Maduro vence eleição em meio a acusações de manipulação do pleito e boicote da oposição

Revista ihu on-line

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Mais Lidos

  • Bispo brasileiro diz que ordenará mulheres ao diaconato se papa permitir

    LER MAIS
  • Príncipe Charles e Bolsonaro: as duas faces da “diplomacia” dos santos

    LER MAIS
  • “Não dá para ser uma Igreja de decisões tomadas apenas por homens”. Entrevista com o Cardeal Hollerich, jesuíta

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

21 Maio 2018

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, foi reeleito no domingo em uma eleição marcada por acusações de manipulação, fraude eleitoral e um boicote da oposição.

O candidato opositor Henri Falcón acusou o governo de influenciar a votação através do Carnê da Pátria, documento que permite que os venezuelanos recolham benefícios do governo e usem os serviços públicos.

A informação é publicada por BBC Brasil, 21-05-2018.

Funcionários do governo escanearam os cartões próximo aos pontos de votação - o presidente prometeu que quem votasse no domingo teria direito a um benefício extra concedido pelo governo.

A oposição acusa o governo de compra de votos. O país está vivendo uma das piores crises da sua história, com escassez de produtos e hiperinflação, e os venezuelanos passaram a depender fortemente da assistência governamental.

O governo continua afirmando que as eleições são "livre e justas", mas a maior parte da oposição boicotou o pleito. Com muitos candidatos-não governistas impossibilitados de concorrer ou presos, a oposição diz que o atual processo não tem legitimidade e que há indícios para desconfiar de fraude eleitoral.

Diversos países, incluindo os Estados Unidos e a Argentina, já disseram que não vão reconhecer o resultado dessas eleições.

Boicote

A eleição, que estava prevista para acontecer só em dezembro de 2018, foi adiantada pela Assembleia Nacional Constituinte – órgão composto por apoiadores de Maduro e que assumiu os poderes do Legislativo no país.

O pleito teve baixo comparecimento, com 54% dos eleitores ausentes. Na última eleição presidencial, em 2013, o comparecimento às urnas havia chegado a 80%.

A oposição está dividida. Seus dois principais candidatos foram impedidos de concorrer e outros fugiram do país.

O pleito de domingo teve apenas candidatos minoritários. Falcón era visto como a única alternativa viável à Maduro, mas obteve apenas 21% dos votos, contra 68% para Maduro, segundo os dados oficiais.

Falcón, que foi governador durante o mandato do presidente Hugo Chávez, veio do mesmo partido de Maduro, mas saiu em 2010 para se juntar à oposição.

Falcón havia afirmado que o único jeito de derrotar Maduro seria através de eleições e que por isso concorreu apesar do boicote.

Outros opositores o acusaram de dar legitimidade a uma eleição injusta.

A crise

As eleições acontecem em um momento em que a Venezuela sofre uma grave crise política, econômica e humanitária.

A recessão tem aumentado cada dia mais, fazendo com que haja escassez de produtos básicos, de comida à remédios.

Em algumas partes do país, 70% das crianças estão desnutridas. A moeda sofre uma hiperinflação a ponto de faltar dinheiro impresso no banco.

Os problemas geraram também uma crise migratória. Centenas de venezuelanos têm migrado para países vizinhos. A onda migratória vai principalmente para a Colômbia, mas também atinge o Brasil.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Maduro vence eleição em meio a acusações de manipulação do pleito e boicote da oposição - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV