Papa em Gênova contra as calúnias na Igreja: “Expulsem os seminaristas que falam mal dos outros”

Revista ihu on-line

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

No Brasil das reformas, retrocessos no mundo do trabalho

Edição: 535

Leia mais

Mais Lidos

  • 'Por uma teologia do acolhimento e do diálogo, do discernimento e da misericórdia', segundo o papa Francisco

    LER MAIS
  • Usada por Moro e Dallagnol, tese de alteração das mensagens está cada vez mais fraca

    LER MAIS
  • “Quem disser ‘amo a Deus’, mas odeia o irmão, é mentiroso”. Entrevista com Leonardo Boff

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

29 Maio 2017

“Expulsem os seminaristas que falam mal dos outros.” Palavras poderosas do papa ao clero e aos religiosos de Gênova. Como sempre, proferidas contra aquela que, provavelmente, é a primeira doença da Igreja: a maledicência, a fofoca. “Crie corvos, e eles lhe comerão os olhos”, lembrou Francisco.

A reportagem é de Paolo Rodari, publicada por La Repubblica, 27-05-2017. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Um ditado antigo que foi repetido pelo papa na manhã desse sábado na catedral de Gênova. Francisco voltou a condenar o hábito de falar mal dos outros generalizado na Igreja, chegando, pela primeira vez, a exortar a que se expulsem os seminaristas que falam mal dos seus companheiros para colocá-los em maus lençóis.

“No seminário, se você os criar – explicou –, depois eles destruirão qualquer fraternidade no presbitério. Há muitas provas disso. Depois, vemos isso nas relações entre pároco e vice-pároco.”

O convite do papa é a “recuperar o sentido da fraternidade: é algo muito sério”, explicou. “Nós, padres, não somos o Senhor, somos os discípulos e devemos nos ajudar, brigar também, porque, se há discussão, há liberdade, confiança, fraternidade”.

A calúnia é uma doença presente na Igreja desde sempre. E, nos últimos anos, especialmente com o surgimento dos escândalos que atingiram o Vaticano, ela mostrou toda a sua força. Francisco já a havia condenado no longo discurso à Cúria Romana de 2014, quando listou as 15 doenças da Cúria. Entre estas, a doença das fofocas e dos boatos.

Ele disse: “Ela acaba por se apoderar da pessoa fazendo dela uma ‘semeadora de cizânia’ (como Satanás) e, em muitos casos, ‘homicida a sangue frio’ da fama dos próprios colegas e coirmãos. É a doença das pessoas velhacas que, não tendo a coragem de dizer diretamente, falam pelas costas... Cuidemo-nos do terrorismo das fofocas!”.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Papa em Gênova contra as calúnias na Igreja: “Expulsem os seminaristas que falam mal dos outros” - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV