Colômbia. General é condenado a 30 anos de prisão por assassinato de candidato à presidência

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • Papa Francisco condena perseguição antigay e está preocupado com “cura gay”

    LER MAIS
  • Católicos e anglicanos - Trabalhar juntos para bem da humanidade, diz secretário do Vaticano

    LER MAIS
  • Opositores do papa: continuem assim

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

Por: João Flores da Cunha | 02 Dezembro 2016

O general Miguel Maza Márquez foi condenado pela Suprema Corte da Colômbia a cumprir 30 anos de prisão por sua participação no assassinato, ocorrido em 1989, do candidato à presidência da Colômbia Luis Carlos Galán. Maza era o responsável pela segurança de Galán e facilitou o homicídio, que foi encomendado pelo narcotraficante Pablo Escobar, chefe do cartel de Medellín. A sentença foi emitida no dia 24-11.

Maza, general aposentado do Exército colombiano, era diretor do Departamento Administrativo de Segurança – DAS à época do crime, que ocorreu em meio a um evento de campanha de Galán na cidade de Soacha, próxima a Bogotá. Ele foi condenado pela Suprema Corte como coautor dos delitos de conluio para delinquir e de homicídio com fins terroristas.

O general fez parte do plano para assassinar o candidato à presidência, de acordo com a sentença. Ele enfraqueceu deliberadamente a segurança de Galán de modo a permitir que ele fosse morto. O chefe da segurança do político, apontado por Maza, permitiu que Galán realizasse um evento em uma praça pública, o que o transformou em um alvo fácil. Investigações revelaram que o crime foi resultado de uma ordem direta de Pablo Escobar, chefe do cartel de Medellín, em um acordo com paramilitares e um adversário político de Galán.

Maza foi considerado responsável ainda pelos assassinatos de um guarda-costas e de um vereador, que também morreram no atentado. O general já estava em prisão preventiva desde 2013.

Galán era o favorito para vencer a eleição presidencial de 1990. Ele sofreu inúmeras ameaças de morte por conta de sua linha-dura no combate ao tráfico. O político vinha denunciando o poder cada vez maior dos narcotraficantes no país, e defendia a extradição para os Estados Unidos dos barões da droga colombianos.

O homicídio do candidato ocorreu no auge da violência provocada pelo narcotráfico e por grupos paramilitares na Colômbia. Além de Galán, outros três aspirantes à presidência foram assassinados naquele ciclo eleitoral.

César Gaviria, que concorreu como herdeiro político de Galán, foi eleito e se viu obrigado a negociar com o cartel de Medellín. Ele promulgou uma nova constituição da Colômbia, que impediu a extradição de Pablo Escobar e de outros narcotraficantes.

O general ofereceu a versão de que a mudança na segurança teria sido pedida por Galán, o que estaria relacionado a uma mulher com quem o político estaria traindo sua esposa. A história foi rechaçada pela família de Galán. Não há pena perpétua na Colômbia, mas a pena de 30 anos dada a Maza praticamente o condena a passar seus últimos dias na cadeia. Ele tem 79 anos.

Leia mais:

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Colômbia. General é condenado a 30 anos de prisão por assassinato de candidato à presidência - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV