Livro reconstitui era petista e analisa o colapso do lulismo

Revista ihu on-line

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

No Brasil das reformas, retrocessos no mundo do trabalho

Edição: 535

Leia mais

No Brasil das reformas, retrocessos no mundo do trabalho

Edição: 535

Leia mais

Mais Lidos

  • Instrumentum Laboris do Sínodo para a Amazônia, um novo passo de “um 'kairós' para a Igreja e o mundo”

    LER MAIS
  • “Minha filha trans e católica é uma prova viva de como o Vaticano está errado em relação ao gênero”

    LER MAIS
  • Anule-se tudo que aconteceu a partir da criação da Lava Jato

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

03 Novembro 2016

O livro "As Contradições do Lulismo: a que Ponto Chegamos?" reúne um conjunto de ensaios fundamentais para entender a história recente do Brasil. Organizados por André Singer (USP) e Isabel Loureiro (Unesp), os artigos explicam os paradoxos e ambiguidades que caracterizaram a atuação do Estado durante as administrações petistas, de 2003 a 2016.

A reportagem é de Mauricio Puls, publicada por Folha de S. Paulo, 03-11-2016.

Em "A (falta de) base política para o ensaio desenvolvimentista", Singer, que é colunista da Folha, reconstitui as etapas da política econômica de Dilma Rousseff.

A partir de 2011, seu governo implementou um ousado conjunto de medidas para reduzir os juros, desvalorizar o Real, desonerar a folha salarial e proteger a indústria nacional, com o objetivo de acelerar o crescimento e criar mais empregos.

Para implementar esse plano, contudo, Dilma se desviou da estratégia lulista de evitar confrontos com a elite. Inicialmente entrou em choque com os bancos ao forçar a redução dos spreads bancários. Mais adiante, também adotou medidas que descontentaram os importadores, empreiteiros, agropecuaristas e empresários do setor elétrico, tensionando o pacto político costurado por Lula.

Com isso, as críticas à sua gestão foram ganhando cada vez mais espaço na mídia até que, acuada, a presidente deu um "cavalo de pau" na política econômica após ser reeleita e adotou o ajuste ortodoxo preconizado pelo setor financeiro.

Em "Terra em transe", Ruy Braga analisa o acirramento crescente das contradições provocadas pelo reformismo suave das gestões petistas, que converteram cada programa social em uma alavanca para a acumulação do capital, como aconteceu com os programas Minha Casa, Minha Vida e ProUni.

Nesse esforço para amortecer os conflitos sociais, muitos sindicalistas foram cooptados pelo aparelho estatal e se transformaram em gestores de fundos de pensão ou de outras instituições vinculadas direta ou indiretamente ao Estado.

Enquanto isso, a esfera trabalhista assistia a uma verdadeira "walmartização do trabalho", com a expansão da terceirização e do empreendedorismo, como aponta Leonardo Mello e Souza.

Os movimentos sociais passaram por transformações estruturais. Isabel Loureiro mostra como Lula trocou a reforma agrária por imensos subsídios ao agronegócio e, em menor escala, à agricultura familiar.

Obrigado a se adaptar a esse cenário, o MST (Movimento dos Trabalhadores Sem Terra) desistiu das cooperativas coletivas inspiradas nos kolkhozes soviéticos e investiu na agroecologia, tornando-se o maior produtor de arroz orgânico do Brasil, hoje comercializado em grandes redes de supermercados.

Em "Luta de classes na socialização capitalista", Wolfgang Leo Maar argumenta que o PT manteve a tendência de privatização do Estado herdada das gestões anteriores.
Nesse processo, como assinala Cibele Rizek em "Faces do lulismo", a periferia das metrópoles se converteu num nicho de negócios para ONGs que gerenciam a aplicação dos recursos públicos.

Na área cultural, por exemplo, os repasses das empresas realizados por meio das leis de incentivo já respondem por 80% dos investimentos no setor.

Ao final das contas, o petismo concedeu fortes estímulos ao consumo individual, mas nunca "colaborou para que as classes populares saíssem da passividade".

O êxito dessa política dependia da manutenção do crescimento econômico: os assalariados reelegeram Dilma em 2014, mas não saíram às ruas para defender seu mandato quando o país afundou na recessão.

Entorpecida por essa estratégia desmobilizadora, que sempre priorizou a conciliação das classes, a esquerda não conseguiu barrar o impeachment em 2016.


As Contradições Do Lulismo: a Que Ponto Chegamos?
Colaboradores: André Singer e Isabel Loureiro
Editora: Boitempo
Quanto: R$ 52 (288 págs.)

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Livro reconstitui era petista e analisa o colapso do lulismo - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV