''Feminicídio'': Francisco contra a violência contra as mulheres

Revista ihu on-line

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

No Brasil das reformas, retrocessos no mundo do trabalho

Edição: 535

Leia mais

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

No Brasil das reformas, retrocessos no mundo do trabalho

Edição: 535

Leia mais

Mais Lidos

  • Vozes que nos desafiam. Celebração da Festa de Santa Maria Madalena

    LER MAIS
  • O que faria a esquerda despertar? Vladimir Safatle comenta a política brasileira

    LER MAIS
  • Direita cristã é o novo ator e líder do neoconservadorismo no País

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

22 Janeiro 2018

“Quero convidá-los a lutar contra uma praga que afeta o nosso continente americano: os inúmeros casos de feminicídio. E são muitas as situações de violência que são silenciadas por trás de tantas paredes. Convido-os a lutar contra essa fonte de sofrimento, pedindo que se promova uma legislação e uma cultura de repúdio a toda forma de violência”. Assim disse Francisco, nesse sábado, 20, em Trujillo, a cidade peruana da eterna primavera, usando pela primeira vez no seu pontificado o termo “feminicídio”, embora várias vezes ele falou contra a violência contra as mulheres.

A reportagem é de Paolo Rodari, publicada no jornal La Repubblica, 21-01-2018. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Trujillo é uma cidade que sofre particularmente com essa praga. E Francisco quis mostrar de que lado está, desposando a batalha que também é de muitos bispos em favor de uma mudança cultural de mentalidade.

Muitas vezes, até mesmo em seu interior, a Igreja foi morna a esse respeito. Bergoglio não a quer assim. A urgência da valorização da mulher na Igreja é um tema presente há muito tempo.

A Mulieris dignitatem, de João Paulo II, por exemplo, o corajoso manifesto da dignidade e da emancipação feminina, já deu uma leitura entusiasta, entre outros, de Maria Antonietta Macciocchi, autora de Pour Marx. Enquanto Francisco, ao voltar do Rio de Janeiro em 2013, disse aos jornalistas: “Uma Igreja sem as mulheres é como o Colégio Apostólico sem Maria”.

E, recentemente, o próprio Bergoglio mostrou-se aberto à ideia de criar uma comissão que estude a possibilidade do diaconato para as mulheres, entendido não como réplica do diaconato masculino, mas como um ministério original medido sobre os carismas próprios da presença feminina.

Na cidade devastada em 2017 pelas inundações do El Niño, com milhares de pessoas afetadas e 78 mortos, Francisco lembrou que tudo isso “interpela e muitas vezes põe em dúvida a nossa fé”, mas “não temos um Deus alheio àquilo que sentimos e sofremos, ao contrário, no meio da dor, ele nos oferece a sua mão”.

Leia mais:

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

''Feminicídio'': Francisco contra a violência contra as mulheres - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV