“Muitos se tornam padres para ter um nível de vida melhor, dignidade ou categoria”, constata teólogo

Revista ihu on-line

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Mais Lidos

  • Vandana Shiva: “Temos de destruir o mito de que a tecnologia é uma religião que não pode ser questionada”

    LER MAIS
  • III Jornada Mundial dos Pobres: o papa almoçará com 1500 convidados

    LER MAIS
  • “Em um Brasil deserto de lideranças, Lula vai fazer a festa”, afirma o cientista político Jairo Nicolau

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

31 Janeiro 2017

"Será que ainda não chegou a hora de modificar a atual legislação canônica, para recuperar as surpreendentes intuições organizativas que a Igreja viveu nas suas origens?", pergunta José María Castillo, teólogo espanhol, em artigo publicado por Religión Digital, 29-01-2017. A tradução é de André Langer.

Eis o artigo.

Do jeito que as coisas aconteceram, no momento em que vivemos, o futuro da Igreja dá o que pensar. Porque dá a impressão de que a Igreja, assim como está organizada e como funciona, tem cada dia menos presença na sociedade, menos influxo na vida das pessoas e, portanto, um futuro bastante problemático e muito incerto.

Cada dia há menos sacerdotes, cada semana ficamos sabendo de conventos que fecharam para se transformarem em hotéis, residências ou monumentos meio arruinados. A progressiva diminuição nas práticas sacramentais é alarmante. Mais da metade das paróquias católicas de todo o mundo não tem pároco ou o tem apenas nominalmente, mas não de fato.

Há poucos dias, o Papa Francisco dizia em uma entrevista: “O clericalismo é o pior mal que a Igreja pode ter, quando o pastor se torna um funcionário”. E é verdade que há padres que entraram no seminário ou foram a um convento, porque não queriam passar a vida como uns “Zé Ninguém” que não têm nenhuma importância na vida. Isto acontece mais do que imaginamos.

Mas, embora se trate de pessoas generosas e decentes, como não vão acabar sendo meros “funcionários” indivíduos que, para cumprir com suas obrigações, têm que ir de um lado para o outro, sempre com pressa, sem poder atender de maneira tranquila a ninguém? E conste que me limito a recordar apenas esta causa de que na Igreja haja tantos “clérigos funcionários”.

Não quero entrar na raiz profunda do problema, que não é outra senão a quantidade de indivíduos que se fazem padres porque, no fundo, o que querem é ter um nível de vida, uma dignidade ou uma categoria que não correspondem nem com o projeto de vida que nos é apresentado pelo Evangelho, nem com o que deles espera e necessita a Igreja.

Além disso – e isto é o mais importante –, é a Igreja uma mera empresa de “serviços religiosos”? Como pode a Igreja ser isso se pretende manter viva a memória de Jesus de Nazaré, que foi assassinado pelos homens do sacerdócio e do Templo, os mais estritos representantes dos “serviços religiosos”?

Já sei que estas perguntas nos trazem um problema que a teologia cristã não resolveu. Mas, há coisas que a Igreja tinha muito claro, em tempos já muito distantes, e que hoje seria muito bom recuperar. Refiro-me concretamente a dois assuntos capitais: a “vocação” ao ministério pastoral e a “perpetuidade” deste ministério.

A vocação. Entende-se por “vocação” um “chamamento”, um chamado. Por isso dizemos que vai ao seminário ou entra no noviciado quem se sente “chamado” para isso. Mas, chamado por quem? Há séculos se vem dizendo que o bispo “ordena sacerdote” a quem é “chamado por Deus”. Mas é claro que ocorreria a qualquer um perguntar: e por que será que agora ocorre a Deus chamar menos pessoas precisamente nos países mais necessitados de bons párocos, teólogos, etc.? Não. Hoje, não há quem acredite no fato de que a vocação é um chamado de Deus. Então...?

O melhor historiador da teologia da Igreja, Yves Congar, publicou em 1966 um memorável estudo (Rev. Sc. Phil. y Théol. 50, 169-197) documentado até o último detalhe, no qual ficou demonstrado que a Igreja, desde as suas origens até o século XIII, não ordenava (sacerdote ou bispo) quem queria ser ordenado e alcançar a dignidade que isso levava consigo, mas a quem não queria.

A vocação não era vista como um chamamento de Deus, mas da comunidade cristã, que escolhia e nomeava a quem a assembleia considerava o mais capacitado para o cargo. É o que se vinha fazendo nas primeiras “igrejas” já desde a missão de Paulo e Barnabé, que designavam “votando com a mão levantada” ("cheirotonésantes") (At 14, 23) os ministros de cada comunidade.

Será que ainda não chegou a hora de modificar a atual legislação canônica, para recuperar as surpreendentes intuições organizativas que a Igreja viveu nas suas origens?

A perpetuidade. Desde a Idade Média tardia vem se repetindo na teologia que o sacramento da ordem “imprime caráter”, um “sinal espiritual e indelével”, que marca o sujeito para sempre (Trento, ses. VII, cânon 9. DH 1609). O concílio quis, neste caso, definir uma “doutrina ou dogma de fé”. Porque o tema do “caráter” foi introduzido na teologia pelos escolásticos do século XII. E, em definitiva, a única coisa que se via como certa é que há três sacramentos – batismo, confirmação e ordem –, que só podem ser administrados uma vez na vida, ou seja, são irrepetíveis, como indica o citado cânon de Trento.

O importante aqui é saber que durante o primeiro milênio a Igreja ensinou e praticou de maneira insistente o que repetiram e exigiram os concílios e sínodos de toda a Europa. A saber: os clérigos, inclusive os bispos, que cometiam determinadas faltas ou escândalos (detalhados pelos concílios), eram expulsos do clero, eram privados do ministério, perdiam os poderes conferidos pela ordenação sacerdotal e, em consequência, ficavam reduzidos à condição de leigos.

Este critério se repetiu tantas vezes, durante mais de 10 séculos, que a Igreja se comportava, naqueles tempos, como qualquer outra instituição que se propõe ser exemplar. Os responsáveis, que não são exemplares, não são transferidos para outras cidades ou trancados em um convento. Eram postos com os pés na rua. E que se busquem a vida, como qualquer outro funcionário, que não cumpre com suas obrigações.

Se a Igreja quer realmente acabar com os clérigos funcionários e com os clérigos escandalosos não pode depender dos juízes e tribunais civis. A própria Igreja deve tirar a chamada “dignidade sacerdotal” aos “inescrupulosos”, aos “espertinhos”, aos “aproveitadores”, que se servem da fé em Deus, da memória de Jesus e de seu Evangelho, para desfrutar de um respeito ou de uma dignidade que, na realidade, não tem nem merecem.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

“Muitos se tornam padres para ter um nível de vida melhor, dignidade ou categoria”, constata teólogo - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV