Brasileiro pode empobrecer por 4 anos consecutivos pela primeira vez

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • Papa Francisco condena perseguição antigay e está preocupado com “cura gay”

    LER MAIS
  • Opositores do papa: continuem assim

    LER MAIS
  • Católicos e anglicanos - Trabalhar juntos para bem da humanidade, diz secretário do Vaticano

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

05 Dezembro 2016

A renda média do brasileiro corre o risco de cair por inéditos quatro anos consecutivos se o crescimento do país em 2017 for muito baixo.

Segundo projeção do Bradesco, a economia deverá se expandir 0,3% no ano que vem. Caso esse cenário se concretize, o PIB per capita encolherá perto de 0,5%, de estimados R$ 28.064, em 2016, para R$ 27.934, em 2017 (descontada a inflação). O cálculo da instituição considera um aumento de 0,8% da população no próximo ano.

A reportagem é de Érica Fraga, publicada por Folha de S. Paulo, 05-12-2016.

A renda per capita é considerada medida importante da trajetória de prosperidade ou empobrecimento de um país por mostrar o quanto sua produção evolui em relação ao número de habitantes.

O PIB pode crescer a um ritmo que parece elevado, mas que, na prática, é insuficiente para aumentar a riqueza média da população, caso ela esteja se expandindo ainda mais rapidamente.

Em 2014, a economia teve crescimento modesto de 0,5%, mas o PIB per capita encolheu 0,4% por causa da expansão populacional de 0,9%.

Desde então, com a recessão, a renda média vem encolhendo mais de 4% ao ano.

A expectativa era que essa tendência fosse revertida em 2017, com uma expansão da economia próxima a 1%.

Mas indicadores recentes mostram que a saída da recessão deve ser mais lenta do que o esperado, o que pode fazer o PIB crescer menos e levar a uma nova contração da renda por habitante.

Segundo os dados do Bradesco, se isso ocorrer, será a primeira queda do PIB per capita por quatro anos seguidos desde, pelo menos, 1901, com um recuo total de 9,5% no período (descontada a inflação).

Esse resultado ainda seria menor que a diminuição de 12,6% da renda média do brasileiro durante a recessão que se estendeu entre 1981 e 1983.

Sensação pior

Mas a sensação negativa da crise atual para a população pode estar sendo mais intensa porque o recuo da renda foi acompanhado por um salto forte e rápido do desemprego.

Entre 1981 e 1983, a taxa de desocupação passou de 5,6% para 6,4%, ante um aumento de 6,8% para 11,8% nos últimos dois anos.

"Tivemos um aumento significativo da parcela da população economicamente ativa que simplesmente deixou de receber salário, o que é ainda pior que ganhar relativamente menos", diz Igor Velecico, economista do Bradesco.

Para José Márcio Camargo, professor da PUC-Rio e economista-chefe da Opus Investimentos, o grande aumento da desocupação em um período muito curto de tempo é, em parte, explicado pela subida contínua do salário mínimo nos últimos 15 anos.

"O mínimo ficou muito alto em comparação à renda média do país. Isso tem reduzido ainda mais a demanda por trabalho, empurrando as pessoas para o desemprego ou a informalidade", diz.

Outros dados

Além de a oscilação do PIB per capita ser um indicador importante, seu patamar em termos absolutos possui ligação com medidas de desenvolvimento, como a qualidade da educação e da saúde.

Mas há outros dados que precisam ser considerados. O Brasil, por exemplo, tem um nível de renda considerado médio, mas um grau de desigualdade ainda alto entre as pessoas.

Essa disparidade caiu na última década, mas a crise praticamente freou esse processo.

Segundo o economista Marcelo Neri, professor da FGV, o brasileiro está devolvendo parte dos ganhos de renda que teve nos anos anteriores à recessão.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Brasileiro pode empobrecer por 4 anos consecutivos pela primeira vez - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV