Retomadas as negociações na Nicarágua

Revista ihu on-line

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Clarice Lispector. Uma literatura encravada na mística

Edição: 547

Leia mais

Mais Lidos

  • Governo Bolsonaro. Pelo menos 2 milhões de famílias caíram para a extrema pobreza

    LER MAIS
  • Camboriú. Projeto queria multar quem pede esmola

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


16 Junho 2018

As negociações em busca de um acordo entre governo e sociedade civil na Nicarágua serão retomadas hoje (15). A chamada Mesa de Diálogo para a Paz envolve a Aliança Cívica, que promoveu ontem (14) uma paralisação geral integrando várias categorias profissionais, entidades sindicais e estudantes. As negociações tinham sido suspensas após duas mortes em protestos no país.

A informação é publicada por Agência Brasil, 15-06-2018.

A ministra das Relações Exteriores, Denis Moncada, representará o governo nas negociações, sob a mediação da Conferência Episcopal da Nicárgua.

"Apoiamos sua missão como mediadores no conflito, na busca da paz, do bem comum e da democracia participativa. Reconhecemos sua coragem e força em defesa do povo ", diz a nota das Conferências Episcopais da América Central.

A Comissão da Verdade, Justiça e Paz defendeu o fim da violência e pediu a todos os atores que dessem uma oportunidade às conversações. "Pedimos calma e oportunidade de diálogo", disse o vice-defensor de direitos humanos Adolfo Jarquín, integrante da comissão.

Nações Unidas

Um grupo de oito peritos da Organização das Nações Unidas (ONU) apelou hoje (14) para que o governo do presidente da Nicarágua, Daniel Ortega, ponha fim imediatamente à violência e repressão e busque o diálogo. Desde abril, há confrontos diários entre manifestantes e forças policiais em várias cidades do país.

De acordo com a ONU, pelo menos 148 pessoas morreram e 1.300 ficaram feridas. Os confrontos ocorrem em meio a manifestações contra a reforma da Previdência e o autoritarismo do governo. Em um comunicado conjunto, oito relatores especiais condenaram de maneira enérgica os acontecimentos na Nicarágua.

"Estamos profundamente preocupados com a violência contínua na Nicarágua desde 18 de abril de 2018. Há que encontrar um caminho imediato e coerente por meio do diálogo político genuíno como primeiro passo para aplacar a situação e encerrar a crise”, diz a nota.

Leia mais

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Retomadas as negociações na Nicarágua - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV