O não de Francisco ao "trumpismo" na Igreja

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • O que muda (para pior) no financiamento do SUS

    LER MAIS
  • Ou isto, ou aquilo

    LER MAIS
  • Desmatamento na Amazônia aumenta 212% em outubro deste ano, aponta Imazon

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

10 Maio 2016

A segunda chicotada do Papa Francisco é filha de um alerta crescente. Explicar por que ele falou de "Europa avó estéril" na sua visita-relâmpago a Estrasburgo, em novembro de 2014, e evocar, em vez disso, uma imagem de "mãe acolhedora" do Velho Continente, significa propor uma aliança contra os populismos. É uma mão estendida a líderes assustados com opiniões públicas eurocéticas e incapazes de encontrar uma estratégia para frear uma cultura das barreiras que desintegra a União Europeia. Mas é uma proposta de aliança nas suas condições, contra a corrente.

A análise é do jornalista italiano Massimo Franco, colunista político do jornal Corriere della Sera, 07-05-2016. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Ao receber o Prêmio Carlos Magno nessa sexta-feira, 6 de maio, no Vaticano, diante das mais altas autoridades da União Europeia, Francisco se apresenta como líder da "Internacional do diálogo" contra a dos "muros". Ele oferece um sólido suporte ético a governos que combatem uma narrativa moldada pelo medo e pelo racismo, além da insegurança econômica.

Ele adverte contra o perigo de "criar coalizões militares" que multiplicam e não resolvem os problemas. E aponta para uma reconstrução a partir dos valores dos pais constituintes.

Mas a impressão é que ele não fala apenas para as instituições civis. Embora não evocadas, as destinatárias das palavras papais também são as Igrejas europeias. O apelo diz respeito ao modelo de cristianismo que a crise está fazendo emergir. Ou, melhor, "os" modelos, porque a timidez sobre os migrantes por parte de algumas Conferências Episcopais, a hostilidade às vezes preconceituosa em relação ao Islã são peças da "cultura dos muros".

Em janeiro de 2016, foi o cardeal Christoph Schönborn, arcebispo de Viena e seu colaborador, que disse que "a cortina de ferro existe de novo, de outro modo". No pano de fundo do que acontece na sua Áustria, com a barreira no Brenner, as suas palavras parecem quase proféticas.

E o pontífice, nessa sexta-feira, as repetiu e as tornou mais solenes, denunciando uma espécie de esquecimento coletivo da história: como se o continente tivesse esquecido "a amplitude da alma europeia", que sempre foi "dinâmica e multicultural".

Para Francisco, trata-se de um desafio a ser vencido principalmente dentro da Igreja. A prevalência de uma leitura não inclusiva do catolicismo e, mais em geral, do cristianismo significaria a derrota da sua ideia de religião.

Isso significaria favorecer um catolicismo nacionalista e xenófobo, como o que está ganhando corpo em países como a Polônia; ou que perseguem, na Itália, movimentos como a Liga Norte e, na França, a Frente Nacional.

Mas Francisco olha para todo o Ocidente, que ele "encurralou" ao proferir discursos a partir das periferias do mundo e ao colocá-lo agora diante das próprias contradições e fragilidades, diretamente do Vaticano.

Não existe apenas Donald Trump. Existem também os "Trumps europeus" e um "trumpismo religioso", ao qual Francisco deu um "alto lá!".

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

O não de Francisco ao "trumpismo" na Igreja - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV