Número de mulheres vítimas de agressão doméstica cresceu 61% em dois anos

Revista ihu on-line

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Clarice Lispector. Uma literatura encravada na mística

Edição: 547

Leia mais

Mais Lidos

  • “Sínodo é até o limite. Inclui a todos: Os pobres, os mendigos, os jovens toxicodependentes, todos esses que a sociedade descarta, fazem parte do Sínodo”, diz o Papa Francisco

    LER MAIS
  • Por que a extrema direita elegeu Paulo Freire seu inimigo

    LER MAIS
  • Enquanto Francisco visitava a Eslováquia, a comunidade internacional celebra a mulher sacerdote da Tchecoslováquia

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


12 Junho 2017

O percentual de mulheres que se identificaram como vítima de violência doméstica subiu 61% de 2015 a 2017, segundo a sétima edição do Relatório Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher, realizado pelo instituto de pesquisa DataSenado, em parceria com o Observatório da Mulher contra a Violência.

O relatório foi baseado em entrevistas com 1116 mulheres realizadas entre 29 de março e 11 de abril.

A reportagem é de Marianna Rosalles, publicada por Brasil de Fato, 11-06-2017.

Este resultado gera uma série de questionamentos uma vez que não se pode afirmar com certeza se o aumento se deve a um crescimento no número de agressões ou a uma maior conscientização das mulheres, que passaram a denunciar as agressões de seus maridos.

Para Roberta Viegas, consultora legislativa e coordenadora do Observatório da Mulher contra a Violência, houve uma mudança no pensamento das brasileiras. “A noção de que agressão não é um ato de carinho é muito nova. A percepção das mulheres está mudando”, comenta.

Outro dado preocupante se refere à Lei Maria da Penha. A pesquisa revelou que, apesar de todas as mulheres entrevistadas já terem ouvido falar da Lei, 77% delas sabem pouco sobre ela. Sobre sua aplicação, 53% a classificam como “parcialmente protetora”.

A coordenadora do Observatório avalia que faltou investimento na divulgação dos trâmites legais após a euforia do sancionamento da lei. “É preciso educar as mulheres para que elas conheçam a lei e seus procedimentos”, declarou.

Políticas públicas

Não há perspectivas de que a situação dessas vítimas melhore. Em março, mês internacional da mulher, o governo golpista de Michel Temer reduziu em 61% a verba para atendimento à mulher em situação de violência. Com o corte, o orçamento destinado à assistência passou de R$ 42,9 milhões para R$ 16,7 milhões.

No mesmo mês, o governo federal removeu recursos das políticas de incentivo de autonomia das mulheres após uma redução de 54% no orçamento. Apenas R$ 5,3 milhões estão disponíveis para o setor.

Série histórica

O objetivo do estudo, que é realizado bianualmente desde 2005, é descobrir quais são as percepções das brasileiras acerca da violência contra as mulheres no país.

De acordo com Viegas, esta é “a única pesquisa no Brasil que mantém um acompanhamento em série histórica”, e nasceu um ano antes da promulgação da Lei Maria da Penha.

Orçamento destinado à assistência passou de R$ 42,9 milhões para R$ 16,7 milhões.


 

 


 

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Número de mulheres vítimas de agressão doméstica cresceu 61% em dois anos - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV