Terremoto Odebrecht continua a balançar as estruturas políticas na América Latina

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • A economista que defende uma mudança radical do capitalismo para o mundo pós-pandemia

    LER MAIS
  • Pedro Casaldáliga: sua Morte dá Sentido ao seu Credo

    LER MAIS
  • Três transições necessárias

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


24 Agosto 2017

As investigações da Operação Lava-Jato espalharam-se pelas entranhas da América Latina e estão estremecendo a relação entre presidentes de países como a Venezuela, Equador e Colômbia. A cada dia, há novos capítulos de uma história que parece estar longe do final.

Os escândalos de corrupção atingiram em cheio o vice-presidente do Equador, Jorge Glas, que foi afastado por um decreto do atual líder do país, Lenín Moreno, no início do mês. Entre outras razões, a principal é a suspeita de que Glas tenha recebido propina da Odebrecht para favorecer a empreiteira brasileira.

s

O mesmo tema fez com que o ex-presidente Rafael Corrêa desistisse de concorrer à reeleição, no começo do ano. Mas o movimento de Moreno para se desvincular dos maiores escândalos de corrupção da última década irritou seu antecessor. Correa reforçou a tese de uma nova frente política sem perder a oportunidade de lançar insultos contra quem foi seu vice-presidente por seis anos. Na vizinha Colômbia, o amparo dado para a ex-procuradora-geral venezuelana Luisa Ortega irritou o governo da Venezuela. Luisa ficou marcada por se afastar do chavismo e criticar o governo Nicolás Maduro, por isso acabou deposta pela Assembleia Constituinte.

Na semana passada, Luisa gravou um áudio em que diz que o governo está preocupado, pois tem detalhes do esquema de corrupção em toda a América Latina.

“Eles estão muito preocupados e angustiados, sabem que temos informações e detalhes de todas as operações, montantes e pessoas que se enriqueceram e que essa investigação envolve o senhor Maduro e aqueles perto dele", disse no áudio.

Nesta quarta-feira, ela está no Brasil para participar de uma reunião com o procurador-geral da república Rodrigo Janot, além de procuradores do Mercosul. Depois, retorna a Bogotá, segundo informou o Itamaraty. Em Brasília, ela confirmou que há relação entre corrupção da Odebrecht e o governo Maduro.

Antes de romper com o governo, Luisa foi procuradora da era Chaves. Após ser destituída, ela atribuiu a "perseguição sistemática" do governo a si e aos funcionários do Ministério Público à investigação do escândalo de pagamento de propina da construtora Odebrecht. Maduro afirmou que a ex-procuradora-geral entrou para a lista vermelha do país, e que pedirá à Interpol a sua prisão.

Depois do Brasil, a Venezuela é o país que mais recebeu propina da Odebrecht. A construtora teria distribuído na Venezuela cerca de US$ 98 milhões (cerca de R$ 308 milhões) em propina, entre 2006 e 2015, para funcionários do governo venezuelano a fim de garantir contratos de obras públicas.

Em uma breve mas contundente declaração, o presidente colombiano, Juan Manuel Santos, disse no Twitter que “a procuradora Luisa Ortega se encontra sob a proteção do Governo colombiano. Se ela pedir asilo, lhe daremos”, escreveu Santos no início da semana.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Terremoto Odebrecht continua a balançar as estruturas políticas na América Latina - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV