Últimos suspiros do socialismo francês

Revista ihu on-line

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Mais Lidos

  • O psicanalista analisa o "vazio de sentido". "A técnica domina, a política não decide, os jovens consomem e ponto". Entrevista com Umberto Galimberti

    LER MAIS
  • Necropolítica Bacurau

    LER MAIS
  • ''Estamos vendo o início da era da barbárie climática.'' Entrevista com Naomi Klein

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

03 Julho 2017

A confusa presidência de Hollande, os destruidores de Valls, o surgimento de Macron e a humilhação na eleição presidencial de 2017 (6,3 por cento dos votos) acabaram devastando o antigo partido de Jean Jaurès.

A reportagem é de Eduardo Febbro, publicada por Página/12, 02-07-2017. A tradução é de Henrique Denis Lucas.

A esquerda socialista foi morta pela centro-direita e busca ressuscitar pela esquerda. Afundado no turbilhão imparável de derrotas, o Partido Socialista quebra enquanto vê seu passado com resignação. A imagem vai estar no álbum de memórias de toda uma geração como o testemunho da última alegria coletiva que o Partido Socialista ofereceu aos seus simpatizantes: em maio de 2012, dezenas de milhares de pessoas reuniram-se através do Boulevard Saint Germain, a matriz do Partido Socialista francês, na Rue Solferino, para celebrar a vitória de François Hollande nas eleições presidenciais. Fazia 24 anos desde a última vez que um socialista - François Mitterrand - havia conquistado o palácio presidencial. Hoje, a sede da Rue Solferino é um lugar vazio, um mausoléu, um barco triste, ancorado na derrota, sem capitães ou direção. A batalha de egos, conflitos internos, antagonismos entre a esquerda do PS e os liberais sociais, a presidência confusa de François Hollande, os destruidores de quem foi um de seus últimos chefes de gabinete, Manuel Valls, o surgimento do atual presidente, Emmanuel Macron, e o resultado humilhante na eleição presidencial de 2017 (6,3%) acabaram de devastar o antigo partido de Jean Jaurés. Seus líderes ou figuras influentes se juntaram ao partido de Macron ou, como agora, abandonaram o PS logo depois de fazer suas carreiras políticas dentro de um partido que morre quando, na verdade, suas ideias permanecem. O quadro atual é apocalíptico: Manuel Valls, finalista nas primárias, deixou o PS há uma semana para se juntar ao grupo parlamentar do presidente, República em Marcha. Benoît Hamon, representante da esquerda que foi derrotado nas primárias por Valls e foi eleito candidato presidencial de 2017, fez o mesmo no sábado, 1º de julho, pela primeira vez.

Os dois protagonistas da ruptura socialista, Valls e Hamon, por razões diferentes, deixam a formação que os viu crescer. Apenas um deles alcançou seu propósito: Manuel Valls enterrou o PS. Durante seus três anos como primeiro-ministro de Hollande, Valls incorporou uma broca que, com uma constante autoridade, destruiu os fundamentos de uma certa esquerda socialista. O ex-primeiro-ministro teorizou o desaparecimento da esquerda e o "fim" do socialismo.

Então, quando ele perdeu as primárias, não respeitou os compromissos formais e, em vez de apoiar a candidatura de Benoît Hamon, se jogou sobre ele para destruí-lo e acabou optando por votar publicamente em Emmanuel Macron. Em 27 de junho, após a liderança perdida do PS decidiu não dar o seu voto de confiança ao governo de Macron em 4 de Julho, Valls tornou pública sua decisão: "Deixo o Partido Socialista ou o Partido Socialista me deixa. Não permanecerei em um grupo onde as ambiguidades persistem, onde não se votará a confiança ao governo. Eu vou votar ", disse Valls. Esse gesto acabou consumando o divórcio, ou o que muitos viram como a "traição" final de Valls. Em um documentário recentemente transmitido na televisão francesa sobre a impensável ascensão de Emmanuel Macron, o atual presidente e ex-ministro das Finanças no governo de Valls diz a certa altura: "o verdadeiro traidor nesta história é Manuel Valls".

O salto ao vazio do PS foi um suicídio sem precedentes. Em 2012, ele tinha todos os poderes: a presidência da República, o Senado, a maioria na Assembleia, quase todas as regiões, cidades grandes e o capital simbólico das esperanças de transformação. E não sobraram mais do que algumas migalhas. A história destes três últimos anos tem sido como uma peça de teatro transmitida ao vivo onde os personagens foram derrubando a casa de seu pai. A saída de Valls não é uma surpresa, nem a de Hamon. As correntes do PS buscam ativamente reconstruir um movimento da esquerda. "Passei 30 anos extensos e felizes no Partido Socialista. Eu amei este partido, amei apaixonadamente. Hoje, saio do partido, mas não abandono o socialismo e os socialistas", disse Benoît Hamon.

Ao mesmo tempo em que sai, o ex-candidato presidencial decidiu criar o primeiro movimento de Julho, com o objetivo de "ir além do PS" e "reconstruir a esquerda." Toda a estratégia está direcionada à esquerda. Com um PS que tem funcionado como um coquetel impossível de tendências incapazes de desenvolver a famosa "síntese" entre a democracia social europeia e o socialismo romântico, o caminho de reconstrução passa pela esquerda e apenas por ali. Um dos colaboradores de Benoît Hamon, Guillaume Balas, evocou ainda uma esquerda de "transformação real", uma espécie de "novo gramscismo" capaz de levar "a cabo uma batalha ideológica e cultural". Certas terminologias que tinham pura e simplesmente desaparecido do vocabulário da esquerda francesa voltam agora como palavras-chave. De acordo com o mesmo Balas, "é necessário redefinir a questão democrática, restaurar a crítica ao capitalismo e a seus efeitos que criam desigualdades". Dos escombros das traições profundas, da trituradora das derrotas retumbantes nas eleições presidencial e legislativa, os sobreviventes do PS buscar a salvação da mesma forma que transitou com sucesso o movimento de Jean-Luc Mélenchon, França insubmissa: pela esquerda. Perderam tudo para a centro-direita e agora tropeçam para reconquistar o que Hamon chamou de "maioria social", que vive sob o "julgo de uma minoria social."

Tudo volta a ser possível. O mar político está instável demais para calcular as possibilidades de sucesso destas iniciativas de renascimento. O prédio com as ideias desabou, mas as ideias mantêm seu poder de atração: não perderam nem o interesse nem a relevância, nem os seus apoiadores. Só falta alguém para representá-los com honestidade.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Últimos suspiros do socialismo francês - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV