O xadrez da era da eficiência de Temer

Revista ihu on-line

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Mais Lidos

  • Bispo brasileiro diz que ordenará mulheres ao diaconato se papa permitir

    LER MAIS
  • Príncipe Charles e Bolsonaro: as duas faces da “diplomacia” dos santos

    LER MAIS
  • Nobel de Economia vai para três estudiosos “comprometidos com a luta contra as pobrezas e as desigualdades sociais”

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

23 Maio 2016

No dia 12 de maio, no seu discurso de posse, o presidente interino Michel Temer anunciou a entrada na era da eficiência (http://migre.me/tTrPp).

O discurso contém as seguintes partes destacáveis:

Afirmação 1 - Quando me pedirem para fazer alguma coisa, eu farei como Dutra, o que é diz o livrinho? O livrinho é a Constituição Federal.

Afirmação 2 - Reafirmo, e o faço em letras garrafais: vamos manter os programas sociais. O Bolsa Família, o Pronatec, o Fies, o Prouni, o Minha Casa Minha Vida, entre outros, são projetos que deram certo, e, portanto, terão sua gestão aprimorada.

Afirmação 3 - Nós precisamos acabar com um hábito que existe no Brasil, em que assumindo outrem o governo, você tem que excluir o que foi feito. Ao contrário, você tem que prestigiar aquilo que deu certo, completá-los, aprimorá-los e insertar outros programas que sejam úteis para o País. 

Afirmação 4 - A governabilidade exige – além do que eu chamo de governança que é o apoio da classe política no Congresso Nacional – precisam também de governabilidade, que é o apoio do povo. O povo precisa colaborar e aplaudir as medidas que venhamos a tomar. 

Afirmação 5 - Nós precisamos atingir aquilo que eu chamo de "democracia da eficiência”.

O comentário é de Luís Nassif, jornalista, publicado por Jornal GGN, 23-05-2016.

No mesmo dia, Temer assinou uma Medida Provisória de redefinição dos Ministérios, com uma extravagância: atribuía-se ao Ministério do Desenvolvimento Social (MDS) os mesmos objetivos do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC).

Os redatores recorreram a um copiar-colar. E não houve revisão, sinal de que a MP não foi submetida à Casa Civil, para conferir aspectos jurídicos. Tivesse sido, jamais teria passado pelos trâmites jurídicos.

Desrespeitou-se a Afirmação 3 e a Afirmação 5.

Apenas no dia 20 a MP foi reeditada, sem os erros originais. O MDS ficou uma semana oficialmente extinto, sem nenhuma de suas três secretarias básicas - Assistência Social, Segurança Alimentar e Nutricional e Secretaria da Renda Cidadã – denotando, no mínimo, falta de atenção em relação à Afirmação 2.

Mas não se ficou nisso.

O forrobodó do social

O Artigo 37 da Constituição Federal reza o seguinte (http://migre.me/tTtlL):

Art. 37. A administração pública direta e indireta de qualquer dos Poderes da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios obedecerá aos princípios de legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade e eficiência.

Ou seja, cada medida tomada, cada mudança implementada, tem que ser analisada e justificada pelo prisma da legalidade e da eficiência, entre outros. Não se pode governar simplesmente tendo uma ideia “legal”. Tem que provar que vai funcionar melhor, providenciar estudos e diagnósticos mostrando que é mais eficiente, que é legalmente possível.

Vamos analisar a MP dos Ministérios pela ótica da eficiência.

1.  O MDS

O MDS (Ministério do Desenvolvimento Social) é novo, tem apenas 13 anos. Tem uma burocracia nova que gerencia o pagamento a 14 milhões de pessoas pelo Bolsa Família e mais 4 milhões pelos Benefícios de Prestação Continuada (BPC), com um orçamento de R$ 70 bilhões.

2. MDS + MDA

Agora, essa estrutura terá que acomodar o Ministério de Desenvolvimento Agrário (MDA), que nada tem a ver com pobreza. Ele trata de agricultura familiar, setor responsável por 70% da produção de comida do país, a maior parte da produção de hortifrutigranjeiros e parte da estrutura da agroindústria.

Não apenas isso. O MDA era responsável pelo Pronaf (Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar), pelo seguro agrícola, pela co-gestão de créditos de mais de R$ 30 bilhões/ano.

Tudo isso, agora, passa a ser atribuição de um Ministério, o MDS, sem a menor aptidão com essas funções?

3. MDS + MDA + INCRA

É pouco?

O MDS passa a abrigar também o INCRA (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária). O INCRA é responsável pelo cadastro de todas as terras do país, por toda a regularização fundiária, gerencia territórios inteiros em disputa. Além disso, cabe a ele fazer banheiros, estradas vicinais, escolas em assentamentos, gerenciar os títulos de reforma agrária em pagamento a desapropriação de terras.

Acharam muito? Tem mais.

4. MDS + MDA + INCRA + INSS

Incluíram no MDS também toda a estrutura do INSS, 36 mil funcionários, entre peritos em saúde, trabalhos de cálculo atuarial de aposentadoria, um outro mundo, uma outra agenda que nada tem a ver com a agenda social.

A Previdência Social foi organizada em 1923 e, desde então, vem sendo administrada sem solavancos, através de uma cultura institucionalizada. De repente entra um governo provisório e muda toda a estrutura de Estado, desestruturando setores inteiros.

Ora, pelo próprio Artigo 37, não se pode jogar com um Ministério da importância da Previdência e fazer essa geleia geral, sem um estudo prévio, sem um parecer dos técnicos do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão (MPOG), sem um estudo da ENAP (Escola Nacional de Administração Pública).

É princípio constitucional e princípios administrativos largamente estudados no país.

Atropelou-se de uma só vez a Afirmação 1, a Afirmação 2, a Afirmação 3 e a Afirmação 5. E, com a paralisação da máquina e a piora dos serviços, em função da disfuncionalidade da reforma, também a Afirmação 4.

A palavra do guru

Desde a Ponte para o Futuro, o respeitado economista Ricardo Paes de Barros se apresentou como guru do PMDB para as políticas sociais. Deu entrevistas falando em “desinchar” o Bolsa Família e, apertado, admitiu sugestões cosméticas, de conceituação de pobreza, incluindo a análise de patrimônio e outras formas de acumulação dos beneficiários.

Ignorou deliberadamente alguns pontos centrais nas políticas sociais.

Na faixa da pobreza, trabalhos eventuais não podem ser considerados como emancipação das políticas sociais. É o segmento em que há maior instabilidade no emprego e maior dificuldade em retornar ao mercado de trabalho, quando dispensado.

Além disso, não se pode confundir estoque (os bens do beneficiário) com fluxo (sua renda).

Fez mais. Aceitou, sem desmentir, afirmações que o colocavam como um dos criadores do Bolsa Família.

Não é fato.

Há inúmeros programas mundiais de bolsa cidadã. O Bolsa Família é o mais bem-sucedido., consistindo nas seguintes ações:

•      Cadastro Único.

•      Sistema para apurar frequência escolar.

•      Vínculo com educação e saúde.

•      Educação bancária.

O Bolsa Família foi constituído inicialmente por um grupo de trabalho coordenado por Ana Fonseca, na transição do governo Fernando Henrique para Lula. Depois, passou a ser coordenado por Mirian Belchior. E, finalmente, tocado por Tereza Campello.

Paes de Barros jamais participou da elaboração do BF, não frequentou nenhuma das reuniões do grupo, não participou de nenhuma discussão, não ajudou em nenhuma conta, nenhum diagnóstico nem a elaborar sequer um projeto de lei.

Não lhe tira o mérito de ser um dos grandes especialistas em pobreza do país. Mas exige, da sua parte, mais humildade e discrição, característica que sempre manteve em sua vida profissional até ser picado pela mosca azul.

 

O xadrez da era da eficiência de Temer

No dia 12 de maio, no seu discurso de posse, o presidente interino Michel Temer anunciou a entrada na era da eficiência (http://migre.me/tTrPp)

O discurso contém as seguintes partes destacáveis:

Afirmação 1 - Quando me pedirem para fazer alguma coisa, eu farei como Dutra, o que é diz o livrinho? O livrinho é a Constituição Federal.

Afirmação 2 - Reafirmo, e o faço em letras garrafais: vamos manter os programas sociais. O Bolsa Família, o Pronatec, o Fies, o Prouni, o Minha Casa Minha Vida, entre outros, são projetos que deram certo, e, portanto, terão sua gestão aprimorada.

Afirmação 3 - Nós precisamos acabar com um hábito que existe no Brasil, em que assumindo outrem o governo, você tem que excluir o que foi feito. Ao contrário, você tem que prestigiar aquilo que deu certo, completá-los, aprimorá-los e insertar outros programas que sejam úteis para o País. 

Afirmação 4 - A governabilidade exige –além do que eu chamo de governança que é o apoio da classe política no Congresso Nacional– precisam também de governabilidade, que é o apoio do povo. O povo precisa colaborar e aplaudir as medidas que venhamos a tomar. 

Afirmação 5 - Nós precisamos atingir aquilo que eu chamo de "democracia da eficiência”.

O comentário é de Luís Nassif, jornalista, publicado por Jornal GGN, 23-05-2016.

No mesmo dia, Temer assinou uma Medida Provisória de redefinição dos Ministérios, com uma extravagância: atribuía-se ao Ministério do Desenvolvimento Social (MDS) os mesmos objetivos do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC).

Os redatores recorreram a um copiar-colar. E não houve revisão, sinal de que a MP não foi submetida à Casa Civil, para conferir aspectos jurídicos. Tivesse sido, jamais teria passado pelos trâmites jurídicos.

Desrespeitou-se a Afirmação 3 e a Afirmação 5.

Apenas no dia 20 a MP foi reeditada, sem os erros originais. O MDS ficou uma semana oficialmente extinto, sem nenhuma de suas três secretarias básicas - Assistência Social, Segurança Alimentar e Nutricional e Secretaria da Renda Cidadã – denotando, no mínimo, falta de atenção em relação à Afirmação 2.

Mas não se ficou nisso.

O forrobodó do social

O Artigo 37 da Constituição Federal reza o seguinte (http://migre.me/tTtlL):

Art. 37. A administração pública direta e indireta de qualquer dos Poderes da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios obedecerá aos princípios de legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade e eficiência.

Ou seja, cada medida tomada, cada mudança implementada, tem que ser analisada e justificada pelo prisma da legalidade e da eficiência, entre outros. Não se pode governar simplesmente tendo uma ideia “legal”. Tem que provar que vai funcionar melhor, providenciar estudos e diagnósticos mostrando que é mais eficiente, que é legalmente possível.

Vamos analisar a MP dos Ministérios pela ótica da eficiência.

1.  O MDS

O MDS (Ministério do Desenvolvimento Social) é novo, tem apenas 13 anos. Tem uma burocracia nova que gerencia o pagamento a 14 milhões de pessoas pelo Bolsa Família e mais 4 milhões pelos Benefícios de Prestação Continuada (BPC), com um orçamento de R$ 70 bilhões.

2. MDS + MDA

Agora, essa estrutura terá que acomodar o Ministério de Desenvolvimento Agrário (MDA), que nada tem a ver com pobreza. Ele trata de agricultura familiar, setor responsável por 70% da produção de comida do país, a maior parte da produção de hortifrutigranjeiros e parte da estrutura da agroindústria.

Não apenas isso. O MDA era responsável pelo Pronaf (Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar), pelo seguro agrícola, pela co-gestão de créditos de mais de R$ 30 bilhões/ano.

Tudo isso, agora, passa a ser atribuição de um Ministério, o MDS, sem a menor aptidão com essas funções?

3. MDS + MDA + INCRA

É pouco?

O MDS passa a abrigar também o INCRA (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária). O INCRA é responsável pelo cadastro de todas as terras do país, por toda a regularização fundiária, gerencia territórios inteiros em disputa. Além disso, cabe a ele fazer banheiros, estradas vicinais, escolas em assentamentos, gerenciar os títulos de reforma agrária em pagamento a desapropriação de terras.

Acharam muito? Tem mais.

4. MDS + MDA + INCRA + INSS

Incluíram no  MDS também toda a estrutura do INSS, 36 mil funcionários, entre peritos em saúde, trabalhos de cálculo atuarial de aposentadoria, um outro mundo, uma outra agenda que nada tem a ver com a agenda social.

A Previdência Social foi organizada em 1923 e, desde então, vem sendo administrada sem solavancos, através de uma cultura institucionalizada. De repente entra um governo provisório e muda toda a estrutura de Estado, desestruturando setores inteiros.

Ora, pelo próprio Artigo 37, não se pode jogar com  um Ministério da importância da Previdência e fazer essa geleia geral, sem um estudo prévio, sem um parecer dos técnicos do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão (MPOG), sem um estudo da ENAP (Escola Nacional de Administração Pública).

É princípio constitucional e princípios administrativos largamente estudados no país.

Atropelou-se de uma só vez a Afirmação 1, a Afirmação 2, a Afirmação 3 e a Afirmação 5. E, com a paralisação da máquina e a piora dos serviços, em função da disfuncionalidade da reforma, também a Afirmação 4.

A palavra do guru

Desde a Ponto para o Futuro, o respeitado economista Ricardo Paes de Barros se apresentou como guru do PMDB para as políticas sociais. Deu entrevistas falando em “desinchar” o Bolsa Família e, apertado, admitiu sugestões cosméticas, de conceituação de pobreza, incluindo a análise de patrimônio e outras formas de acumulação dos beneficiários.

Ignorou deliberadamente alguns pontos centrais nas políticas sociais.

Na faixa da pobreza, trabalhos eventuais não podem ser considerados como emancipação das políticas sociais. É o segmento em que há maior instabilidade no emprego e maior dificuldade em retornar ao mercado de trabalho, quando dispensado.

Além disso, não se pode confundir estoque (os bens do beneficiário) com fluxo (sua renda).

Fez mais. Aceitou, sem desmentir, afirmações que o colocavam como um dos criadores do Bolsa Família.

Não é fato.

Há inúmeros programas mundiais de bolsa cidadã. O Bolsa Família é o mais bem-sucedido., consistindo nas seguintes ações:

·      Cadastro Único.

·      Sistema para apurar frequência escolar

·      Vínculo com educação e saúde.

·      Educação bancária.

O Bolsa Família foi constituído inicialmente por um grupo de trabalho coordenado por Ana Fonseca, na transição do governo Fernando Henrique para Lula. Depois, passou a ser coordenado por Mirian Belchior. E, finalmente, tocado por Tereza Campello.

Paes de Barros jamais participou da elaboração do BF, não frequentou nenhuma das reuniões do grupo, não participou de nenhuma discussão, não ajudou em nenhuma conta, nenhum diagnóstico nem a elaborar sequer um projeto de lei.

Não lhe tira o mérito de ser um dos grandes especialistas em pobreza do país. Mas exige, da sua parte, mais humildade e discrição, característica que sempre manteve em sua vida profissional até ser picado pela mosca azul.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

O xadrez da era da eficiência de Temer - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV