“Já está na hora de nós, como australianos, enfrentarmos Roma”

Revista ihu on-line

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Mais Lidos

  • Necropolítica Bacurau

    LER MAIS
  • 23 razões para participar da Greve Climática desta sexta-feira

    LER MAIS
  • Às leitoras e aos leitores

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

14 Fevereiro 2017

Corajoso depoimento da psicóloga Michelle Mulvihill, na fase final da Real Comissão australiana sobre pedofilia na Igreja. “Já está na hora de nós, como australianos, enfrentarmos Roma e dizermos: “Não somos uma pequena Roma, não somos uma pequena Itália”. Somos australianos e na Austrália acreditamos na justiça”, disse esta especialista na audiência desta terça-feira.

A reportagem é de Cameron Doody, publicada por Religión Digital, 12-02-2017. A tradução é do Cepat.

“Já está na hora de todos nós alcançarmos justiça. Já está na hora das vítimas alcançarem justiça”, clamou Mulvihill, uma ex-freira que foi até a Comissão para dar conta do que qualificou como “a corrupção e abuso sistemático” na Igreja, em tudo o que diz respeito ao abuso sexual contra menores.

Quando, na sessão, perguntaram sua opinião a respeito dos elementos na governança e estruturas da Igreja que permitem que floresçam as agressões, Mulvihill afirmou: “Tudo se trata de poder, não é verdade? Todos os caminhos conduzem a Roma. Trata-se de quem está no comando”.

E a respeito do que é necessário mudar na Igreja para que estes crimes não voltem a se repetir, a especialista acrescentou:

“Temos que mudar o equilíbrio de poder. Quantas mulheres se envolvem com um lugar, um lugar misógino, onde lhes é dito: “Você não pertence a este espaço. Se quiser, te damos um trabalho. Pode arrumar as flores”.

“E que tal se a Igreja habilitasse, o mais rápido possível, alguns espaços dignos para discussões e conversas? Vejam, a dignidade foi atacada em todos os níveis, desde a de uma criança, de quem roubaram a inocência, até a dos fiéis comuns.

“Se é que somos a Igreja, pois o que estamos fazendo: por que não estamos derrubando as barricadas e dizendo à Real Comissão e a todos os que queiram escutar: “Não suportaremos que isto volte a acontecer?”.

É que para mudar a cultura de insensibilidade na Igreja australiana, no tocante aos abusos, há uma parte da história que ainda resta a esclarecer: o legado do cardeal Pell. A isso apontaram, ao menos, dois outros especialistas que apareceram na mesma sessão de Mulvihill, nesta terça-feira: Neil Ormerod, professor de teologia na Universidade Católica da Austrália, e Francis Moloney, acadêmico do Colégio Teológico Católico.

Por sua parte, Ormerod testemunhou que o agora Prefeito para a Secretaria de Economia da Santa Sé foi o responsável, durante seu tempo como arcebispo de Sydney, em inícios da última década, por reintroduzir na Igreja australiana uma cultura de clericalismo reacionário.

Moloney, por sua vez, qualificou a política de Pell, no que diz respeito à formação de seminaristas, como “uma guinada à direita”, que ainda não foi superada. Na avaliação deste professor, o retorno a um clericalismo “dos anos 1940 e 1950” estabelece uma “ligação indireta bastante perigosa” com o abuso sexual infantil e o acobertamento deste tipo de crime, dado que este clericalismo fomenta a ideia “de uma casta separada (a do clero) que não precisa prestar contas a ninguém, a não ser seus pares”.

“O antigo sistema já voltou para se instalar”, prosseguiu Moloney, referindo-se à cultura de um clericalismo retrógrado auspiciada por Pell. “Isso é o que enfrentamos. Retrocedemos”.

Já, por outro lado, os dois acadêmicos Ormerod e Moloney concordaram em seus depoimentos com a opinião de Mulvihill que para que as coisas mudem para melhor na Igreja australiana, é preciso contar com mais mulheres em posições de verdadeira responsabilidade. Isso até a história demonstra, tal e como explicou Ormerod em relação à Arquidiocese de Adelaide, cidade que experimentou a menor taxa de abusos contra menores do país:

“Nós, que conhecemos a história de Adelaide, sabemos que quando Leonard Faulkner foi nomeado arcebispo, em 1985, perguntaram-lhe se queria um bispo auxiliar e ele disse que não, e estabeleceu, por sua vez, uma equipe pastoral que incluía um número de mulheres”. Tratou-se de uma novidade em nível nacional, precisou o teólogo – a de que as mulheres pudessem, pela primeira vez, ser vigárias episcopais –, que fez com que houvesse “uma diferença cultural significativa nessa diocese em comparação a todas as demais na Austrália”.

Desse modo, o cardeal Pell voltará a Austrália? Não só para prestar contas à Real Comissão por seu suposto acobertamento de casos pontuais de sacerdotes abusadores, mas para explicar por que instalou na Igreja australiana uma cultura clerical e machista, quase sinônimo de cultura de abusos? Ainda há esperanças, já que o Senado australiano acaba de apoiar, nesta quarta-feira, uma moção que solicita ao purpurado seu retorno ao país. Nas palavras da senadora do Partido Verde, Rachel Siewart, que moveu a moção: “O cardeal Pell teve êxito em seu empenho de evitar retornar à Austrália. Peço ao cardeal que considere a petição do Senado e que volte à Austrália o quanto antes”.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

“Já está na hora de nós, como australianos, enfrentarmos Roma” - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV