Encontro Mundial de Movimentos populares. No painel Território e Natureza insiste-se no cuidado da Casa Comum

Revista ihu on-line

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Mais Lidos

  • Aumento da miséria extrema, informalidade e desigualdade marcam os dois anos da Reforma Trabalhista

    LER MAIS
  • Hospitalidade eucarística: “A decisão passa agora para a Conferência Episcopal”

    LER MAIS
  • Mais um golpe... em nome de Deus

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

04 Novembro 2016

O segundo dia de trabalho do 3º Encontro Mundial dos Movimentos Populares começou com um reconhecimento e uma homenagem a todas as pessoas que perderam a vida em suas lutas e justas causas. Neste sentido, esteve muito presente a ativista Berta Cáceres, assassinada por sua defesa do meio ambiente em Honduras e que participou da primeira edição deste encontro. Ato contínuo, começou o painel Território e Natureza.

A reportagem é publicada por Encuentro Mundial de Movimientos Populares, 03-11-2016. A tradução é de André Langer.

Participaram deste painel a Dra. Vandana Shiva, da Navdanya Trust (Índia); Rosalina Tuyuc, da Coordenação Nacional de Viúvas (Guatemala); Mónica Crespo, da Federação de Papeleiros e Recicladores (Argentina) e Te Ao Pritchard, da Pacific Panthers Network (Nova Zelândia). A coordenação deste painel esteve a cargo de Nohra Padilla, da Associação de Recicladores de Bogotá (Colômbia), e Ana de Luco, da Sure We Can (Estados Unidos).

Na introdução ao debate, Ana de Luco citou as palavras de Francisco para destacar como principal tarefa a defesa da Mãe Terra. Neste sentido, o painel pretende dialogar sobre os diferentes aspectos e perspectivas na recuperação, respeito e cuidado da Terra.

Na primeira intervenção, Dra. Vandana Shiva, reconhecida ecofeminista, assinalava que “todos os que defendem a natureza e os direitos dos povos são perseguidos”. Com estas dificuldades a mais, Shiva assinalava a importância de “viver como pediu o Altíssimo, respeitando a terra e a criação”. Cada um de nós “é Terra. Não estamos separados dela. Os poderosos constroem uma separação, o que chamo de ecoapartheid: em nossa consciência e na realidade, criando pessoas sem casa e sem terra. A revolução é retornar à nossa ‘casa comum’, a Terra, como disse o Papa. Mas, uma vez em casa, devemos respeitá-la”.

Shiva continuou dissertando sobre o papel da ciência, da economia, da tecnologia para concluir que hoje é prioritário o respeito e o cuidado da criação. Neste sentido, denunciou a destruição das espécies por parte da indústria comercial em mais de 35% nos últimos anos, “fizemos da agricultura uma arte de vender veneno”, disse. Em sua intervenção, apontava um desafio: “todas as Igrejas e instituições confessionais deveriam transformar-se em um santuário de sementes”. Manifestou-se contra os acordos TTIP (Acordo de Associação Transatlântico para o Comércio e o Investimento) e CETA ao considerar que “arruínam a nossa vida”. E, finalmente, fez uma aposta na agroecologia. “A Terra é dada a todos para que vivamos nela, vivamos, pois, bem”.

Continuando com o painel, interveio Rosalina Tuyuc: “falar da Mãe Terra, da mãe natureza, é pensar na vida” em toda a sua integridade, em toda a sua globalidade. Pensar na vida, nos impulsiona à “necessidade de defender e responder a qualquer ameaça”. Para Tuyuc, o papel das mulheres nesta tarefa “protetora” é fundamental que não pode ser moeda de troca diante do “oferecimento de crescimento e de desenvolvimento” realizados pelas empresas. Nossos povos – acrescenta Tuyuc – não aceitam nenhum oferecimento em troca da morte: “somos a continuidade da vida, por isso a necessidade de ver que a água, a terra, e a semente, são elementos de vida e não elementos de mercado e de morte. Quando os filhos da Mãe Terra são atacados, devemos trabalhar em unidade”.

Em seguida, foi a vez de Te Ao Pritchard. Ele fez suas reflexões a partir do grupo chamado “As Panteras do Pacífico”, que incorpora as populações nativas e migrantes, intergeracional, daquelas latitudes. Falou sobre diferentes temas, mas com um denominador comum: o cuidado da criação. A experiência de Ao é fundamentalmente de ação: “nos preparamos para responder ao problema do comércio de armas. Também com a solidariedade e a colaboração de outros povos indígenas desenvolvemos muitas ações. Além disso, incorporamos a defesa da soberania alimentar em nossas atividades. Temos navios de guerra em nosso território que afetam as nossas águas. Manifestamo-nos com as nossas embarcações tradicionais para fazer valer os direitos dos povos indígenas. Pertenço a uma tribo e devemos agir também junto a tribos vizinhas. Quero insistir na importância da formação dos jovens e na luta contra suas vulnerabilidades. Dizemos a eles que não devem se esgotar em uma última ação, mas seguir em frente e dialogar para fora, mas, sobretudo, entre iguais para definir uma posição comum”, concluiu.

A última intervenção esteve a cargo da carrinheira argentina Mónica Crespo. Representando seus companheiros e companheiras, apresentou o trabalho que estão realizando e “as conquistas que tivemos através da luta. Nossos companheiros, além do mais, são perseguidos e deslocados. Somos um povo que aprendeu que a reciclagem é importante para o cuidado do planeta, como disse o Papa”.

Desta experiência assinala que “conseguimos que o Estado apóie o nosso trabalho e que o serviço de reciclagem fique com os carrinheiros e não com as empresas. Um reconhecimento muito importante para o trabalho e as melhorias das condições, com salário, transporte, etc.”. Esta persistência na defesa dos direitos trabalhistas levou-os a colocar em prática uma proposta concreta é “a lei do empacotamento”, uma iniciativa que pretende impulsionar a reciclagem no âmbito das empresas. Desta forma, além de cuidar da casa comum, “se conseguiria que os trabalhadores e as trabalhadoras tenham melhorias nas condições de trabalho”.

Neste sentido, os papeleiros e papeleiras têm demonstrada capacidade para atender esta necessidade de reciclagem na sociedade. “Somos os trabalhadores e trabalhadoras que saímos faça sol ou faça chuva para reciclar e cuidar da Mãe Terra (...) Alegra-nos ver que em vários países se está lutando pela reciclagem, pela não contaminação. Para ajudar este processo é importante que não se persiga os trabalhadores da reciclagem, porque são os cuidadores do meio ambiente”.

O painel termina com as palavras de Nohra Padilla, que faz uma chamada para “estabelecer uma soberania alimentar, uma soberania trabalhista, uma soberania popular. Se queres algo, luta por ela”.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Encontro Mundial de Movimentos populares. No painel Território e Natureza insiste-se no cuidado da Casa Comum - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV