Chile. “Os bispos esperam que a visita do Papa devolva a credibilidade à Igreja”

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Não usar máscara para se proteger do coronavírus é um “grande erro”, diz cientista chinês

    LER MAIS
  • Travessia conceitual do irrepresentável. Três limiares da pandemia de 2020

    LER MAIS
  • Quando os bispos não entendem de eucaristia. Artigo de Andrea Grillo

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


01 Novembro 2017

“A maior dificuldade está em que os organizadores eclesiais da vinda do Papa construíram um muro intransponível para impedir que esse descontentamento que existe contra a hierarquia chilena se expresse durante a visita do Papa”, escreve Marco Antonio Velásquez Uribe, em artigo publicado por Religión Digital, 31-10-2017. A tradução é de André Langer.

Eis o artigo.

A próxima visita do Papa ao Chile, que se realizará entre os dias 15 e 18 de janeiro de 2018, voltou a colocar a Igreja chilena nos holofotes do mundo. Embora os preparativos não sejam livres de polêmica, os oportunismos também não estão ausentes, quando se trata de aproveitar a imagem do Papa da misericórdia, para lavar um certo passado ou para obter mais de algum dividendo reputacional ou econômico, que, sem dúvida, reportará a sua visita.

As expectativas de sua vinda cobrem todo o espectro de possibilidades, desde aqueles que nada esperam, até aqueles que esperam verdadeiros milagres. Entre aqueles que anseiam por tais prodígios, há muitos bispos que confiam em que a visita do Papa traga de volta a credibilidade a uma instituição desacreditada.

No entanto, e sem pretendê-lo, existe o risco de que a mesma hierarquia que defraudou não apenas as esperanças do Povo de Deus, mas também da sociedade chilena, possa acabar por endossar os custos a um Papa que representa uma grande esperança de mudança na Igreja universal.

Enquanto a Igreja institucional, com sua ampla rede de paróquias, mobiliza-se para financiar a visita, as comunidades cristãs se preparam com o cuidado para não transformar esse acontecimento em uma pirotecnia pastoral alienante. Nesse sentido, a visita de Francisco ao Chile move-se sobre o fio de uma dolorosa história recente, cheia de contradições eclesiais, e um presente caracterizado pela apatia e pela frustração espiritual, com a perspectiva de um futuro incerto, onde não é fácil rearticular a confiança entre determinada hierarquia e os leigos.

As feridas deixadas pelas atuações do clero em uma ampla gama de escândalos, não apenas sexuais, não cicatrizarão com a vinda do Papa. Pelo contrário, sofrimentos, antigos e novos, tornam-se sensíveis, acentuados pela suspeita de manipulação e omissão que está subjacente à preparação desta visita.

De fato, a maior dificuldade está em que os organizadores eclesiais da vinda do Papa construíram um muro intransponível para impedir que esse descontentamento que existe contra a hierarquia chilena se expresse durante a visita do Papa.

Agora como nunca antes, recorda-se com saudades que há exatamente 30 anos, em plena ditadura, a visita de João Paulo II  converteu-se um evento de liberdade e de coragem pastoral que apressou o retorno à democracia. Eram dias em que os pastores, impregnados com um espírito profético, guiavam o Povo de Deus pelos caminhos da libertação. Esse contraste está presente na memória de muitas comunidades.

Agora, ao contrário, insiste-se em que "a roupa suja lava-se em casa" e não na presença do Bispo de Roma. Mas as comunidades sabem que, na Igreja, o dono de casa é o Vigário de Cristo. Por isso, muitos querem que a vinda do Papa seja uma oportunidade para mostrar a ele essa dolorosa realidade da Igreja chilena, que chega distorcida e falseada a Roma, porque é sabido que "de Roma sai, o que a Roma chega".

Sendo este o preâmbulo da visita do Papa, não é fácil encontrar um indicador objetivo que dimensione a verdadeira frustração e impotência que se vive em muitas comunidades cristãs.

Em boa hora, no dia 26 de outubro, foi publicado o Relatório Latinobarómetro 2017, uma pesquisa que recolhe a opinião de 20.200 entrevistas presenciais, realizada em 18 países latino-americanos, cujo trabalho de campo foi realizado entre 22 de junho e 28 de agosto de 2017.

Este relatório mostra que a Igreja (católica e outras) é a instituição com maior confiança no continente, superando amplamente as Forças Armadas, a polícia, o Poder Judiciário, os governos, os congressos e os partidos políticos. Nesse espectro, 65% da população latino-americana confia muito ou algo na Igreja, seguida muito abaixo pelas Forças Armadas, que captam 46% da confiança da população.

O país da América Latina em que a Igreja goza de maior confiança é Honduras, onde 78% da população lhe tributa tal consideração. No extremo oposto, a menor confiança do continente na Igreja registra-se no Chile, onde apenas 36% da população confia nela; está mesmo abaixo do Uruguai, reconhecidamente o país mais secularizado da América Latina, onde 41% desse povo confia na Igreja.

Os números indicados são reveladores da profundidade da crise vivida pela Igreja chilena, porque advertem que 64% dos chilenos manifestam desconfiança nela. A situação assim descrita é desoladora.

É isso que se tenta ocultar do olhar do Papa com distrações pastorais. No entanto, e sem inibições, o descontentamento aflora espontaneamente nas ruas, nas famílias, nos círculos sociais e, evidentemente, nas comunidades cristãs.

O Chile é um país caloroso e acolhedor. Assim espera-se que o Papa Francisco seja recebido, mas também com participação, com verdade e com a expressão dessa frustração e indignação que existe pela forma como a Igreja chilena foi conduzida nos últimos anos.

Ninguém, menos ainda uma Igreja que aspira a ser católica, pode negar-se a ver essa realidade. Menos uma Igreja que já foi mãe e mestra, e que ensinou que toda ação cristã começa por contemplar essas realidades complexas que, iluminadas com o prisma do Evangelho, devem ser julgadas profeticamente para garantir a fecundidade da ação cristã. Somente dessa maneira é possível transformar as realidades temporais e eclesiais distorcidas pelo pecado, a fim de encontrar uma saída para uma crise de grandes proporções.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Chile. “Os bispos esperam que a visita do Papa devolva a credibilidade à Igreja” - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV