“A prisão de Lula vai contaminar a democracia no Brasil nas próximas gerações”. Entrevista com João Moreira Salles

Revista ihu on-line

Missões jesuíticas. Mundos que se revelam e se transformam

Edição: 530

Leia mais

Nietzsche. Da moral de rebanho à reconstrução genealógica do pensar

Edição: 529

Leia mais

China, nova potência mundial – Contradições e lógicas que vêm transformando o país

Edição: 528

Leia mais

Mais Lidos

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

29 Maio 2018

Quando terminou seu segundo documentário, João Moreira Salles (Rio de Janeiro, 1962) decidiu deixar o audiovisual considerando que tudo já havia sido contado, e fundou a revista de jornalismo literário Piauí. Sua amizade com o diretor Eduardo Coutinho levou-o de volta às telas do cinema. Agora, este produtor, documentarista e editor apresenta No Intenso Agora, um documentário sobre as revoltas do Maio de 68. Na Casa da América, em Madri, o brasileiro, herdeiro de um dos maiores bancos da América Latina, o Itaú Unibanco, debate sobre política e cinema, comparando as imagens de 50 anos atrás com as da atualidade.

A entrevista é de Alejandro Romero, publicada por El País, 26-05-2018.

Eis a entrevista.

Qual é a situação do documentário hoje em dia?

Acredito que a popularização dos smartphones fez um grande favor ao documentário. Ela permite realizar coisas com orçamento muito baixo e chegar a muitos lugares graças à Internet. Há coisas que vejo no YouTube que são profundamente criativas e que mudam a forma de fazer documentários. A democratização traz consigo uma maior capacidade de produção – e da quantidade surgem os gênios. Existe também uma mudança nas formas, pois, ao migrar da tela do cinema para a do celular, já não dependemos da telona e das duas horas de duração. Agora tudo pode ser feito.

Acredita que plataformas como Netflix tiram a liberdade do documentário?

O documentário jamais se beneficia com a indústria. É muito arriscado fazer ficção experimental porque é muito caro e os filmes precisam ser rentáveis. O documentário é diferente: seu papel é mudar as formas de narração. Tudo o que acontece como novidade no cinema de ficção quase sempre foi visto antes no documentário. Não porque sejamos mais originais, inventivos ou inquietos, mas porque não há ninguém que nos diga: “Faça assim.” Quando isso se transforma numa encomenda da Netflix e você tem uma responsabilidade em relação ao público, mata-se algo que é essencial para o documentário: arriscar. Se você fracassa fazendo Titanic, não fará um filme de novo. Mas se fracassa fazendo, não sei, No Intenso Agora, não há problema porque é um filme pequeno, sem importância. O fracasso não é significativo porque não é um fracasso público, pois ninguém conhece o filme.

O que buscava quando começou a filmar ‘No Intenso Agora’? Que relação tem com movimentos como Occupy Wall Street e 15-M?

No Intenso Agora não foi feito para pensar a atualidade. Começou como algo pessoal, com alguns filmes familiares e um diário que minha mãe tinha feito. Naquele momento, em que ela escreveu e fez essas imagens, estava muito conectada com a vida, com uma capacidade muito grande de ser feliz. Eu me interessava sobre como temos essa capacidade e como a perdemos. Ao pesquisar, muito rapidamente cheguei ao Maio de 68 e, ao ler os diários das pessoas que vivenciaram as revoltas, encontrei a mesma dinâmica: uma completa conexão com a vida que se perde quando os protestos acabam. Comecei com o filme em 2012, antes das grandes manifestações de 2013 no Brasil, quando mais de dois milhões de pessoas saíram às ruas. Quando me perguntam se meu filme é um comentário sobre isso, respondo que não. Não queria entender por que as pessoas saem às ruas, e sim por que deixam de sair. Não por que alguém se torna militante, e sim por que deixa de ser.

Sente que esses movimentos sociais, como o de 2013 no Brasil e a “primavera árabe”, serviram para mudar as coisas?

O Maio de 68 não mudou a França de junho, mas sim a dos anos oitenta. E de maneira profunda. O movimento feminista, a integração, a liberação sexual, a universidade que se flexibiliza. A sensação de fracasso dos movimentos sociais é real, mas também é ilusória porque as coisas mudam, só que muito lentamente. Penso que é a situação que vivemos no Brasil. Nos protestos de 2013, os que não tinham voz perceberam que podiam falar. Os negros, os movimentos LGBT, o novo feminismo brasileiro, grupos de favelas que passaram a se organizar politicamente. Marielle Franco, que foi assassinada recentemente, era uma expressão maravilhosa disso. De alguém que representa um novo Brasil, que tem uma vontade política que antes não tinha. Ela entrou na faculdade graças à política de cotas, e em 2013 se viu no centro de um movimento que foi essencialmente de empoderamento graças à palavra. Essas pessoas não vão mudar o Brasil de 2018, mas vão mudar o Brasil de 2025.

Qual é a sua sensação com o momento atual que o Brasil vive?

Acredito que a prisão de Lula foi uma catástrofe política, mas não se pode confundir isso com uma absolvição do Partido dos Trabalhadores (PT). O partido precisa fazer uma autocrítica que jamais fez. Se temos hoje Michel Temer é porque Temer foi o vice-presidente de Dilma. No Brasil existe um pacto com o atraso. O PMDB sempre esteve no poder e continua lá, mamando nas tetas do Estado. A partir da investigação da Petrobras, onde havia montado um esquema de corrupção numa escala que não existia antes, o sistema político brasileiro ficou contaminado. Hoje temos um sistema morto que não representa ninguém. Está morto, mas continua de pé. Precisamos destruir isso para construir algo novo. É por isso que sou muito pessimista em relação ao presente, mas otimista em relação ao futuro.

Mais concretamente, o que pensa sobre a prisão de Lula?

O encarceramento de Lula é algo que vai contaminar a democracia brasileira nas próximas gerações. Porque, seja qual for o resultado das eleições de 2018, ficará sempre o fantasma de que Lula não poderá disputá-las e, portanto, não poderá ser eleito nem derrotado pelos votos. É muito delicado. Acho que a questão da culpabilidade de Lula é uma questão à parte. Há elementos que podem ser discutidos, mas não se pode dizer que não existem. O próximo presidente estará sempre à sombra da legitimidade, pois terá ganhado porque Lula não estava na disputa.

Nada está muito claro. Há um descrédito profundo na política, e a situação está pronta para que alguém de fora do sistema o compre para trazer ordem e lei. E isso se aproxima muito de um personagem que conhecemos bem na América Latina: o caudilho. O sujeito autoritário e antidemocrático. No Brasil, há uma cadeira preparada para ser ocupada por alguém dessas características. Em 2019 podemos ter como presidente alguém que seja, se não fascista, protofascista.

O que a imprensa pode fazer para combater situações como essa?

Acho que a imprensa tem um papel essencial, mas infelizmente com armas que são muito pouco apropriadas para o momento. É como a cavalaria polonesa na Primeira Guerra Mundial, que enfrentava os tanques alemães a cavalo. As armas que temos são pouco poderosas para enfrentar as redes sociais e as fake news. Acredito cada vez mais na figura do gate keeper, das grandes organizações nas quais podemos confiar. A boa imprensa tem que ser uma instituição conservadora. O rigor precisa de instituições.

Assista ao trailer de No Intenso Agora:

 Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

“A prisão de Lula vai contaminar a democracia no Brasil nas próximas gerações”. Entrevista com João Moreira Salles - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV