COP21 – Metas enviadas à ONU sobre aquecimento não limitam aumento de temperatura a 2°C

Revista ihu on-line

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Grande Sertão: Veredas. Travessias

Edição: 538

Leia mais

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Mais Lidos

  • Assim o 1% se prepara para o apocalipse climático

    LER MAIS
  • Bispos latino-americanos levantam a voz pela Amazônia

    LER MAIS
  • O holocausto da Amazônia põe a civilização em alerta. Artigo de Marina Silva

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

06 Outubro 2015

O Climate Action Tracker, organização composta por instituições científicas que monitoram o aquecimento global, divulgou na quinta-feira (1º) uma análise de 19 Contribuições Nacionalmente Determinadas Pretendidas (INDC), que são documentos com as metas de cada país para reduzir as emissões de gases do efeito estufa.

A reportagem é de Maiana Diniz, publicada pela Agência Brasil e reproduzida pelo portal EcoDebate, 02-10-2015.

As propostas foram enviadas à ONU pelos países-membros e serão o ponto de partida das negociações da Convenção do Clima de Paris, entre 30 de novembro e 11 de dezembro.

O estudo concluiu que, por enquanto, o esforço desses países ainda não é suficiente para limitar o aumento da temperatura a 2°C até o fim do século em relação ao período pré-industrial.

O limite foi estabelecido pelo Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas, que reúne cientistas do mundo inteiro. O objetivo da COP21 é firmar um compromisso global nesse sentido para ser implementado a partir de 2020.

Os países avaliados, entre eles o Brasil, respondem por 71% das emissões globais. De acordo com a Climate Action Tracker, a soma das propostas analisadas levaria a um aumento de temperatura de 2,7°C até o fim do século. O resultado é menor que a última estimativa da organização, que previa um aumento de 3°C.

Entre as INDCs avaliadas pela organização, somente a Etiópia e o Marrocos foram classificadas como “suficientes”, por apresentarem propostas sintonizadas com um objetivo mais ousado que o proposto pela COP, de limitar o aumento de temperatura a 1,5°C. Entretanto, os dois países respondem, juntos, por apenas 0.3% das emissões globais.

Conforme o estudo, as contribuições do Brasil, China, Estados Unidos, Indonésia, México, Noruega, Suíça e União Europeia, são consistentes com os 2°C e foram classificadas como “medianas. Esses países respondem por 56% das emissões de gases do efeito estufa.

As propostas de oito países foram consideradas “inadequadas”. O estudo avalia que as contribuições da África do Sul, Austrália, Canadá, Coréia do Sul, Japão, Nova Zelândia, Rússia e Cingapura não foram relevantes para que se limite o aumento da temperatura global. Esse países representam 14% das emissões totais de gases que causam o efeito estufa.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

COP21 – Metas enviadas à ONU sobre aquecimento não limitam aumento de temperatura a 2°C - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV