Igreja Católica e o governo Temer

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • Irreverência

    LER MAIS
  • Uma prova do conclave. O próximo papa assumirá o nome da Comunidade de Santo Egídio

    LER MAIS
  • “Eu estou tirando Deus da Bíblia”. Entrevista com Marc-Alain Ouaknin

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

11 Agosto 2017

"Palavras duras, claras, veementes e proféticas. Dedo em riste que aponta ao coração mesmo da política econômica do governo Temer. Governo que para pavimentar esse caminho de entreguismo usa de todas os mecanismos e artimanhas que tem ao seu alcance" escreve Alfredo J. Gonçalves, padre carlista, assessor das Pastorais Sociais.

Eis o artigo.

“Eu vi… e ouvi os clamores do meu povo” (Ex, 3,7)

Com essas palavras extraídas do Livro do Êxodo, a Comissão Episcopal Pastoral para a Ação Social Transformadora da CNBB se pronuncia sobre a crise política em que está mergulhado o país. A mensagem, de 1º de agosto de 2017, é endereçada “aos bispos das Pastorais Sociais”. Estas últimas, por sua vez, representam verdadeiros “exércitos” de agentes pastorais que atuam na base, junto aos operários e desempregados; camponeses e trabalhadores sem terra; migrantes, itinerantes, refugiados e nômades; menores e crianças desnutridas; pescadores e marítimos; mulheres prostituídas e encarcerados... Entre outros representantes das Comunidades Eclesiais.

Vale a pena citar todo um parágrafo da nota que, remetendo-se simultaneamente ao texto bíblico citado, à Constituição Gaudium es Spes do Concícilo Vaticano II e aos documentos da Igreja na América Latina, diz literalmente: “Clamam aos céus, hoje, as muitas situações angustiantes do Brasil, entre as quais o desemprego colossal, o rompimento da ordem democrática e o desmonte da legislação trabalhista e social. O governo, em lugar de fortalecer o papel do Estado para atender as necessidades e os direitos dos mais fragilizados, favorece os interesses do grande capital, sobretudo financeiro especulativo, penalizando os mais pobres, por exemplo com a reforma da previdência, falsamente justificada”.

Palavras duras, claras, veementes e proféticas. Dedo em riste que aponta ao coração mesmo da política econômica do governo Temer. Governo que para pavimentar esse caminho de entreguismo usa de todas os mecanismos e artimanhas que tem ao seu alcance. Prova disso foi a vitória envergonhada na Câmara dos Deputados para engavetar as denúncias que há tempo pesam sobre a autoridade máxima da nação. Nunca se viu funcionar com tamanha eficácia a troca de titulares por suplentes e a pressão do executivo sobre o legislativo, bem como a prática do “balcão de negociatas” entre ambos os poderes. Ou, mais prosaicamente, a compra e venda de privilégios e benefícios. Resta perguntar se a mesma estratégia funcionará para as próximas denúncias já em andamento pelo Ministério Público.

Os bispos estão cheios de razão. De fato, a política atual, com uma onda de privatizações, com a liberação do mercado total e com reformas que penalizam os direitos dos trabalhadores e trabalhadoras, o governo caminha na contramão dos “clamores” que chegam das bases. Surdo e cego às vozes das ruas, segue seu programa que traz, ao mesmo tempo, concentração de riqueza e exclusão social. Resulta disso o “desemprego colossal”, a falta de apoio a pequenos e médios produtores, empreendedores ou comerciantes, a fuga de cérebros para o exterior, a precarização crescente dos serviços públicos. Estes últimos acabam reconvertidos em mercadorias a serem vendidas por empresas privadas, evidentemente a preço de mercado. Bens pagos duplamente: primeiro, com a carga de impostos e, agora, com a elevação dos preços.

Uma pergunta conclusiva: que impacto terá esse pronunciamento não somente sobre os participantes das pastorais sociais, mas também sobre os movimentos sociais, as organizações não governamentais e trabalho de base em geral – hoje aparentemente tão fragmentados? Como poderão ser sacudidos o descrédito, a apatia e o marasmo que parecem ter dominado não poucas forças vivas da nação? Ou melhor, como canalizá-las num projeto popular em vista do “Brasil que queremos”, como se dizia na segunda Semana Social Brasileira, em meados da década de 1990? Perguntas cuja resposta só poderá levantar-se do chão!

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Igreja Católica e o governo Temer - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV