A tragédia de Myanmar

Revista ihu on-line

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Grande Sertão: Veredas. Travessias

Edição: 538

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Grande Sertão: Veredas. Travessias

Edição: 538

Leia mais

Mais Lidos

  • Comunhão na Igreja dos EUA ''já está fraturada''. Entrevista com Massimo Faggioli

    LER MAIS
  • Vozes que desafiam. A vida de Simone Weil marcada pelas opções radicais

    LER MAIS
  • A disrupção é a melhor opção para evitar um desastre climático, afirma ex-presidente irlandesa

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

16 Setembro 2017

Uma vez mais a religião, que deveria figurar como estímulo à paz, ao diálogo e à concórdia, alimenta a violência, a discriminação e a migração forçada. Deus é o Senhor da vida, não da morte!, escreve Pe. Alfredo J. Gonçalves, padre carlista, assessor das Pastorais Sociais.

Eis o artigo. 

Contam-se às dezenas de milhares os refugiados/prófugos da etnia Rohingya que fogem de Myanmar (antiga Birmânia), deslocando-se compulsoriamente para o Blangladesh.

Neste último país, milhares de refugiados/prófugos dessa etnia estão se instalando em campos improvisados, em condições precárias e inapropriadas.

De acordo com os relatos que circulam pelas redes sociais, a causa imediata está ligada à perseguição religiosa sobre a minoria muçulmana, pressionada pela maioria budista.

Uma vez mais a religião, que deveria figurar como estímulo à paz, ao diálogo e à concórdia, alimenta a violência, a discriminação e a migração forçada. Deus é o Senhor da vida, não da morte!

Recentes incursões do Exército de Myanmar em Rakhine, o estado a noroeste do país e que alberga mais de um milhão de muçulmanos da etnia rohingya, já deixou centenas de mortos.

A Nobel da Paz Aung San Suu Kyi, autoridade importante de Myanmar, nega as atrocidades. Com isso, entra em colisão com ONU e outras organizações, como a Oxfam, que não sonseguem acesso aos territórios do conflito.

Muitos dos rohingya que conseguem chegar a Bangladesh, porém, mostram feridas à bala, narrando cenas de perseguição e massacres por parte do exército.

Roma, 14 de setembro de 2017

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

A tragédia de Myanmar - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV