Revés para Santos

Revista ihu on-line

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Mais Lidos

  • Um novo documento anti-Francisco com cem assinaturas: “Atos sacrílegos durante o Sínodo, precisa se arrepender”

    LER MAIS
  • Plano de Guedes constitucionaliza drenagem de recursos dos pobres para os ricos

    LER MAIS
  • Por que o fim do DPVAT é mais um golpe no financiamento do SUS

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

03 Outubro 2016

Escudado na popularidade alcançada pelo plano de paz acordado com a guerrilha nas zonas interioranas mais atingidas pelos combates, o governo do presidente Juan Manuel Santos esqueceu-se da retaguarda.

O comentário é de Luiz Antônio Araujo, jornalista, publicado por Zero Hora, 03-10-2016.

Foi nas regiões menos afetadas pela guerra interna, especialmente as grandes cidades, que o não obteve maior vantagem no plebiscito realizado ontem na Colômbia. Onde a guerrilha das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) não está presente e a violência não se tornou um entrave social, a tendência dos eleitores foi encarar o plebiscito como um julgamento do governo de Santos. Nesse sentido, o maior derrotado na votação de ontem é o presidente colombiano. Também é um revés para a primeira grande iniciativa diplomática conjunta cubano-americana após o reatamento.

Também foi relevante o fato de que, independentemente do resultado da votação, o caminho das Farc em direção à institucionalização como partido político parece irreversível. Partidários do “não”, como o ex-presidente Alvaro Uribe, afirmam que o acordo de Havana é ruim e que, como está praticamente descartado um retorno às hostilidades, pode-se obter mais concessões da guerrilha.

O que predominou, no entanto, foi a indiferença diante de uma negociação vista em larga medida como um arranjo de cúpula. Com tempo hostil e em meio aos efeitos de um furacão, mais de seis em cada 10 colombianos não se sentiram estimulados a comparecer a uma votação que em pouco ou nada influenciaria suas vidas.

Leia mais...

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Revés para Santos - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV