Com Trump, o mundo mais próximo da meia-noite nuclear

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Manifesto do Laicato em apoio aos bispos que subscreveram a “Carta ao Povo de Deus” com 1440 assinaturas no primeiro dia

    LER MAIS
  • Com mais de 1.500 assinaturas, Padres da Caminhada relançam mensagem de apoio à Carta ao Povo de Deus dos bispos

    LER MAIS
  • “A pandemia viral é o resultado da pandemia psicológica e espiritual”, afirma Gastón Soublette

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


01 Fevereiro 2018

“As sementes da expansão nuclear e as forças reais que moviam os ponteiros do temível relógio não estavam no Kremlin, mas na Casa Branca. Os especialistas do Boletim de Cientistas Atômicos que o dirigem há 70 anos, entre eles 15 prêmios Nobel, acabam de alertar que moveram o ponteiro 30 segundos a mais rumo ao desastre que é separado de nós, neste momento, por escassamente dois minutos”, escreve Luis Manuel Arce, em artigo publicado por America Latina en Movimiento (ALAI), 29-01-2018. A tradução é do Cepat.

Eis o artigo.

O relógio é um mecanismo ancestral concebido pelo homem para poder fazer um uso racional de sua vida e controlar suas ações dentro de uma das dimensões básicas do mundo material: o tempo.

Há relógios muito famosos por seu descomunal tamanho, lugares emblemáticos em sua instalação, mecanismos curiosos para o seu movimento cenográfico ou porque marcaram pontualmente a hora dos fatos históricos e ficaram como relíquias na retina histórica da humanidade.

Mas, há um relógio com o nome metafórico – não tão curioso como o mundial de Berlim, com todos os fusos horários, mas que como este também tem a ver com todo o planeta –, sem as rodas dentadas típicas que fazem mover suas agulhas, livre de corda, carente do tic tac clássico e que seu avanço não é inexorável, pois pode parar o tempo e inclusive fazê-lo retroceder.

Ao contrário daqueles famosos como o Big Ben de Londres, o do Kremlin e o saudita de Makkah Royal, não está instalado em nenhuma grande torre, não é visto por multidões dependentes de seu funcionamento e da exatidão de sua hora.

No entanto, deveria ser o de maior atenção, de maior vigilância, o mais reproduzido em todas as partes do mundo e nos noticiários de televisão. Deveria ser o que abre e fecha as programações.

Suas torres agora inexistentes deveriam ser permanentes e estar nas sedes de eventos internacionais como o recém-finalizado Fórum de Davos, em organismos mundiais massivos como Nações Unidas e todos os seus escritórios, instituições de elite como o Fundo Monetário e o Banco Mundial, e militares como a OTAN, ou comunitárias como a União Europeia e a Unasul.

Deveria ser assim porque esse relógio não é tão metafórico como aparenta, nem tão invisível, apesar de sua característica intangível, e muito menos simbólico, pois é o único em todo o planeta cujas agulhas giram para o que poderia ser o final de nosso universo.

Os cientistas que se encarregam de seu funcionamento, em especial de mover seus ponteiros para o caos ou a ordem, para a paz ou a guerra, para a eternidade ou o desaparecimento absoluto das espécies lhe deram o nome de Relógio do Apocalipse.

Poderia receber outros nomes menos catastróficos, mais auspiciosos, mas não tem como. Ao menos, por agora.

O Relógio do Apocalipse foi criado em 1947, dois anos após o final da Segunda Guerra Mundial, mas já com as cinzas nucleares de Hiroshima e Nagasaki obscurecendo a abóboda celeste militar e política.

Surgiu como uma premonição de uma corrida armamentista descomunal e uma guerra fria eufemisticamente nomeada assim para cobrir com um manto de paz inexistente os denominados conflitos de baixa intensidade que provocaram, desde então, mais mortos, feridos, desaparecidos e deslocados que aquela conflagração.

Desde o seu surgimento, o Relógio Apocalíptico mudou em 19 ocasiões, durante o auge da guerra fria, e dos dois minutos que restavam para a meia-noite, em 1953, passou para o respiro de todos aos 17, em 1991, com a queda da União Soviética e o campo socialista europeu, que eram acusados de todo o mal e podridão de então e que sustentava o slogan norte-americano “a beira da guerra nuclear”.

(A “meia-noite”, para esclarecer sua temporalidade, é nuclear, horrorosamente bélica, dramaticamente terminal. É o fim do tempo para o ser humano e outras espécies da vida terrena).

A história demonstrou que a justificação do lema “a beira da guerra nuclear” era uma falácia mesmo quando, sem uma União Soviética, não existia uma contrapartida nuclear como muro de contenção a uma repetição de Hiroshima e Nagasaki em qualquer outro lugar do mundo.

As sementes da expansão nuclear e as forças reais que moviam os ponteiros do temível relógio não estavam no Kremlin, mas na Casa Branca. Os especialistas do Boletim de Cientistas Atômicos que o dirigem há 70 anos, entre eles 15 prêmios Nobel, acabam de alertar que moveram o ponteiro 30 segundos a mais rumo ao desastre que é separado de nós, neste momento, por escassamente dois minutos.

As razões para o adiantamento se concentram em uma só pessoa: Donald Trump, presidente dos Estados Unidos, corroboraram eles.

Segundo os cientistas, as declarações do presidente Donald Trump sobre as armas nucleares e o “obscurecimento do estado da segurança global” tornaram o mundo mais incerto.

Rachel Bronson, presidente do Boletim, expressou: “É com grande preocupação que estabelecemos a hora no Relógio do Apocalipse de 2018 e fazemos um chamado para que seja possível atrasá-lo. A partir de hoje, estamos a dois minutos da meia-noite”.

“O Boletim nunca antes havia decidido adiantar o relógio pelas declarações de uma só pessoa, mas quando essa pessoa é o novo presidente dos Estados Unidos, suas palavras importam”, disseram os cientistas Lawrence Krauss e David Titley.

Krauss resumiu: O perigo da conflagração nuclear não é a única razão pela qual o relógio foi adiantado. Este perigo se concentra em um momento no qual se perdeu a confiança nas instituições políticas, nos meios de comunicação, na ciência e nos próprios fatos, o que exacerba a dificuldade de lidar com os problemas reais que o mundo enfrenta e que ameaçam minar a capacidade dos governos de os enfrentar de maneira eficaz.

Dadas as advertências dos numerosos cientistas do mundo que convergem no Boletim, as alternativas se reduzem a impedir que Trump continue sendo a roda do Relógio Apocalíptico que força seus ponteiros para a trágica meia-noite.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Com Trump, o mundo mais próximo da meia-noite nuclear - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV