Colômbia. Município de Cajamarca vota contra projeto de mineração

Revista ihu on-line

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Mais Lidos

  • “O que acumulamos e desperdiçamos é o pão dos pobres”, afirma o papa Francisco em carta à FAO

    LER MAIS
  • Metade dos brasileiros vive com R$ 413 mensais

    LER MAIS
  • Desigualdade entre ricos e pobres é a mais alta registrada no Brasil

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

Por: João Flores da Cunha | 28 Março 2017

A população de Cajamarca, cidade do estado de Tolima, na Colômbia, rejeitou em consulta popular realizada no dia 26-3 um projeto de extração de ouro que seria instalado no município. O resultado da votação foi contundente: 97,9% dos votos foram contrários ao empreendimento.

De acordo com ambientalistas contrários ao projeto de mineração a céu aberto, ele ameaçaria os recursos hídricos da região de Tolima. Um dos lemas da campanha contra o empreendimento foi “Sem ouro se vive, sem água se morre”.

6.165 pessoas rejeitaram o projeto, e apenas 76 (1,2%) foram favoráveis a ele. A cidade tem cerca de 20 mil habitantes, e 16.312 pessoas estavam habilitadas a votar.

A empresa sul-africana de mineração de ouro AngloGold Ashanti tem uma concessão do Estado colombiano que lhe permite explorar uma mina em Cajamarca. Intitulado La Colosa, é um dos maiores projetos de mineração do país, e poderia se converter em uma das maiores minas de ouro da América do Sul.

Após a derrota na consulta, a AngloGold Colômbia afirmou em comunicado divulgado em seu site respeitar “os mecanismos de participação cidadã e seus resultados”. A empresa também lamentou “que por conta de um debate mal colocado sobre a mineração na Colômbia, ponha-se em risco que o país e a região recebam os benefícios da mineração bem-feita e responsável”.

A população foi perguntada se estaria de acordo com a execução de projetos e atividades mineiras na cidade. Embora a campanha tenha tido como enfoque a mina de ouro da AngloGold, o resultado da consulta também veta outros projetos, desde que as autoridades locais mantenham a vontade expressada pela população.

O ministro de Minas e Energia do país, Germán Arce Zapata, matizou as implicações legais da consulta. “6.100 pessoas que votaram em Cajamarca não têm capacidade de romper o Estado social de direito”, afirmou à BLURadio, cadeia local de rádio.

Ele reconheceu o “caráter político” da decisão da população local, mas notou que as autoridades de Cajamarca poderiam revertê-la. O ministro enfatizou que a consulta não tem valor retroativo, e não se aplica para outras áreas do país. Também alertou para os problemas gerados pela mineração ilegal, sugerindo que a rejeição do projeto da AngloGold abre caminho para esse tipo de mineração.

A fala do ministro gerou reações na Colômbia. O senador Iván Cepeda afirmou, por meio do Twitter, que “após derrota contundente em consulta de Cajamarca, o governo e a Anglo Gold Ashanti querem burlar o resultado e impor catástrofe mineira”. Após a divulgação dos números da votação, ele havia declarado que “Cajamarca é o novo nome da dignidade e da soberania do nosso povo”.

Leia mais:

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Colômbia. Município de Cajamarca vota contra projeto de mineração - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV