Acordo de Paris não conseguirá conter aumento da temperatura, alertam cientistas

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • O cardeal filipino Luis Antonio Tagle, a reforma da Igreja e o próximo pontificado

    LER MAIS
  • “30% dos eleitos para serem bispos rejeitam a nomeação”, revela cardeal Ouellet, prefeito da Congregação para os Bispos

    LER MAIS
  • Vivemos uma ‘psicopatia difusa’ na política brasileira, diz psicanalista

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

04 Julho 2016

Dez especialistas de diferentes países, incluindo o Brasil, alertam, em artigo publicado na quinta-feira (30) na revista internacional Nature, que as 195 nações signatárias do Acordo de Paris, assinado em dezembro do ano passado, têm que ser mais ambiciosas e rever com rapidez suas propostas de redução das emissões de gases de efeito estufa para conter o aumento da temperatura do planeta em menos de 2 graus Celsius (°C).

A reportagem é de Alana Gandra, publicada por Agência Brasil, 01-07-2016.

Segundo o pesquisador brasileiro Roberto Schaeffer, professor do Programa de Planejamento Energético do Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa de Engenharia (Coppe) da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), o estudo associa cada possível aumento da temperatura global à probabilidade de ocorrer.

A análise levou em conta os compromissos de redução de emissões que os países apresentaram voluntariamente à Organização das Nações Unidas (ONU), conhecidas como INDCs (contribuições nacionalmente determinadas pretendidas, na sigla em inglês), e tentou traduzir tudo em uma unidade comum, para projetar as emissões globais entre 2020 e 2030.

Apesar de não haver dúvida sobre a mudança climática, Schaeffer disse que ainda existe uma série de incertezas físicas sobre a dimensão do fenômeno. “Com 50% de chance de não errar, o que significa que há 50% de chance de errar, digo que [o aumento da] a temperatura do planeta no final do século, se as INDCs forem cumpridas ao pé da letra, não deve exceder os 2,9º C.”

O estudo estima, com 66% de chance de acerte, que a temperatura no final do século não deve subir mais que 3,2º C; e com 90% de chance de acerto, que o acréscimo não exceda os 3,9º C. “Dependendo do grau de certeza ou de incerteza que se quer ter, a gente associa então o que seria a temperatura média do planeta ao final do século”.

Limite

Independente da precisão, segundo Schaeffer, o artigo mostra que em qualquer probabilidade de acertar, os países estão bastante longe do objetivo maior da Convenção de Paris de limitar o aumento da temperatura do planeta ao final do século a menos de 2º C, idealmente tentando chegar a aumento de apenas 1,5º C.

“A gente mostra que o Acordo de Paris é muito legal, que o objetivo é muito nobre, mas aquilo que neste momento os países estão propondo fazer não nos leva nem perto do bem abaixo de 2º C”.

No artigo, os pesquisadores advertem, entretanto, que ainda há tempo para tentar reverter o aumento da temperatura global. “Mas os governos têm que acelerar a ambição e a velocidade com que novas medidas são anunciadas e começam a ser de fato implementadas”.

Segundo Schaeffer, não é possível esperar o prazo previsto de cinco anos para que as metas nacionais sejam revistas pelos países. “Está na hora de acelerar isso aí”. A primeira revisão de reavaliação dos compromissos está prevista para 2020.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Acordo de Paris não conseguirá conter aumento da temperatura, alertam cientistas - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV