Jesuíta colombiano defensor da paz morreu horas antes da assinatura do acordo

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • A “cristofobia” de Bolsonaro

    LER MAIS
  • “Maciel tinha uma capacidade incrível de manipular e enganar as pessoas”, revela ex-diretora vocacional dos Legionários de Cristo

    LER MAIS
  • A sabotagem social da prisão – Um olhar sobre o sistema carcerário

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


28 Setembro 2016

O jesuíta sofreu um duro golpe em 1979, quando dois dos seus melhores amigos, os pesquisadores sociais Mario Calderón e Elsa Alvarado, foram assassinados em seu apartamento por paramilitares de ultradireita.

A reportagem é publicada por Vanguardia, 27-09-2016. A tradução é de André Langer.

O padre colombiano Gabriel Izquierdo, um dos grandes lutadores pela paz em seu país, morreu no domingo, poucas horas antes da histórica assinatura do acordo entre o governo e a guerrilha das FARC, informou a Companhia de Jesus.

A informação não precisou as causas da morte de Izquierdo, de 74 anos, que, junto com outros jesuítas, foi uma das grandes referências do Centro de Investigação e Educação Popular (CINEP), ONG icônica na luta pela democracia, pela paz, pelos direitos humanos e na pesquisa social.

O sacerdote sofreu um duro golpe em 1979, quando dois dos seus melhores amigos, os pesquisadores sociais Mario Calderón e Elsa Alvarado, foram assassinados em seus apartamentos por paramilitares de ultradireita.

Izquierdo conseguiu reunir-se com o chefe dos paramilitares, Carlos Castaño, para reclamar-lhe frente a frente pela morte dos seus amigos e anunciar-lhe que nenhuma ação de represália o faria mudar seus objetivos de luta pela justiça.

A imprensa local destacou a “ironia” de que Izquierdo morresse sem ver o momento em que o presidente da Colômbia, Juan Manuel Santos, e o chefe das FARC, Rodrigo Londoño, assinaram o acordo que, caso for ratificado pelo plebiscito do próximo domingo, colocará um fim a uma guerra de 52 anos.

Embora a violência na Colômbia tenha ramificações complexas e originado grupos de extraordinária crueldade, como os paramilitares comandados por Castaño – assassinado em 2004 por um dos seus guarda-costas –, o conflito com as comunistas FARC é considerado a raiz de todo o fenômeno.

Leia mais...

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Jesuíta colombiano defensor da paz morreu horas antes da assinatura do acordo - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV