Snowden - Herói ou traidor

Revista ihu on-line

Sistema público e universal de saúde – Aos 30 anos, o desafio de combater o desmonte do SUS

Edição: 526

Leia mais

Karl Marx, 200 anos - Entre o ambiente fabril e o mundo neural de redes e conexões

Edição: 525

Leia mais

Junho de 2013 – Cinco Anos depois.Demanda de uma radicalização democrática nunca realizada

Edição: 524

Leia mais

Sistema público e universal de saúde – Aos 30 anos, o desafio de combater o desmonte do SUS

Edição: 526

Leia mais

Karl Marx, 200 anos - Entre o ambiente fabril e o mundo neural de redes e conexões

Edição: 525

Leia mais

Junho de 2013 – Cinco Anos depois.Demanda de uma radicalização democrática nunca realizada

Edição: 524

Leia mais

Mais Lidos

  • Aumenta a pobreza e a extrema pobreza no Brasil

    LER MAIS
  • Força-tarefa resgata 86 pessoas de trabalho escravo em fazenda no interior de Goiás

    LER MAIS
  • Qual o papel da mediocridade no fascismo que emerge no Brasil?

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

18 Novembro 2016

"Obra de ficção, a cinebiografia Snowden – Heroi ou Traidor, de Oliver Stone, dialoga de diversas maneiras com o documentário Citizenfour, de Laura Poitras, – e não só porque recria a feitura daquele filme, vencedor do Oscar de sua categoria em 2015", escreve Neusa Barbosa em artigo publicado por Cineweb, 03-11-2016. 

Eis o artigo. 

Na verdade, o trabalho de Stone funciona como um complemento àquele documentário, retratando, com algumas licenças poéticas, os antecedentes, bastidores e consequências de um mesmo evento central – a denúncia pública, por Snowden (Joseph Gordon-Levitt), um ex-funcionário da CIA e da NSA (Agência Nacional de Segurança dos EUA), de mecanismos de espionagem em escala planetária ao jornalista Glenn Greenwald (Zachary Quinto) e à cineasta Laura Poitras (Melissa Leo), num hotel em Hong Kong.

Por mais que se conheça o marcante episódio, que transformou Snowden num fugitivo das autoridades norte-americanas e refugiado na Rússia, o filme mantém o interesse justamente por preencher as lacunas que o documentário não aborda e não teria mesmo razões para abordar. Ou seja, parte da vida pregressa de Snowden como soldado do Exército, sendo ótimo em pontaria mas fraco em quase tudo o mais – especialmente por conta da fragilidade de seus ossos, decisiva para sua mudança de carreira.

Querendo servir seu país de outro modo, o jovem mostra talento para análise e programação de sistemas, tornando-se cobiçado por chefes ou instrutores como Hank Forrester (Nicolas Cage) e Corbin O’Brian – este um nome retirado por Oliver Stone do livro 1984, de George Orwell -, interpretado por Rhys Ifans. Nestes mentores na CIA e NSA é que Stone e seu roteirista, Kieran Fitzgerald, injetaram maiores doses de ficcionalização, fundindo diversas pessoas.

Carreira ascendente, Snowden só tem olhos praticamente para o seu trabalho e para sua namorada, Lindsay (Shailene Woodley) – que, a julgar pelo filme, é a primeira a injetar noções progressistas no espírito um tanto conservador do namorado, que vem de uma família de militares e funcionários públicos federais.

A personagem feminina, na verdade, mostra-se um tanto ingênua, por vezes até irritante – um recurso que o diretor usa para humanizar seu protagonista, que é um bocado nerd, mas introduz, assim mesmo, uma nota dissonante que nem sempre se ajusta ao tom sóbrio geral.

No modo envolvente como retrata as façanhas de Snowden como inventor de programas, em tese destinados à segurança mundial contra o terrorismo mas afinal sendo desviados para a espionagem indiscriminada, é que o filme se sai melhor, conseguindo driblar a aridez deste ambiente com momentos de genuína tensão – como na sequência que mostra como Snowden copiou, num pendrive, as informações ultrassecretas que depois divulgou ao mundo e em que também a licença poética dá um molho.

Sempre se pretendendo uma ficção, o filme não perde de vista sua ligação com a realidade – como a espionagem de líderes mundiais, como a alemã Angela Merkel e a brasileira Dilma Rousseff, cujas imagens aparecem no filme. Barack Obama também é visto mais de uma vez em trechos de noticiários, e não de forma favorável – assim como a atual candidata democrata, Hillary Clinton, mais ouvida do que vista, de relance. Mas a maior tomada de posição e busca de legitimidade do filme é mesmo a aparição do próprio Snowden, filmado na Rússia, na sequência final.

Neusa Barbosa

Sinopse

Parte de uma família de militares e funcionários federais, Edward Snowden sonha servir os EUA tornando-se soldado. Sua saúde frágil corta sua carreira militar e ele se torna analista de sistemas, trabalhando para a CIA e a NSA. No entanto, seu idealismo é posto à prova quando ele descobre que seu trabalho serve não apenas para rastrear terroristas e sim para espionar todo e qualquer cidadão, nos EUA ou fora dele. E decide denunciar tudo isso.

Ficha técnica

* Nome: Snowden - Herói ou traidor

* Nome Original: Snowden

* Cor filmagem: Colorida

* Origem: Alemanha

* Ano de produção: 2016 * Gênero: Drama

* Duração: 134 min

* Classificação: 12 anos

* Direção: Oliver Stone

* Elenco: Joseph Gordon-Levitt, Zachary Quinto, Melissa Leo, Nicolas Cage, Shailene Woodley

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Snowden - Herói ou traidor - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV