As veias abertas do feminicídio na América Latina

Revista ihu on-line

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Mais Lidos

  • Bispo brasileiro diz que ordenará mulheres ao diaconato se papa permitir

    LER MAIS
  • “A ética do cuidado é um contrapeso ao neoliberalismo”. Entrevista com Helen Kohlen

    LER MAIS
  • Príncipe Charles e Bolsonaro: as duas faces da “diplomacia” dos santos

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

29 Junho 2016

“Um grito coletivo contra a violência machista”. É assim que se define o movimento Ni una menos, que surgiu na Argentina, em 2015. Desde sua criação, vem ganhando força. Em um ato no último dia 3 de junho, mais de 200 mil pessoas participaram de uma manifestação do Ni una menos em Buenos Aires. O movimento espalhou-se por outros países da América Latina: houve atos não só em outras cidades da Argentina, mas também no Chile, no México e no Uruguai.

Foto: Rodrigo Paredes - Flickr - Creative commons


Feminicídios

O estopim do movimento argentino foi o brutal assassinato de Chiara Páez, ocorrido em maio de 2015 em Rufino, um município de 20 mil habitantes localizado na província de Santa Fé. Páez tinha 14 anos, estava grávida e foi morta por seu namorado, que a enterrou no quintal de casa.

A partir desse caso, tornou-se notória a informação de que, em 2014, ocorreram 277 feminicídios no país. Ou seja, a cada um dia e meio uma mulher foi morta por ser mulher. Segundo um manifesto lido no ato de 3 de junho, “feminicídio é uma categoria política, é a palavra que denuncia o modo em que a sociedade torna natural algo que não o é: a violência machista. E a violência machista é um assunto de direitos humanos”.

Nesse sentido, um dos lemas do movimento é “vivas nos queremos”. O movimento tem sido impulsionado por familiares das vítimas – assim como ocorreu em relação às vítimas da última ditadura militar no país, a partir das organizações das Avós e das Mães da Praça de Maio.

Violência contra as mulheres

Há na Argentina um plano nacional de prevenção, assistência e erradicação da violência contra as mulheres, que foi criado por uma lei aprovada em 2009. No entanto, ele ainda não foi regulamentado, e não há previsão para sua implementação. Embora a lei preveja um orçamento para esse programa, até hoje ele não foi contemplado com recursos federais.

A medida ajudaria a combater outras formas de violência, segundo seus defensores. De acordo com uma enquete realizada com mulheres durante a manifestação de 3 de junho por pesquisadores da Universidade de Buenos Aires - UBA, 91% delas dizem já ter sofrido assédio na rua.

Representação na mídia

Ainda segundo essa pesquisa, da Faculdade de Ciências Sociais da UBA, mais de 80% valorizaram o fato de que os meios de comunicação estejam dando mais atenção para o tema da violência contra a mulher. No entanto, 40% delas têm críticas à abordagem da mídia. Ativistas notam que a própria repercussão dos casos reproduz discursos de uma sociedade machista. Um deles é o de duas jovens argentinas que foram mortas em fevereiro último, no Equador. A cobertura do caso foi alvo de críticas por conta da expressão, frequente em reportagens sobre o crime, de que elas “viajavam sozinhas” – o que, considerando que elas estavam juntas, significava, na verdade, que elas viajavam sem homens.

América Latina

No mesmo dia da manifestação do Ni una menos em Buenos Aires, também houve atos, embora menores, em Santiago do Chile, na Cidade do México, e em Montevidéu, no Uruguai. No Brasil, o recente estupro coletivo de uma adolescente no Rio de Janeiro ficou marcado pela culpabilização da vítima, o que inclusive levou ao afastamento do delegado que inicialmente cuidava do caso. Após a transferência da investigação para uma delegacia da Criança e Adolescente Vítima, os responsáveis foram indiciados.

Por João Flores da Cunha / Com Agências

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

As veias abertas do feminicídio na América Latina - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV