500 anos de Reforma – 31 de outubro de 2017. Artigo de Fernando Altemeyer Junior

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Bolívia. O MAS e o triunfo avassalador

    LER MAIS
  • "Governo tenta intencionalmente destruir povos indígenas". Entrevista com Carlos Frederico Marés de Souza Filho

    LER MAIS
  • O PT e o voto evangélico

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


01 Novembro 2017

"A doutrina fundamental é o perdão dos pecados e a justificação vindas pela graça e vivida na fé ao Cristo Crucificado e Ressuscitado. A fé não é um simples ato intelectual, mas confiança absoluta em Deus e em sua Palavra Viva. As boas obras acompanham a fé. O batismo, a confirmação, o casamento e a Eucaristia são sacramentos guardados amorosamente pelos reformados. Não aceitam o purgatório nem as indulgências".

O comentário é de Fernando Altemeyer Junior, teólogo, mestre em Teologia e Ciências da Religião pela Universidade Católica de Louvain-La-Neuve, na Bélgica, e doutor em Ciências Sociais pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo - PUC. Atualmente é professor e integra o Departamento de Ciência da Religião, da Faculdade de Ciências Sociais da PUC-SP.

Eis o artigo.

Que é ser luterano?

O nome luterano origina-se de Luder, do reformador alemão Martinus Luther (10/11/1483 Eisleben-18/02/1546 falecido em Eisleben, com 62 anos). Os luteranos terão a Alemanha como terra de eleição. É nela que nasceu a ansiada reforma que se fez concreta pelas palavras e ação do reformador Lutero. É imensa a expansão entre os países escandinavos, Europa central e posteriormente pelas missões no século XIX e XX de alemães, americanos, holandeses em países de toda a África, Américas e mesmo na Ásia. Ser luterano é crer em Jesus Cristo como único Salvador e viver da graça infinita de Deus. A confessionalidade luterana se baseia na Bíblia. Sua doutrina foi estabelecida pelos credos da igreja antiga, pela Confissão de Augsburgo e pelo catecismo menor de Lutero.

Os fundamentos podem ser expressos nestes quatro princípios: Somente Cristo, somente a fé, somente a graça e somente a Escritura. A doutrina inclui o pecado de Adão e a natureza radicalmente corrupta do humano que precisa da graça para ser salvo. A chave de tudo é a justificação pela fé e pela graça de Cristo. Fé é ato de confiança total. Quanto aos sacramentos ele retém dois: o batismo e eucaristia (ação de graças ou ceia do Senhor). Lutero rejeitou o purgatório, as indulgências e a invocação aos santos.

Os católicos irão pensar todas estas questões no Concílio de Trento.

Doutrina, história, riquezas e sua teologia

A doutrina fundamental é o perdão dos pecados e a justificação vindas pela graça e vivida na fé ao Cristo Crucificado e Ressuscitado. A fé não é um simples ato intelectual, mas confiança absoluta em Deus e em sua Palavra Viva. As boas obras acompanham a fé. O batismo, a confirmação, o casamento e a Eucaristia são sacramentos guardados amorosamente pelos reformados. Não aceitam o purgatório nem as indulgências. O verdadeiro ministro luterano é o pastor ordenado. A ceia do Senhor é celebrada mensalmente. A reforma de Lutero é herdeira dos pré-reformadores como Waldo, Wyclif e Hus. Um tripé essencial se apresenta pelos três sola: sola fidei, sola scriptura e sola gratia. Os luteranos jogaram papel fundamental na construção da exegese moderna no século 19 e 20. Lutero nos legou uma obra colossal entre textos, homilias, comentários, traduções bíblicas, etc. Os coros luteranos e o cultivo pela música são uma preciosidade e riqueza inestimável para o Ocidente cristão. Há igrejas de formato episcopal, outras de caráter sinodal e ainda organizações intermediárias quanto à hierarquia e participação decisória. A Federação Luterana articula ¾ de todas as igrejas luteranas. A Confissão de Augsburg constitui uma plataforma teológica onde se reconhecem as maiores igrejas do mundo protestante. Lutero ficará contra Thomas Münzer e Erasmo de Roterdã, por razões político-teológicas. Apoiará o massacre dos camponeses pelos senhores feudais. Sua inspiração original advém de textos de Santo Agostinho, de uma mentalidade ainda marcada pelo regime feudal dos príncipes, mas apesar disso sua reflexão pessoal irá produzir algo inédito: a liberdade de pensar a fé e viver a graça de Deus. Inúmeros pensadores e escolas de Teologia na Europa e Américas irão despontar a partir deste novo horizonte hermenêutico e bíblico. Alias, foi obra sua colocar o NT e depois a Bíblia toda em língua alemã para leitura de todos os cristãos. Particularmente, via imprensa de Gutemberg.

Número de fiéis

Estima-se que os luteranos estejam entre 75 e 80 milhões de fiéis espalhados pelo mundo inteiro. Três quartos na Europa do Norte (Alemanha: 26 milhões, Suécia 7,2 milhões, Dinamarca 5 milhões, Finlândia 4,4 milhões, Noruega 3,8 milhões, outros países europeus 13,6 milhões), um oitavo nos Estados Unidos (de 8 a 10 milhões em mais de cem distritos ou sínodos episcopais), um oitavo restante no terceiro mundo, particularmente na Índia, Brasil, Etiópia, Namíbia e Tanzânia que contam cada qual com 1 milhão de membros. O número de ministros na Alemanha soma 23.087, na Finlândia é de 2.100 pastores e pastoras, na Noruega 1200, na Suécia 3426, na Letônia 136 pastores, por exemplo. Parte considerável das igrejas locais está conectada na Federação Luterana Mundial e também no Conselho Mundial de Igrejas, ambas em Genebra, na Suíça.

Datas importantes da Reforma:

• 1505 – Lutero entra no Convento dos monges agostinianos de Erfurt, sendo ordenado presbítero católico no ano 1507.

• 1512 – Lutero se torna doutor em Teologia.

• 1513-1515 – Faz a leitura que lhe será marcante da Epístola aos Romanos 1,17 onde concretiza fortemente a resposta de sua grande angústia sobre a salvação dos pecadores: só pela graça de Deus é que somos salvos.

• 1517 – Quando da expansão e cobrança das indulgências em todos os principados e condados pela Alemanha, em reação, Martinho Lutero irá publicar 95 teses na porta da Igreja do Castelo de Wittemberg, donde lemos na tese 62 como que um resumo: o verdadeiro tesouro da Igreja é o santíssimo Evangelho da Glória e da Graça de Deus.

• 1519 – Lutero em debate com o teólogo João Eck contesta a primazia do papa.

• 1520 – Bula de excomunhão de Lutero enviada pelo papa Leão X condenando-o por conta de 41 proposições consideradas heréticas aos olhos de Roma é por ele queimada publicamente. Lutero convoca a nobreza germânica a sustentá-lo na peleja contra Roma. A excomunhão se efetiva em 1521 como ato de força e poder contra o diálogo e a necessária Reforma das estruturas e modelos feudais obsoletos. Diante da Dieta imperial em Worms, Lutero recusa de retratar-se invocando a Sagrada Escritura como advogada de suas posições.

• 1521/2 – Tradução por Lutero do Novo Testamento para a língua alemã, ponto de partida e referencial para o alemão moderno. Ele estava sob a proteção do príncipe da Saxônia, em Wartburg, quando realizou a dita tradução.

• 1522-1530 – A Reforma é ultrapassada e contestada não só por Roma mas também por movimentos camponeses em rebelião por toda a Europa. Irrompem movimentos de correntes revolucionárias como anabatistas, reforma de Zwinglio, Guerra dos camponeses. Lutero é contestado pelo grande pensador católico Erasmo de Roterdã.

• 13/06/1525 – Casa-se com Catarina von Bora e tem seis filhos.

• 1527 – O luteranismo se torna a religião oficial da Suécia que englobava a Finlândia e a Estônia na época.

• 1529 – Lutero publica dois catecismos destinados aos leigos e clérigos.

• 1530 – O luterano moderado Melanchton publica a Confissão de Augsburgo, aprovada também por Lutero.

• 1536 – Torna-se o luteranismo religião oficial da Dinamarca, que compreendia a Noruega e a Islândia.

• 1546 – Falece Lutero.

• 1555 – Proclamação da paz de Augsburgo consagrando a repartição confessional do Sacro Império, onde os diferentes Estados nacionais ou regionais decidiam pela religião de seu príncipe segundo o princípio cuius régio, eius religio (tal rei, tal religião).

• 1666 – Irrompem movimentos pietistas como os de Phillip Jakob Spener (1635-1705).

• 1722 – Sob o impulso do conde von Zinzendorf, se expande a atividade missionária luterana por meio dos irmãos morávios.

• 03/05/1824 – Chegada dos primeiros luteranos alemães em Nova Friburgo, RJ e em julho do mesmo ano ao sul do Brasil, em São Leopoldo, no vale do Rio dos Sinos, RS com a fundação da IECLB. A chegada em Blumenau, SC, em 1854; na cidade do Rio de Janeiro 1827; em Domingos Martins, ES, em 1846; Teófilo Otoni - MG em 1862; Limeira - SP em 1873 e Ponta Grossa, PR, em 1877.

• 1886 – Fundação do Sínodo Rio-Grandense da Igreja Evangélica Alemã, sob a liderança do Pastor Wilhelm Rotermund.

• 24/06/1904 – É fundada entre os imigrantes alemães a primeira comunidade da Igreja evangélica Luterana do Brasil - IELB, em São Pedro do Sul-RS.

• 1934 – Constituição da Igreja Confessante na Alemanha nazista, vivida pelo pregador e mártir pastor Dietrich Bonhoeffer, em oposição direta aos nazistas.

• 09/04/1945 – Assassinato do pastor Dietrich Bonhoeffer (nascido em Breslau, 04/02/1906 e assassinado em Berlim). Foi teólogo, pastor luterano, membro da resistência alemã antinazista e fundador da Igreja Confessante, ala da igreja evangélica contrária à política nazista.

• 1947 – fundação da Federação Luterana Mundial, em Lund na Suécia.

• 23/05/1977 – Elisabeth Käseman, militante alemã da Igreja luterana, mártir pela Causa dos pobres, Buenos Aires, Argentina.

• 10/01/1985 – Ernesto Fernández Espino, pastor luterano, mártir dos refugiados salvadorenhos.

• 1999 – Declaração conjunta entre católicos e luteranos sobre a justificação pela graça.

• 2004 - a IECLB conta com 713.502 membros, distribuídos em 18 Sínodos, 413 Paróquias, 1.770 Comunidades, 1.162 Pontos de Pregação, 46 Escolas, 13 Ancionatos, 20 Hospitais e 12 Casas de Retiro, 577 pastores e pastoras, 34 diaconisas, 98 obreiros e obreiras diaconais e 135 catequistas.

• 01/03/2012 – Falece Milton Schwantes, biblista brasileiro luterano, animador da leitura bíblica popular latino-americana.

• 31/10/2016 – Em Lund e Malmö, na Suécia, comemoração ecumênica conjunta luterano-católica pelos 500 anos da Reforma, segundo um comunicado da Federação Luterana Mundial e do Pontifício Conselho para a Promoção da Unidade dos Cristãos. O Papa Francisco participara dos eventos nas duas cidades suecas. “O programa inclui uma celebração eucarística com a comunidade católica na manhã de 1 de novembro”, disse o Diretor da Sala de Imprensa da Santa Sé, Pe. Frederico Lombardi.

• 2016 – Publicação do documento fundamental intitulado Do Conflito à comunhão para celebrar ecumenicamente os 500 anos.

• 2017 – Celebração dos 500 anos, em 31 de outubro, da Reforma da Igreja.

• 2017 - Estima-se que exista entre 1 e 1,5 milhões de luteranos no Brasil.

Diálogo fraterno

Há relação fecunda entre católicos e luteranos levada adiante pela Comissão Católico Romana e luterana, estabelecida pelo Pontifício Conselho para a Promoção da unidade Cristã e a Federação Luterana Mundial desde 1967. A Federação está organizada em 7 regiões envolvendo 98 países do globo e 72 milhões de fiéis luteranos.

Fontes:

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

500 anos de Reforma – 31 de outubro de 2017. Artigo de Fernando Altemeyer Junior - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV