Eleição dos EUA e Vaticano: os cardeais que torcem por Trump

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • "Nunca, nunca encobrir a realidade. Dizer sempre: 'É assim'”. Papa Francisco recebe a redação da revista jesuíta Aggiornamenti Sociali

    LER MAIS
  • O aumento da pobreza na América Latina submergente

    LER MAIS
  • Um estranho casamento: neoliberalismo e nacionalismo de direita

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

12 Novembro 2016

O Vaticano tinha escolhido a estratégia do "mal menor". E, no fim, parecia tão resignado à vitória de Hillary Rodham Clinton a ponto de pensar nela como a candidata menos indesejável: embora, talvez, não acreditasse nela até o fim. Donald Trump era considerado "não votável" por causa das revelações sobre o seu machismo agressivo, que se somava às ameaças de deportar para o outro lado da fronteira 11 milhões de mexicanos, de impedir a entrada de islâmicos nos EUA: coisas já arquivadas.

A reportagem é do jornal Corriere della Sera, 10-11-2016. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Em vez disso, o suposto "mal maior" Trump emergiu pelo furor popular como o novo inquilino da Casa Branca, confirmando um Estados Unidos irritado e radicalizado. E, para a Santa Sé, trata-se de uma derrota amarga: cultural, antes que política. Dentre outras coisas, é o sinal de que a Igreja Católica não tinha captado os movimentos mais profundos em curso no maior país ocidental.

O "homem do muro"

A cautela oficial e as palavras de felicitações dirigidas ao novo presidente pelo secretário de Estado vaticano, cardeal Pietro Parolin, foram necessárias e exemplares. Mas são acompanhadas por uma preocupação palpável. É preciso dizer que também teria sido uma derrota se Clinton tivesse vencido, considerada como um bastião do laicismo mais ideológico e indigesto à hierarquia eclesiástica.

Mas Trump é simbolicamente "o homem do muro" com o México. É o porta-voz da precipitada associação Islã-terrorismo. Mais ainda, ele venceu depois de ter se apresentado como barreira "branca" contra a invasão demográfica dos imigrantes latino-americanos, dos quais o papa argentino Francisco é o sumo protetor.

Assim, em Roma, ele foi percebido e retratado como uma espécie de antipapa, para além dos seus méritos e deméritos. Ele mesmo, além disso, escolheu esse papel quando, no dia 18 de fevereiro, acusou Jorge Mario Bergoglio de ser "um agente do governo mexicano para a imigração". O papa voltava de uma viagem à fronteira entre o México e os EUA, onde celebrou uma missa justamente no lado "pobre". E reagiu com uma dureza incomum. "Quem pensa que é preciso construir muros e não pontes", proferiu, "não é cristão."

As palavras de Francisco

"Ninguém sabe o que restou na alma de Trump depois das palavras do Santo Padre...", admite um influente cardeal italiano. Na época, o candidato republicano respondeu grosseiramente. Hoje, aquela pergunta repercute na Roma papal, porque o "cristão não cristão" Trump, a partir do dia 20 de janeiro, estará na Casa Branca.

A sua "cultura dos muros" e a islamofobia ameaçam legitimar todos os populismos; e, acima de tudo, abrir caminho nos círculos católicos mais conservadores, que desconfiam dos tons inclusivos de Bergoglio em relação aos divorciados e aos homossexuais e à defesa dos migrantes.

Não é por acaso que, no dia 22 de setembro passado, Trump, protestante presbiteriano, publicou uma lista de "33 católicos conservadores" como conselheiros eleitorais: era uma isca eleitoral.

O bispo de Nova York: campanha repugnante

O arcebispo de Nova York, Timothy Dolan, definiu a campanha presidencial como "repugnante", embora convidasse os católicos a não se abster. E o episcopado estadunidense se manteve em uma posição de equidistância formal, que soou como um distanciamento de ambos os candidatos; mas, no fim, ele pareceu estar desorientado.

Nas dobras escuras das pesquisas, cresceu silenciosamente um "partido de Trump" afeiçoado ao lema "Deus, Pátria, família e armas", caro aos Estados Unidos profundos e apoiado por partes de organizações católicas poderosas como os Cavaleiros de Colombo, por ser contrário ao aborto e às uniões gays.

Alas pró-Trump

Por fim, no Vaticano também se falava, em voz baixa, da existência de alas da Cúria fascinadas por Trump, em oposição à "laicista Hillary" e como inimigo de um establishment apodrecido pelo poder. Trata-se de setores minoritários, mas que agora se sentem fortalecidos.

O líder é o cardeal Raymond Leo Burke, crítico duro das aberturas de Bergoglio: Burke já abençoou o novo presidente como "defensor dos valores da Igreja". Mas, por trás dele, adivinham-se bênçãos invisíveis de cardeais e bispos de peso, inclinados desde sempre pela "sacralidade da vida": "guerreiros culturais" contra o Partido Democrata de Barack Obama e dos Clinton.

Luta contra o aborto

A luta contra o aborto é um dos pontos de encontro entre Trump e o episcopado católico estadunidense, que teme uma Suprema Corte e uma legislação progressistas demais. Além disso, poderia emergir uma sintonia com Francisco, se se confirmar uma política mais conciliatória com a Rússia de Putin, que o Vaticano considera um aliado no Oriente Médio e nas relações com o mundo ortodoxo.

No fundo, no entanto, a verdadeira incógnita para Bergoglio continua sendo o Ocidente e a sua metamorfose cultural. "Acreditamos que poucos bispos votaram em Trump", explica um profundo conhecedor dos EUA na Santa Sé. "O problema é que muitos católicos votaram nele."

O voto e a estratégia de Bergoglio

Isso significa evocar uma opinião pública atravessada por pulsões que vão na direção oposta à indicada por Francisco: na América e na Europa, onde a categoria do populismo deve ser conjugada com menos suficiência, porque envolve também pessoas que não são populistas. Há quem preveja que, se Bergoglio não recalibrar a estratégia, no próximo conclave, poderá despontar um papa ultraconservador.

O texano com chapéu de caubói e crucifixo no pescoço, feliz com a eleição de Trump, que, na quarta-feira, 8 de novembro, foi entrevistado pela mídia estadunidense na audiência na Praça de São Pedro, não era uma anomalia. Era o emblema de um paradoxo destinado a sacudir a Igreja de Francisco.

Leia mais:

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Eleição dos EUA e Vaticano: os cardeais que torcem por Trump - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV