O aumento da pluralidade religiosa no Brasil

Revista ihu on-line

Etty Hillesum - O colorido do amor no cinza da Shoá

Edição: 531

Leia mais

Missões jesuíticas. Mundos que se revelam e se transformam

Edição: 530

Leia mais

Nietzsche. Da moral de rebanho à reconstrução genealógica do pensar

Edição: 529

Leia mais

Mais Lidos

  • Embaixada da Suécia desmente fakenews de 'padre bélico'

    LER MAIS
  • “Este Papa está suportando a resistência do clericalismo fanático, que não suporta a transparência”. Artigo de José María Castillo

    LER MAIS
  • A Igreja ‘salviniana’ não recua e volta a ameaçar o cisma

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

09 Novembro 2017

"Considerando que as pessoas têm liberdade para escolher a crença de sua predileção, significa que o Brasil está ficando mais democrático e mais plural no que se refere à distribuição relativa do peso das diversas igrejas, assim como apresenta uma participação cada vez maior das pessoas sem religião" escreve José Eustáquio Diniz Alvesdoutor em demografia e professor titular do mestrado e doutorado em População, Território e Estatísticas Públicas da Escola Nacional de Ciências Estatísticas – ENCE/IBGE, em artigo publicado por EcoDebate, 08-11-2017.

Eis o artigo.

O Brasil está passando por uma grande transformação no quadro das filiações religiosas, que se manifesta em 4 aspectos:

1. Declínio absoluto e relativo das filiações católicas;

2. Aumento acelerado das filiações evangélicas (com diversificação das denominações e aumento dos evangélicos não institucionalizados);

3. Crescimento do percentual das religiões não cristãs;

4. Aumento absoluto e relativo das pessoas que se declaram sem religião.

A tabela acima mostra a distribuição das filiações religiosas (entre católicos, evangélicos, outras religiões e sem religião) para o Brasil e para as Unidades da Federação (UF) em 1991 e 2010 e um índice que mede a pluralidade religiosa. A pluralidade foi calculada como a subtração: índice 100 menos o desvio padrão.

Assim, se os quatro grupos tiverem o mesmo tamanho (igualdade total) o desvio padrão seria zero (0) e a pluralidade máxima seria cem (100).

Nota-se que a pluralidade religiosa aumentou no Brasil de 66,6% em 1991, para 76,2% em 2010. Assim como aumentou em todos as UFs. O Estado com a menor pluralidade religiosa é o Piauí, que tinha um índice de 59,7% em 1991 e passou para 65,2% em 2010. No Piauí os católicos mantém a maior parcela da população entre todas as UFs. Já o Rio de Janeiro tem a maior pluralidade religiosa, pois apresentava um índice de 75,8% em 1991 e passou para 86% em 2010. O RJ é a UF menos católica e a que apresenta os maiores percentuais de outras religiões e de pessoas que se autodeclaram sem religião.

Outro Estado que apresenta alta pluralidade religiosa é Rondônia, que tinha um índice de 72,6% em 1991 e passou para 83,2% em 2010. A diferença em relação ao Rio de Janeiro é que RO possui o maior percentual de evangélicos do país, mas tem um menor percentual de outras religiões e de pessoas sem religião.

Paralelamente ao aumento da pluralidade, o Brasil também está passando por uma transição religiosa entre os dois maiores grupos. A tendência é que os evangélicos (considerando os de missão, os pentecostais e os não institucionalizados) ultrapassem os católicos antes de 2040. Os católicos são doadores líquidos universais, sendo que algo como 70% das pessoas que abandonam o catolicismo vai para os evangélicos, 20% vai para os sem religião e 10% para outras religiões.

Mantendo-se estas tendências gerais, o cenário mostra que a pluralidade religiosa no Brasil vai aumentar ao longo das próximas décadas. Considerando que as pessoas têm liberdade para escolher a crença de sua predileção, significa que o Brasil está ficando mais democrático e mais plural no que se refere à distribuição relativa do peso das diversas igrejas, assim como apresenta uma participação cada vez maior das pessoas sem religião.

Referências:

ALVES, J. E. D; NOVELLINO, M. S. F. A dinâmica das filiações religiosas no Rio de Janeiro: 1991-2000. Um recorte por Educação, Cor, Geração e Gênero. In: Patarra, Neide; Ajara, Cesar; Souto, Jane. (Org.). A ENCE aos 50 anos, um olhar sobre o Rio de Janeiro. RJ, ENCE/IBGE, 2006, v. 1, p. 275-308

ALVES, JED, BARROS, LFW, CAVENAGHI, S. A dinâmica das filiações religiosas no brasil entre 2000 e 2010: diversificação e processo de mudança de hegemonia.

REVER (PUC-SP), v. 12, p. 145-174, 2012.

ALVES, JED, CAVENGHI, S. BARROS, LFW. A transição religiosa brasileira e o processo de difusão das filiações evangélicas no Rio de Janeiro, PUC/MG, Belo Horizonte, Revista Horizonte – Dossiê: Religião e Demografia, v. 12, n. 36, out./dez. 2014, pp. 1055-1085

ALVES, JED. “A encíclica Laudato Si’: ecologia integral, gênero e ecologia profunda”, Belo Horizonte, Revista Horizonte, Dossiê: Relações de Gênero e Religião, Puc-MG, vol. 13, no. 39, Jul./Set. 2015

ALVES, JED et. al. Cambios en el perfil religioso de la población indígena del Brasil entre 1991 y 2010, CEPAL, CELADE, Notas de Población. N° 104, enero-junio de 2017, pp: 237-261

ALVES, JED, CAVENAGHI, S, BARROS, LFW, CARVALHO, A.A. Distribuição espacial da transição religiosa no Brasil, Tempo Social, revista de sociologia da USP, v. 29, n. 2, 2017, pp: 215-242

ALVES, JED. CAVENAGHI, S. Igreja Católica, Direitos Reprodutivos e Direitos Ambientais, Horizonte, Belo Horizonte, v. 15, n. 47, p. 736-769, jul./set. 2017

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

O aumento da pluralidade religiosa no Brasil - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV