Migrantes às portas da Europa

Revista ihu on-line

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Mais Lidos

  • Os bispos do Sínodo farão um novo “Pacto das Catacumbas” para a Amazônia

    LER MAIS
  • A ideologização da Sociologia (além de uma simples distração). Artigo de Carlos Gadea

    LER MAIS
  • Críticos não percebem a importância global do Sínodo da Amazônia, afirma Peter Hünermann

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

17 Outubro 2017

"Desde janeiro de 2017 até os dias de hoje, mais de 143 mil imigrantes desembarcaram na Europa pela rota do Mediterrâneo, 75% dos quais através da Itália. Na travessia, mais de dois mil perderam a vida" escreve Alfredo J. Gonçalves, padre carlista, assessor das Pastorais Sociais.

Eis o artigo.

Dia 12 de outubro de 2017, desembarcou no sul da Itália uma embarcação com cerda de 630 imigrantes, provinda das costas da Líbia. Desses recém-chegados, nada menos do que 241 eram crianças desacompanhadas. A grande maioria tinha como origem os mais diversos países da África. Alguns vinham da Síria. Violência, tensões, conflitos armados e falta de trabalho são as principais causas desse deslocamento de massa.

A embarcação representa uma brecha ou fissura no acordo recente feito entre a União Europeia e as autoridades da Líbia. Diante de semelhante acordo, tal como ocorrera com a Turquia, a Líbia deveria encarregar-se de manter os migrantes em seu país, em troca de investimentos europeus. Um muro invisível de diplomacia política. Uma forma de fechar as portas aos imigrantes com luvas de pelica.

Ocorre que, no território líbio, os campos de migrantes, refugiados e prófugos apresentam condições degradantes e infrahumanas. Superpopulação, maus tratos, incluindo a tortura, e falta de serviços básicos constituem o pão nosso de cada dia. Os “fugitivos” vivem ali em verdadeiros “infernos”, disputando as migalhas de uma assistência precária. Semelhante situação e a presença disfarçada dos traficantes os pressionam em direção ao mar e à Europa, nas busca de uma oportunidade.

Desde janeiro de 2017 até os dias de hoje, mais de 143 mil imigrantes desembarcaram na Europa pela rota do Mediterrâneo, 75% dos quais através da Itália. Na travessia, mais de dois mil perderam a vida nesse “cemitério de migrantes”. Uma vez mais, “gestir” os fluxos migratórios de forma adequada não é erguer muros – visíveis ou invisíveis – mas construir pontes de acolhida, inserção social, inclusão e verdadeira cidadania.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Migrantes às portas da Europa - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV