“Do total de comida que se produz, 40% vai para o lixo, e isso é imoral”

Revista ihu on-line

Renúncia suprema. O suicídio em debate

Edição: 515

Leia mais

Lutero e a Reforma – 500 anos depois. Um debate

Edição: 514

Leia mais

Bioética e o contexto hermenêutico da Biopolítica

Edição: 513

Leia mais

Renúncia suprema. O suicídio em debate

Edição: 515

Leia mais

Lutero e a Reforma – 500 anos depois. Um debate

Edição: 514

Leia mais

Bioética e o contexto hermenêutico da Biopolítica

Edição: 513

Leia mais

Mais Lidos

  • 1º Dia Mundial dos Pobres

    LER MAIS
  • Papa nomeia brasileiro para Relator Geral do Sínodo dos Jovens e um jesuíta e salesiano como Secretários Especiais

    LER MAIS
  • O Homo Deus e a obsolescência do ser humano

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

14 Setembro 2016

Yolanda Kakabadse (Quito, Equador, 1948) é a presidenta da WWF internacional e ex-ministra do Meio Ambiente do Equador. Desde os anos 70, ele tem se dedicado a defender o planeta: foi fundadora e presidenta de várias ONGs e proferiu palestras no mundo inteiro em favor da natureza. Na semana passada, Kakabadse esteve em Madri para participar da segunda edição dos Diálogos sobre a Água entre a América Latina e a Espanha. “Existem muitas experiências positivas para ser compartilhadas”, diz ela, sorrindo. Kakabadse participou de uma mesa sobre o uso da água no âmbito urbano. “Perde-se muita água. E todos nós a vemos como algo inesgotável, mas de que me serve a água no oceano?”.

A entrevista é de Marya G. Nieto, publicada por El País, 13-09-2016.

Eis a entrevista.

O que se pode fazer, em termos de soluções práticas, para melhor a gestão da água?

Para começar, devemos fazer uma relação entre essa questão e a mudança climática, que acentua a possibilidade de ocorrência de secas e inundações. Outra coisa é que não existe um usuário principal de água. Na América Latina, por exemplo, o setor agrícola sempre se viu como dono da água. Isso é ruim. Principalmente porque, ao final, ocorre um desperdício de comida enorme. Produz-se mais comida do que podemos consumir, e 40% dessa comida vai para o lixo. Isso é imoral, é uma falta de ética e de solidariedade com o planeta. Pois para produzir essa comida consumiu-se muita água.

Quanto às responsabilidades, elas são do consumidor ou do produtor?

Todos nós vemos a água como algo inesgotável, mas de que me serve a água no oceano?

Acredito que os dois lados são responsáveis. Primeiramente, é preciso diminuir os níveis de ambição econômica do produtor e fazer com que ele seja mais responsável. Quanto ao consumidor, temos de aprender de novo a avaliar a qualidade de um produto pelo olfato, pelo tato ou pela aparência, e não apenas por meio da data de validade exposta no rótulo.

A senhora falou certa vez sobre a importância que as lideranças têm no sentido de divulgar orientações como essa. Quem, na sua opinião, impulsiona essas iniciativas?

Alguns líderes empresariais. Não todos, mas muitos. Os acordos de Paris, por exemplo, tiveram dois atores fundamentais: os líderes locais, como os prefeitos, e alguns do setor empresarial. Eles querem que as suas empresas durem 200 anos, não 20. É verdade que poderão ficar mais ricos em 20 anos, mas essa visão não pode prevalecer. A visão correta tem de ser de que o seu negócio perdure no tempo, para que várias gerações se beneficiem dele.

Então temos motivo para estar otimistas?

Do total de comida que se produz, 40% vão para o lixo, e isso é imoral, é uma falta de ética e de solidariedade com o planeta

Sou sempre otimista. Nós, ecologistas, somos otimistas, caso contrário já teríamos nos suicidado há muito tempo. Mas continuamos lutando, porque sabemos que existem novas maneiras de lidar com os problemas e novas respostas para eles.

Ainda há quem negue a existência da mudança climática. Como convencer essas pessoas?

É triste que certas pessoas só mudam depois de sofrer um golpe duro. O prefeito de Nova York, Michael Bloomberg, por exemplo, dizia que não existia esta questão da mudança climática, até que o furacão Sandy atingiu a sua cidade. Depois disso, ele não teve outra saída a não ser mudar de opinião e pedir desculpas. O lamentável é que não admitamos o valor das previsões científicas. Mas o ser humano é assim mesmo. Somente com os golpes sofridos é que entendemos que existem realidades que não queremos admitir.

Um dos problemas do meio ambiente são os prazos. Os planos demoram muito para ser aplicados. Como fazer para diminuir esses prazos?

Os próprios acontecimentos nos obrigarão a encurtar esses prazos. Quando vermos que o nosso vizinho está sem água, então mudaremos. Somos tão céticos diante das evidências científicas, que custamos muito a mudar. E o problema é que não explicamos direito por que é preciso mudar. As pessoas precisam entender por que devem mudar o seu comportamento.

Nós, ecologistas, somos otimistas, caso contrário já nos teríamos suicidado há muito tempo

Qual é o papel das ONGs, como a WWF, que a senhora preside, nesse contexto?

É fundamental. Pois temos consciência de que devemos construir uma articulação entre a informação científica e o comportamento humano. Não se deve salvar a lince apenas por ela ser muito bonita, mas sim porque ela vive em um habitat que está sendo ameaçado. O mesmo acontece com o parque da Donãna [reserva natural espanhola]. Ele não é importante por causa da sua beleza, mas sim porque fornece água, garante o controle do clima, a segurança de um rio. E essas coisas precisam ser explicadas.

A senhora não acha que o fato de haver tantas ONGs com diversos campos de atuação faz com que sua mensagem perca força?

Não, porque cada grupo de uma população tem uma forma diferente de receber a mensagem. Há quem dê atenção para algumas ONGs do establishment, enquanto outros o fazem em relação a outras mais radicais. Ou o contrário. Cada sociedade conhece formas diferentes de receber ou emitir uma mensagem.

Na sua opinião, onde a WWF se encaixa? No establishment ou entre as radicais?

Acredito que estamos em uma zona intermediária. Nossa habilidade para conversar com governos, com o setor produtivo ou com os indígenas nos colocou em uma posição privilegiada, em que há muita gente que nos ouve. É verdade que há quem nos chame de corrompidos por falarmos com o setor produtivo, mas, para nós, trata-se de um valor agregado. Porque esse setor produtivo exerce um impacto enorme sobre o planeta, e, se não pudermos dialogar com ele, não conseguiremos acabar com o problema.

Acredita que ainda há tempo para reverter o estrago que fizemos ao planeta?

Ainda sofreremos impactos muito mais graves do que imaginamos. O impacto da mudança climática sobre as sociedades humanas vai ser algo muito grave. Tomara que consigamos incrementar os esforços no sentido de reverter os processos antes que eles nos atinjam.

A maior ameaça que pesa sobre o ser humano é a mudança climática

A mudança climática é, então, o inimigo número um?

Com certeza absoluta. Neste momento, a maior ameaça para o ser humano é a mudança climática.

Leia mais...

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

“Do total de comida que se produz, 40% vai para o lixo, e isso é imoral” - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV