Francisco: uma ideia de teologia

Revista ihu on-line

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Mais Lidos

  • 23 razões para participar da Greve Climática desta sexta-feira

    LER MAIS
  • Às leitoras e aos leitores

    LER MAIS
  • Cisma: uma noção que mudou ao longo dos séculos. Artigo de Massimo Faggioli

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

27 Setembro 2017

"O desejo de contemporânea proximidade do Deus de Jesus para a vivência real dos homens e das mulheres pede, à teologia e à Igreja, a habilidade de realmente atravessar a "mudança antropológico-cultural, que hoje influencia todos os aspectos da vida”: não observá-la de maneira isenta a partir de um espaço seguro e imune, em que se busca mais a proteção das próprias inseguranças do que uma fidelidade histórica à novidade evangélica de Deus" escreve Marcello Neri,  teólogo italiano, professor da Universidade de Flensburg, na Alemanha, em artigo publicado por Settimana News, 23-09-2017.  A tradução é de Luisa Rabolini.

Eis o artigo.

Vamos tentar por um momento sair do âmbito restrito a que se refere a linguagem, necessariamente exígua e jurídica como aquela de um motu proprio (Summa familiae cura) que pretende dar um novo ordenamento a uma instituição eclesial (nesse caso, o antigo Pontifício Instituto João Paulo II para os Estudos sobre o Matrimônio e a Família), e fazer um pequeno exercício de imaginação em relação à mais ampla instituição do saber teológico. Acredito que seja algo necessário para poder não só entender, mas também prestar as devidas honras ao recente documento do Papa Francisco.

A Carta representa, de fato, um forte investimento por parte do atual Bispo de Roma no que diz respeito à teologia, por um lado, e deixa transparecer uma precisa ideia e perfil, pelo outro. Quanto a isso, texto e pessoas envolvidas definem um quadro unitário que precisa ser compreendido como tal.

Gênese da teologia

A teologia reporta em sua gênese o que é "um novo percurso sinodal" da Igreja Católica em relação ao ato concreto de viver dos homens e mulheres do nosso tempo. Ao fazer desses dois âmbitos reais o lugar de teste de uma milenar sabedoria teológica que sabe, desde o início, ter seu escopo justamente neles.

A teologia não pode ser produzida em uma sala asséptica, sem história e sem substância, impermeável ao sentir compartilhado da fé. Deve ter a inteligência para integrar suas divergências para tornar evangelicamente coerente uma palavra de sabedoria desde sempre destinada para a experiência humana comum de todos. Frágil, mesmo em suas devoções mais coerentes e apaixonadas - como Paulo não sente vergonha em admitir.

Dar prova de que o próprio discurso apostólico tem o seu lugar justamente em "vasos de barro" é a força sem precedentes da palavra cristã. Sem temor nem hesitações. Quando sabe se amoldar a esse princípio, a teologia pode colocar em campo "a preciosa contribuição de pensamento e da reflexão que investigam, de maneira mais aprofundada e rigorosa, a verdade da revelação e a sabedoria da tradição da fé, em vista do seu melhor entendimento no tempo presente".

Colaboradores do desejo de Deus

O desejo de contemporânea proximidade do Deus de Jesus para a vivência real dos homens e das mulheres pede, à teologia e à Igreja, a habilidade de realmente atravessar a "mudança antropológico-cultural, que hoje influencia todos os aspectos da vida”: não observá-la de maneira isenta a partir de um espaço seguro e imune, em que se busca mais a proteção das próprias inseguranças do que uma fidelidade histórica à novidade evangélica de Deus.

Acentuando nisso o empreendimento originário do Deus que dá a vida por amor, paixão inscrita desde o princípio na trama das Escrituras. O chamamento para a "fundamental aliança do homem e da mulher para o cuidado com a geração e a criação" não é apenas uma bela imagem retórica para dizer de outra forma o mesmo que cultivamos na horta dos nossos discursos sem destinatários.

A melhor inteligência possível

Trata-se, sim, de voltar a tecer o fio do vínculo, muitas vezes afirmado, mas raramente praticado, entre a teologia do texto bíblico e a melhor inteligência da qual pode ser capaz a fé em uma determinada passagem da história real das mulheres e dos homens.

Nesse documento exíguo, caso o queira, a teologia poderá encontrar pão para os seus dentes; ou, ao contrário, poderá revelar-se em toda a sua velhice, mostrando-se incapaz de mastigar o alimento que a mantém viva.

Essa laboriosidade é competência própria das teólogas e dos teólogos profissionais, não certamente de quem é chamado para o leme do barco de Pedro – a quem, evangélica e historicamente, são exigidas outras competências. Não é possível ser tudo, porque inevitavelmente acaba-se fazendo mal as coisas.

Reconhecer isso e confiar a cada um o seu (carisma, vocação, profissionalismo), deixando-lhe o devido espaço, só pode ser vantajoso para toda a comunidade dos irmãos e das irmãs no Senhor.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Francisco: uma ideia de teologia - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV