de cristianismo na sala, do protestantismo aos ortodoxos. Comentei que era como uma floresta tropical espiritual, com todas as diferentes espécies em exposição.

Com um olhar perspicaz, San Martín assistiu Francisco assumir seu lugar na tribuna e disparou: "Pois é, e o Rei da Selva acaba de entrar no recinto."

Embora talvez sem querer, a cutucada dela na verdade tem a ver com a resposta para uma pergunta óbvia: se o Papa gosta tanto do Conselho Mundial de Igrejas, então por que a Igreja Católica não é um membro?

Fundado em 1948, o Conselho Mundial de Igrejas (CMI) inclui a maior parte das igrejas ortodoxas orientais, a maioria das igrejas ortodoxas orientais, a maioria das principais igrejas protestantes, várias igrejas anglicanas (incluindo a Igreja da Inglaterra) e algumas, embora não todas, igrejas evangélicas e pentecostais.

Com efeito, o CMI é uma Assembleia de maioria composta pelas principais formas de cristianismo fora da Igreja Católica.

Com tudo, talvez haja 250 milhões de cristãos ortodoxos no mundo, 85 milhões de anglicanos e alguns 900 milhões de protestantes, somando mais de 1,2 bilhões fiéis ao total, embora não todos representados no CMI. No entanto, o vasto conjunto de pessoas é dividido entre uma desconcertante variedade de denominações - no CMI, são 349 ao todo.

A Igreja Católica, no entanto, conta aproximadamente com 1,4 bilhões de seguidores em todo o mundo. E, institucionalmente é uma só sob a liderança de uma só figura, o Papa.

Existem várias razões para a Igreja Católica não pertencer ao CMI. Em 1969, quando o Papa Paulo VI visitou o CMI, ele disse que o tempo para adesão ainda não era "oportuno" e que qualquer caminho para uma adesão formal provavelmente seria "longo e difícil". Nos quase 50 anos desde aquele momento, estatuto de observador do catolicismo em relação ao CMI parece ter se tornado mais ou menos uma condição permanente.

Parte da razão para isso é doutrinal e eclesiológica. Do ponto de vista católico oficial, o objetivo final seria no sentido de colocar Humpty-Dumpty juntos novamente sob a égide do papado - um papado reformado, talvez, ao longo das linhas sugeridas pelo Papa João Paulo II em sua Encíclica de 1995 Ut Unum Sint, enraizada na concepção da primazia do primeiro milênio, mas ainda com o ministério petrino no centro.

O CMI, por outro lado, ataca alguns católicos como se encarnassem uma espécie de Cristianismo Confederado sem qualquer centro claro, implicando uma falsa igualdade entre várias opções de cristãos e arriscando diluir crenças católicas sobre a sucessão apostólica, ministérios, os sacramentos e muitos outros princípios doutrinais do núcleo.

Além disso, alguns críticos católicos do CMI notam que basicamente é uma sociedade de debates sem qualquer tipo de poder legislativo. Sua Comissão de Fé e Ordem, por exemplo, tem debatido documentos sublimes sobre liturgia, batismo, Eucaristia, entre outros assuntos. Mas geralmente é difícil de saber em que medida suas igrejas-membro realmente aceitam e endossam esses textos. Não há nenhuma penalidade por não cumprimento, nenhum mecanismo de aplicação e, para alguns, isso deixa em aberto a questão sobre qual é o sentido de gastar tempo e recursos para produzir estes textos.

No entanto, há outra maneira de ler a decisão da Igreja Católica para permanecer um não-membro que acentua menos críticas e ceticismo do que respeito e consideração.

Eis a verdade crua: O Papa - qualquer Papa - é, de longe, o mais reconhecível, efetivo e poderoso líder religioso no mundo. A Igreja Católica é, de longe, a igreja cristã mais verticalmente integrada do mundo, e o Vaticano, apesar sua pequena dimensão física, é o mais importante "soft power" na comunidade global das Nações.

Se a Igreja Católica aderir o CMI, portanto, imediatamente se tornaria a força dominante na organização, com certeza tiraria o protagonismo mancharia outras tradições cristãs e atores.

Além disso, o contingente do Vaticano, a infraestrutura e as capacidades organizacionais, quase irresistivelmente, se tornariam a coluna vertebral do CMI, significando que a organização, para todos os efeitos práticos, arriscaria a se tornar mais um departamento da Cúria romana, que é o centro burocrático administrativo do Vaticano em termos de governança da Igreja universal.

Com efeito, caso um papa decidisse se tornar membro formal do CMI, existe uma possibilidade muito real de acabar abafando a voz de outras formas de cristianismo com intenção de engrandecê-lo - uma forma eclesiástica, de certa forma, de destruir a aldeia com o propósito de salvá-la.

No período que antecedeu a viagem de Francisco para Genebra na quinta-feira, alguns observadores foram perguntando se o Pontífice iria tirar mais um coelho da cartola e anunciar que o tempo "oportuno" havia chegado e catolicismo se juntaria o CMI. No final, é claro, ele veio e foi sem fazer isso.

Estas considerações sugerem, no entanto, que o fato do Papa não ter mergulhado como membro na associação, não significa necessariamente que o coração dele não estivesse lá dentro: pode simplesmente significar que ele tem muito respeito para o grupo para o subsumir.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Pensamentos sobre o Rei da Selva e o Conselho Mundial de Igrejas - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV