"Os católicos vão colaborar com o novo presidente, com base em um diálogo franco e aberto." Entrevista com Dom Blase Cupich

Revista ihu on-line

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Mais Lidos

  • Vandana Shiva: “Temos de destruir o mito de que a tecnologia é uma religião que não pode ser questionada”

    LER MAIS
  • III Jornada Mundial dos Pobres: o papa almoçará com 1500 convidados

    LER MAIS
  • “Em um Brasil deserto de lideranças, Lula vai fazer a festa”, afirma o cientista político Jairo Nicolau

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

12 Novembro 2016

A eleição de Trump? "O espírito da democracia nos Estados Unidos não vai sofrer nenhuma reação. É necessário trabalhar com o governo com respeito, mas também com diálogo." Blase Cupich, arcebispo de Chicago e próximo cardeal no consistório do dia 20 de novembro, tem poucas dúvidas sobre a questão. "Vai ser o diálogo que vai caracterizar as relações com os católicos. Um diálogo franco, leal e aberto."

A reportagem é de Franca Giansoldati, publicada no jornal Il Messaggero, 11-11-2016. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Eis a entrevista.

Em uma declaração divulgada nessa quinta-feira pela sua diocese, o senhor convidou a rezar para iluminar Trump para que ele possa estar a serviço de todos. Também acrescentou que o senhor vai rezar pelos democratas para que possam continuar participando na democracia que requer um trabalho comum e respeitoso. Está preocupado com o futuro?

Nem um pouco. Eu escrevi esse comunicado vários dias antes da votação. Ele está estruturado em uma fórmula tal que continua sendo válido tanto no caso de vitória de Clinton quanto de Trump. É preciso buscar o bem comum. Todos nós somos detentores dos ideais americanos de justiça para todos, de igualdade, de fraternidade e de busca da paz entre as nações.

Há muitos pontos nos quais a Igreja não está em sintonia com Trump. Por exemplo, os imigrantes. O papa também o havia criticado

Mas, depois, ele também retificou sua posição, esclarecendo melhor o seu pensamento. As relações não sofreram abalos. Sobre a questão da imigração, há diversos pontos, tanto com democratas quanto com os republicanos, que não estão em sintonia com a Igreja. Os católicos, porém, têm uma voz.

Eles se farão ouvir?

Participarão na vida do Estado.

Com Trump, vocês vão encontrar um campo comum na questão do gênero. Para um católico, é mais importante essa batalha ou as questões sociais?

Eu acho que a escolha é equivocada. É necessário um projeto sobre todas as questões. Não se pode descompactar uma visão. É por isso que nós, católicos, falaremos com uma única voz.

Leia mais:

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

"Os católicos vão colaborar com o novo presidente, com base em um diálogo franco e aberto." Entrevista com Dom Blase Cupich - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV