‘Se o PT não fizer discussão profunda, pessoas vão sair’

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • ‘Cultura do descarte e do ódio’ de governantes atuais lembra Hitler, confessa papa Francisco

    LER MAIS
  • O que suponho que Lula deveria dizer. Artigo de Tarso Genro

    LER MAIS
  • Bolívia. Breve reflexão a partir do golpe de Estado de 10 de novembro de 2019

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

03 Novembro 2016

O PT perde importância política com o resultado das eleições municipais. A constatação é do ex-governador do Rio Grande do Sul, Tarso Genro, líder da Mensagem ao Partido, corrente que busca uma reformulação profunda do partido.

A entrevista é de Ricardo Galhardo, publicada por O Estado de S. Paulo, 03-11-2016.

Tarso, ideólogo da tese de refundação do PT, lançada após o mensalão e revivida agora, disse que esta reformulação passa por uma mudança na hegemonia interna e autocrítica radical na qual o PT, por um lado, deve assumir a responsabilidade por erros cometidos por dirigentes em nome do partido e, por outro, apontar publicamente os que se beneficiaram pessoalmente.

Segundo ele, se o atual grupo dirigente sonegar a autocrítica, o partido deve sofrer um racha com saída de várias lideranças importantes.

Eis a entrevista.

O que levou à derrota do PT nas eleições municipais?

Como o PT estava no governo e tinha uma força política muito grande no País, foi atingido massivamente por este conjunto de forças que se organizou em torno da chamada luta contra a corrupção. Praticamente 80% dessa força negativa foi sobre o partido. Mas se formos examinar por completo o que está acontecendo é uma devastação de todo o sistema político e partidário que atingiu principalmente quem estava no poder.

Estamos vivendo o fim de um ciclo histórico?

Pode ter encerrado um período dentro de um ciclo ou pode ter encerrado um ciclo. Isso ainda não está decidido. A reação popular e da própria plutocracia estatal à PEC 241 (que estabelece um teto para os gastos do governo) é que vai dizer. Se a PEC 241 for aplicada na sua totalidade acho que se encerrou um ciclo. Mas se ela for negociada e flexibilizada ao longo do processo pode ser apenas o fim de um período e se resgate mais adiante a vontade de construir um estado social relativo e que mantenha o estatuto da política como meio fundamental para resolver as controvérsias.

O senhor disse que foi uma derrota de todos os que estavam no governo, mas o governador Geraldo Alckmin e o PSDB tiveram vitórias expressivas. O que explica esse sucesso?

Alckmin é a válvula de escape mais adequada para a centro-direita no Brasil. Não só porque ele tem uma importância extraordinária dentro do PSDB como também porque os demais próceres tucanos, principalmente a ala aecista, saíram muito machucados. Ele emerge sim com força neste processo.

Qual é o papel do PT nesta nova conjuntura política?

O PT perde muita importância política a partir destas eleições. Tenho sustentado a visão de que o PT, para se recuperar como sujeito político, que seja o novo condutor de reformas, tem que se articular para fora. Não é transformar o partido numa delegacia de polícia. O que temos que ver é quais foram os problemas organizativos, ideológicos e programáticos que nos levaram a ser tolerantes com este tipo de conduta.

O PT vai fazer isso?

Não sei. É isso precisamente que está em jogo hoje no partido. Há uma visão de uma nova frente política.

Isso passa pela reorganização do partido e da esquerda?

O partido tem que dizer como vai se organizar de dentro para fora e isso significa formatar uma nova visão de coalizão e uma nova visão de frente. Para mim, o exemplo mais adequado é a Frente Ampla do Uruguai. Uma organização atípica, plural, que pega desde o centro progressista até a esquerda democrática e apresentou um programa não só de partido mas de movimentos, personalidades, organizações de base. Quando falo que tem que ser uma frente de esquerda, não quero dizer que seja uma frente esquerdista. Ela estaria à esquerda da coalizão que fizemos com o PMDB.

Quais seriam estas forças de centro democráticas e progressistas das quais o senhor fala?

Estão espalhadas em vários partidos. O centro no Brasil sempre foi uma relação de oportunidades no governo e não uma base programática. Não temos um partido de centro. Temos posições centristas que se somam para governar. Temos que procurar estas visões de centro e dar condições de que elas participem.

A renovação do PT passa por responsabilizar pessoalmente quem cometeu atos ilícitos?

Isso evidentemente deve ser uma decorrência. Porque o partido vai ter que separar. Sobre as pessoas que cometeram ilegalidades em proveito do partido, o partido vai ter que dizer: essas pessoas cometeram caixa 2 para o PT, o PT é responsável por este erro. Agora, quanto às pessoas que cometeram ilegalidades em proveito próprio, o partido não é responsável. Estas têm que ser evidentemente apontadas.

Existe o risco de uma ruptura profunda no PT?

Pode ocorrer. Isso não deve ser tratado com a forma de um ultimato. O que pode ocorrer é se a maioria partidária sonegar uma profunda discussão sobre os nossos problemas certamente haverá uma dispersão, pessoas vão sair. Algumas dessas pessoas poderão ir para um novo partido, outras deverão se desligar e ficar na sociedade civil.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

‘Se o PT não fizer discussão profunda, pessoas vão sair’ - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV