Deserto espiritual. A propósito do caso dramático do bebê Charlie

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • O Papa doa aos pobres um prédio de luxo a poucos passos de São Pedro

    LER MAIS
  • Arautos do Evangelho. Vaticano retoma a intervenção

    LER MAIS
  • Papa aprovará padres casados na Amazônia, afirma teólogo

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

04 Julho 2017

caso dramático do bebê Charlie põe em destaque os prejuízos que podem se originados pela implantação generalizada da cultura do descartetantas vezes denunciada enfaticamente pelo Papa, e por uma visão puramente técnico-científica da prática médica.

O comentário é de Lucetta Scaraffia, jornalista, historiadora e professora da Universidade La Sapienza de Roma, publicado por L'Osservatore Romano, 01 e 02-06-2017. A tradução é de Luisa Rabolini.

Causando uma desconfiança que pode atingir até irreparáveis rupturas na fundamental aliança terapêutica entre paciente (ou, como neste caso, entre a família do paciente) e médicos, por um lado, e chegar ao absurdo de mistificação e manipulação das notícias, pelo outro.

Alguns meios de comunicação, especialmente na Itália, destacaram-se por assumir esse trágico acontecimento tornando-o objeto de conflito ideológico, mais uma oportunidade de se manifestar politicamente a favor ou contra a eutanásia. Embora no doloroso caso do bebê Charlie Gard este não seja o problema. A frase, tantas vezes repetida, 'desligar o plugue da tomada’ evoca imediatamente um ato de eutanásia, e não a possível escolha de colocar um fim a uma insistência na ‘obstinação terapêutica’, para ser substituída por cuidados paliativos. E se aquele plugue, em primeiro lugar, jamais devesse ter sido ligado? No caso britânico, não temos os elementos para responder, mas sabemos que, em um mundo em que se exige que a ciência vença a morte a todo custo, é cada vez mais difícil encontrar um lugar para a aceitação dolorosa, mas inevitável, do fim. E, para os médicos, encontrar as palavras para explicar a pais destroçados e desesperados que seu sofrimento será inevitável, e ficar ao seu lado com humanidade e caridade.

Nesse episódio o que faltou - parece ficar claro - é um horizonte humano e espiritual mais amplo aonde inscrever, apesar de não explicar, o mistério da dor infantil, e mais genericamente do sofrimento. Correr de uma esperança médica, muitas vezes ilusória, para outra, sem deixar àquela pobre criatura a possibilidade de morrer com a menor dor possível, aceitando esse seu trágico destino, é o sinal do deserto espiritual moderno, é a outra face da eutanásia e de uma mentalidade que está se tornando cada vez mais comum.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Deserto espiritual. A propósito do caso dramático do bebê Charlie - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV