Macron corrige falta de respeito de adolescente

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • O Papa afasta Enzo Bianchi da comunidade de Bose

    LER MAIS
  • A carta de 40 milhões de médicos aos líderes do G20: “É necessário um planeta saudável para recomeçar depois do Covid”

    LER MAIS
  • Esperança na provação. Nota do Mosteiro de Bose

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


22 Junho 2018

O presidente francês deu uma lição de autoridade a um estudante que assistia a um ato oficial: “Chame-me de presidente ou de senhor”.

A reportagem é de Blanca de Ugarte, publicada em Aleteia, 21-06-2018. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Um dia, fazem uma piada sobre você; outro dia, expõem-no ao ridículo; e outro ainda várias pessoas riem de você na frente de todos os alunos da turma. Os professores sabem bem do que estou falando. É feio, muito feio. Você se sente pequeno, diminuído, ridículo... Dá vontade de ir embora daquela sala... Mas você é o professor!

O presidente francês viveu uma situação semelhante nessa quinta-feira, 21. “Come va, Manu?”, perguntou-lhe o insolente da turma, enquanto Emmanuel Macron lhe apertava a mão e cumprimentava o público presente em um ato comemorativo da Segunda Guerra Mundial em Mont Valérien, a oeste de Paris.

A reação do presidente francês circula nas redes sociais graças a um vídeo que se tornou viral e que recolhe a sua resposta decidida:

“Você está em uma cerimônia oficial, tem que se comportar. Você pode bancar o imbecil, mas hoje tem que cantar a Marselhesa e a Canção dos Partisans [hino da Resistência Francesa durante a ocupação alemã]. Você deve me chamar de senhor presidente da República ou de senhor, está bem?”

Naquele momento, o olhar do adolescente mudou, e ele apenas respondeu: “Sim, senhor presidente”.

Adeus ao insolente da turma, que, depois, recebeu outra forte lição do “senhor presidente”.

“Muito bem, e faça as coisas como devem ser feitas. Se um dia quiser fazer uma revolução, consiga primeiro um diploma e a ganhar para viver, de acordo? Então você poderá ir dar lições aos outros”, continuou Macron.

O rapaz, que certamente deve estar acostumado a sempre ter a última palavra, permaneceu em silêncio, e o presidente continuou cumprimentando o público.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Macron corrige falta de respeito de adolescente - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV